A Idéia: Capítulo 4

Uma fraude científica, que obteve a cooperação de um estadista com poder suficiente para dar permissão para que ela imperasse na sociedade, foi a responsável pela fluoretação da água potável.

E o que motivou a informação falsa de que o flúor faz bem para a saúde dos dentes foi a necessidade de aproveitar os dejetos que sobravam dos processos industriais da empresa Alcoa, nos Estados Unidos de 1930.

A toxicidade do flúor prejudicava os negócios da Alcoa em se permanecendo o elemento nos domínios da indústria de alumínio. A solução foi jogá-lo nas águas dos rios. Rios que abasteciam populações às suas margens.

E para que não houvesse represália pela contaminação dos bebentes das águas fluviais intoxicadas, uma campanha médica sem base científica, bancada à base de corrupção de dentistas e associações médicas pelo dono da Alcoa, teria convencido governos a instaurarem leis que obrigavam a fluoretação da água como instrumento de prevenção contra a cárie.

O flúor foi usado por Adolf Hitler em seus campos de concentração. A utilidade da administração nos prisioneiros era mantê-los passivos, lerdos, incapazes de se dar a uma rebelião. Nos anos 1980, Margareth Tatcher, na Inglaterra, usou do mesmo recurso para conter greve de mineiros. E pelo mundo a fora se viu desde então casos e mais casos do uso do flúor como elemento adestrador e de contenção de massas. A Bomba Atômica o mais temido deles.

O veneno sai das torneiras das casas ainda hoje em diversos países onde a mistura na água potável não é proibida. O Brasil é um deles. O combate à aplicação do ametal tóxico no cotidiano dessas sociedades é chamado de teoria conspiratória. E assim, junto com outro vilão, o cloro, e outros elementos químicos mais, o mal perdura conferindo seu serviço de controle mental para elites e governos.

O benefício maior que o flúor lega aos administradores do ametal nas pessoas é a lerdeza que provoca. A esclerose mental que predispõe as vítimas ao emburrecimento e à baixa intelectualidade é notável. A glândula tireóide também sofre com a ação do elemento, causadora de dificuldades aos pacientes de expressar verbalmente o que produzem em mente.

Não conseguir se expressar eloquentemente devido à dificuldade de concatenação das cordas vocais com o cérebro é tudo que os políticos e os empresários das megacorporações, donos do poder mundial, precisam para ter a massa incapaz de se virar contra eles. Eis a razão de sermos mantidos a consumir substâncias tóxicas na água que bebemos. Nós do Terceiro Mundo. Os povos das sociedades evoluídas já obrigaram seus governos a banir o flúor da água usada para beber.

Verdade ou não essas acusações que sofre a fluoretação da água, o que seriam os efeitos atacados podem ser detectados facilmente ao se auto-analisar ou tendo como ponto de análise as pessoas ao redor. E o que há de comum entre todas elas é o consumo de água. Quem nunca sentiu enjôo ao beber água fluoretada em jejum ou quem nunca notou em si a acidez no estômago que é inibida após uma golada dessa água e volta mais forte pouco tempo depois?

A água faz parte de 70% do corpo de um ser humano na fase adulta. Se ela estiver tóxica, o índice de toxicidade no organismo de uma pessoa é inexoravelmente alto.

A toxicidade do organismo abre as portas para doenças bastante severas. Que por sua vez leva à morte e, enfim, contribui com a redução populacional de que tanto precisa o Capitalismo.

Aqui discorremos apenas sobre a suposta conspiração que sofre a água potável. Ponto que foi amplamente discutido no livro “Os meninos da Rua Albatroz“. Será necessário mais um capítulo para se apresentar toda a discussão que envolve o tópico “redução populacional pró-capitalismo” nessa campanha para introduzir a Idéia. Afinal, a Idéia apareceu devido a uma insatisfação contra as atrocidades praticadas pelos dirigentes do Capitalismo. A Idéia é a chance de educá-los e mostrar para eles que é possível efetuar boas realizações dentro desse sistema, sem que a massa tenha que pagar pela bem-aventurança das elites. O difícil para essa turma é aceitar o ideal de igualdade, fraternidade e liberdade, que tanto preza essa gente, valendo também para o gado.

Ajude-me a saber se devo prosseguir com os textos, curtindo a postagem compartilhando ou comentando.

Obrigado!

MI CAS CONS TRUD

consgoquerueCutted

Leia também:

A Idéia – Introdução
Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: