Pecando em alto estilo

Pela greta da porta, Vera Cristina olhava sua irmã se deliciar do sexo. Sua mão livre fazia que ia e desistia de ir acariciar seu clitóris. A região estava inundada. De uma inundação que junto com a sensação que ela experimentava em silêncio forçado ela jamais tomou conhecimento de que podia existir.

O espetáculo que ela assistia estava no auge. Até ali, Lindaura atingira o orgasmo duas vezes. Ela estava sensível demais e provou logo um duplo. Os movimentos do parceiro permitiu a façanha, que com o marido jamais ocorrera. Lindaura não economizava no volume de seus gemidos. Isso possibilitou Vera vez ou outra soltar alguns suspiros que se não abafado o som poderia revelar sua localização.

A calmaria sônica comum do início da madrugada naquele lugar foi interrompida por um ruído peculiar das moradoras da casa ouvirem geralmente às nove da manhã dos sábados. Era inusitado demais para ser o que se passou pela cabeça de Lindy. Por isso ela continuou a cavalgar com a calcinha descida, presa na canela de uma das pernas, e a saia levantada, no colo do homem que ela elegeu amante naquela noite. Os olhos fechados e os lábios ajudando na respiração é o que ele via dela enquanto a segurava pelas ancas. A calça jeans que ele usava, aberta na região do zíper, a conta de expor estrategicamente o pênis, oferecia-lhe desconforto.

A plateia de um integrante apenas acomodada atrás da porta do corredor não se deixou levar pela euforia do acontecimento e reconheceu o desligar do motor do Volks 8150. Notou também o bater apavorado da porta do motorista, a fala rasteira reclamando de terem deixado a televisão da sala ligada, a batida enferrujada do portão social  e os passos nada educados a pisotear os degraus da escada externa e a aproximar da porta da sala.

Num átimo, Vera Lúcia deixou seu esconderijo e invadiu a sala para socorrer a irmã. Àquela altura a própria já identificava a solidez do inesperado. Benício provavelmente estava bêbado. Alguma coisa de podre acontecera para ele voltar antes do trivial. Principalmente por ser uma madrugada.

Lindaura desertou-se do posto. A irmã a substituiu no colo do rapaz, que já estava razoavelmente recomposto e vestido. A boca dele foi procurada por Vera. Ele entendeu o que ela tinha em mente. Lindaura correu o quanto pôde corredor a dentro em busca de seu quarto. O barulho de chuveiro elétrico sobrepôs o dos dois aparelhos televisores que estavam ligados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: