Engenharia social: é bom saber a respeito

Gente que tem o que dizer, que desmantela golpe e que tira o povo das matrix do mal eu divulgo. O vídeo que deixo abaixo é de um camarada que muito alerta a população sobre os mais aterrorizantes furos de reportagens que aparecem na grande mídia e que não passam de golpes contra a opinião pública.

A moldagem da opinião do povo, as crenças que o povo constitui, é a melhor expressão do que vem a ser engenharia social. O nome é bem claro: engenharia vem de engenhar, de moldar, de projetar. E social vem de sociedade, sociologia, indivíduos que vivem em coletividade. Ou seja: moldagem da sociedade, projetar indivíduos. Projeta-se, no caso, especialmente a mente, o comportamento das pessoas.

A engenharia social está presente em tudo. São as matrix que formam o modo de pensar e de se comportar das pessoas perante a sociedade. Tem as matrix religiosas, as do futebol ou as esportivas em geral, as midiáticas – em que o sujeito que se submete a elas adere a tudo que a mídia injeta -, as trabalhistas, as elitistas, as escolares. E muitas outras. Desde não cuspir em público para demonstrar recato até cuspir em público para demonstrar rebeldia e inconformismo, tudo é comportamento primariamente desenvolvido e testado para o público alvejado ter.

O comportamento da juventude é o mais suscetível a sofrer engenharia social, por essa razão vemos mais jovens em evidência em quase todos os grupos de contestação populares. Os principais movimentos declarados à juventude que se tem notícia são produtos de engenharia social. A beatlemania, o beatnik, a elvismania. O movimento hippie, o punk, o emo. Os grupos que se envolvem em lutas raciais. O feminismo e o machismo. O movimento gay, o nerd, os que pedem a liberação das drogas. Os neurolinguistas, os misticistas. Os que defendem o meio-ambiente, o veganismo. O fanatismo religioso também é fruto de trabalho de manipulação do comportamento humano. Se alguém se incomoda com alguma questão e quer dar um basta nela, só precisa criar um comportamento que vá de encontro à questão e seduzir pessoas com ideias que as façam ver razão em aderir a causa e ajudar a proferi-la.

Esses produtos são pensados e iniciados em laboratórios de pesquisas sociais. Centros de psicologia que estudam o comportamento humano e vendem os resultados de suas pesquisas para os meios militares, econômicos, políticos e midiáticos utilizarem em seus objetivos de atingir o público e se favorecerem com algum tipo de comportamento extraído com o emprego do estudo realizado por esses laboratórios. A Escola de Frankfurt e o Instituto Tavinstock de Londres teriam sido os primeiros desses institutos. No Brasil, a AERP teria sido uma versão desse tipo de entidade de pesquisa.

O principal objetivo da engenharia social é a escravização de mentes, que favorece o consumismo e o neocolonialismo. Entretanto, o efeito do emprego dessa tática contra a população, por, aparentemente provocar anarquia, é muito atribuído a marxismo ideológico (ou marxismo cultural) o termo quando se evidencia o uso de moldagem da população em pró de alguma causa. Porém, é apenas lobo em pele de cordeiro ou uma forma de a Direita conquistar os corações que a detestam, uma vez que mais se vê movimentos ligados à direita (conservadores do capitalismo) o que se destaca em matéria de manifestações de pessoas com comportamento uniformizado. No Brasil são exemplos os black blocks, o Vem-pra-rua, o rolezinho.

O livro “Os meninos da Rua Albatroz” muito menciona o trabalho desses laboratórios e o que se obteve com o emprego do resultado de suas pesquisas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: