Minha adorável vida de hétero

O Celta cinza prata fazia cem por hora sempre que havia oportunidade. Para trás ficava a paisagem vista como mera sinalização do caminho. O destino, o velho Júlio não sabia por que cargas d’água estava no rumo que tomavam. Passaram por vários motéis. “Tá certo que a maioria é bem abaixo da crítica, mas, havia uns dois de luxo“, sobrava para ele se perguntar sentado no lado do carona enquanto a morena estonteante guiava o volante e revezava afobada seu pé direito entre o acelerador e o freio, deixando o rapaz a notar o que das coxas da amiga de faculdade conseguia escapar pela aba da saia branca que ela usava. Quando o semáforo obrigava a parada, as bocas se encontravam, sob olhar de soslaio da moça para garantir a segurança de não estarem a serem vistos, e beijos lacônicos amenizavam a inconsciente pressa.

Onde, ele tinha um palpite. O que ela tinha em mente, ele não tinha dúvidas. Era para ser apenas uma carona até parte do caminho rotineiro que a jovem recém balzaquiana fazia toda noite para ir para casa. Ele deixaria de ser companhia para ela cerca de vinte quarteirões antes de ela pegar a Padre Pedro Pinto, sentido Ribeirão das Neves, localidade que estava bem além do ponto onde a própria pararia seu carro e o guardaria na sua garagem.

A dúvida de que era sexo com ele o que ela queria ele desfez logo que ela fez questão de não falar sobre aulas. “noite de sexta-feira a gente tem que pensar é em outra coisa“. Somando-se à fungada maliciosa em seu pescoço logo que ele aceitou a carona. Fungada que lhe custou o restinho do cheiro do Ladro borrifado às quatro e meia da tarde, antes de ir para escola. O qual formava o pelotão de frente para defender a pele do moço contra o cheiro forte do suor peculiar do stress de ter que suportar quatro horas a estudar. A certeza de que era iminente a primeira transa com uma colega de sala daquela faculdade de administração, que ele iniciara só para ocupar seu tempo, lhe vinha como certo é também que mamão com açúcar tem gosto adocicado.

Pelo parabrisa as luzes confusas dos carros da contra-mão junto às buzinadas desnecessárias que os vândalos do trânsito insistem em oferecer aos ouvidos presentes como forma de obter atenção fazia aumentar profundamente a impaciência. Na altura de uma agência da Caixa Federal, naquele ponto de aspecto pobre da Grande Belo Horizonte, o velho Júlio teve que confirmar com a motorista misteriosa o local para onde seguiam. Lindy era uma mulher casada e morava para aquelas bandas. Ele só sabia isso.

Meu marido é caminhoneiro e volta para casa sempre no sábado pela manhã“. “Relaxa! Não vamos passar a noite toda lá em casa“. Era para a casa dela mesmo para onde iam. Como ele desconfiava. E a irmã? Ela lhe falava dentro da sala de aula que havia uma irmã que mora com ela e o marido. Pensamentos mais picantes penetravam na cabeça do homem de meia-idade que se mantinha em silêncio a maior parte do tempo.

Uma virada à direita e a avenida foi deixada. O caminho tornou-se mais estreito e ainda mais paupérrima a aparência do ambiente. Adentraram-se em um bairro com algumas casas boas revezando com barracos e sobrados cheios de puxadinhos. Ruas pavimentadas e outras de chão puro. Um córrego à céu aberto despontou. O carro o contornou até certo ponto. A iluminação viária desceu. Postes com lâmpadas acesas intercalavam outros com elas quebradas. O medo que Júlio sentia tentando não deixar transparecer misturava-se com a excitação causada pelo sombrio panorama voltado para a expectativa de infortúnios típicos de periferia. Superava a inevitável aflição de ser flagrado pelo conjugue legítimo de Lindy. Porém, estranhamente não burlava esses contrapontos a vontade de ultrapassar os momentos preliminares à diversão que estavam à espera de degustar.

*Acompanhe este conto no marcador “Minha adorável vida de hétero”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: