Enfim, enxerguei a luz: Jair Bolsonaro me representa

A ironia é o meio de que se vale quem não tem poder para intimidar quem tem

Finalmente captei a mensagem do Bolsonaro. O homem é um santo. “Conhecereis a verdade (dele) e a verdade (dele) vos libertará“. Sabedoria pura! Depois que ele disse isso para o Jornal Nacional me bateu uma epifania. Encontrei o Messias. Vou votar nele. Chega de hipocrisia, o cara está certo e me fez ver que no fundo todos nós nos incomodamos com tudo que incomoda ele e ficamos reprimindo nossos instintos. Ele veio libertar a gente. Vai gerar leis que permitem que a gente puna no ato quem perturba a gente. E sem a gente sofrer punição do Estado.

Tudo começou quando uma empresária amiga minha me disse que entrou num taxi e ouviu o taxista fazer sua apologia ao Mestre. A empresária lá ia votando no Haddad. Mas, conseguiu visualizar o tanto de vantagem que ela vai ter se apoiar a política proposta pelo Bolsonaro. Pô, gente, empresário andando de taxi? Tá assim porque o país tá uma merda e apesar do Temer ter feito boas coisas para o empregador dar conta de manter os empregos, ainda não tá dando pra lucrar, só dá pra pagar salários. Mesmo assim, fica-se apertado com proventos desnecessários que o funcionário tem direito dado por esses calhordas esquerdistas. Era melhor manter o Temer, pois, pelo menos ele dialogava e a sociedade adaptaria as mudanças, mas, “a voz do povo é a de Deus“.

E depois; Temer é nordestino, né! Conforme os prints de conversas pelas redes sociais que foram difundidos à exaustão logo após a definição do Segundo Turno: são os párias da sociedade. Não prestam pra nada. Entendem de História e por isso Bolsonaro não ganhou na região e a região foi a responsável pela existência do Segundo Turno. Conforme os prints, o Nordeste deveria se separar do Brasil, ser destruído por uma bomba nuclear e outros destinos bastante catastróficos. Até mesmo genocídio cogitaram de haver. E eu só lendo e até então sem entender o porquê de tanto ódio!

Pra que tenho que pagar Décimo Terceiro“, me perguntou a amiga. Só ouvi e dei corda. “Férias, pô, trinta dias“. Falou em tom de pergunta e na minha cabeça entrou o complemento: “Poxa, tadinha, tem que ficar com o posto do empregado vazio, sem produzir, ou deslocar alguém ou pior: ter que contratar substituto temporário“.

E quando ela me falou que ia dispensar a mulherada toda que ela mantinha empregada? Concordei com ela: “mulher fica grávida, fica quatro meses de licença, às vezes engravida só pra ganhar esses meses, põe três, quatro filhos no mundo e o empregador aumenta seu custo com funcionário tendo que pagar salário família“. “Já não basta funcionário cismar de dar atestado por causa de suposta doença, ainda tenho que aguentar atestado de acompanhamento de filhos“. “Lugar de mulher é em casa, cuidando de filho e do marido; pilotando fogão, arrumando a casa e esperando o marido chegar pra ele ter alguma diversão em cima dela“. “Se quiser coisa melhor: ou vira prostituta e vai pra zona arrumar freguês ou vira empresária que nem eu“. E fechou com um “pronto“. “E um monte dessas coisas vale pra homem também“.

Ouvindo ela falar, entrou em mim uma onda de conscientização, que já nos primeiros segundos a adesão ao Bolsonaro me venceu. Fiquei imaginando outros setores da sociedade que poderia me vir a ser útil a política do grande gênio.

Fiquei pensando no torcedor de futebol e o tanto que ele me incomoda. Não sabe falar em outra coisa, fica com aquele foguetório poluindo o ar e ensurdecendo as pessoas. A gente quer assistir televisão na casa da gente e não consegue escutar o que estão falando. Buzinação de carro, gritaria de nome de time. Isso é bandidagem explícita. E quem faz bandidagem é bandido. E bandido bom é bandido morto. Mortos esses bandidos não vão mais me incomodar.

E o Messias vai me dar porte de arma, vou poder comprar na venda facilitada uma arma e ele vai me dar permissão para atirar em nome da defesa de meus direitos. Chumbo nesses canalhas que ficam perturbando em dias de jogo de futebol! Aliás, nem precisa ser dia de jogo: Passou vestido com aqueles trajes de palhaço que torcedor usa, cheio de frases e desenhos que incitam a violência, camisa de time, boné virado, cabelo pintado com água oxigenada, se a gente não pula pro outro lado da rua fica sem o celular. Só de estar com essa aparência já é crime premeditado. Intimidam as pessoas só de andar assim e aproveitam da inevitável insegurança que elas sentem e as roubam. Antes que façam isso: bala na cara, bem no fucinho deles.

Isso vale também pro fanqueiro, pro noiado que estiverem simplesmente andando na rua. Pela aparência já se sabe que é gente que não presta, pô! E o Bolsonaro ainda faz menção à cutis. Faz a gente pensar que se for preta, aumenta a expectativa de se ser abordado hostilmente. Antes disso acontecer, façamos bom uso da arma e do porte de arma: Fogo nesses bandidos. Bandido bom é bandido morto!

Tem mais: Aqueles porras que perturbam os outros com celular com o altofalante ligado na maior altura e tocando “bandido’s music“, que são aqueles funk e rap que só se escuta nessas horas, pode ser andando nas ruas ou dentro de ônibus ou metrô. Começou com babaquice de “novinha, vem pra piroquinha“: Fogo no idiota. Isso é coisa de bandido. O que esses artistas – que deviam também morrer em cima do palco dos shows deles – chamam de “novinha” eu chamo de “criança“.

Aliás, Bolsonaro tem que lançar leis que proibam esses babacas de se expressarem do jeito que se expressam. Isso só corrompe a sociedade. Tem que impedir as gravadoras de gravarem essas coisas, a televisão de dar espaço pra esses otários ir aparecer em programa de auditório, impedir rádio de tocar a porra da música deles. E se achar ruim: extermina tudo. É gente que não serve pra nada. Fora o consumo de droga que esses porras fazem. E ainda apologizam e carregam um monte de mané desavisado que entra no movimento deles e cultua a música deles. Fogo em todo mundo!

E nada de poupar quem produz eventos como as tais das raves e das resenhas. Eventos que aglomeram um monte de gente perigosa, predisposta a causar caos, alarido, consumo de álcool e de drogas tem que ser inibido. Outro dia eu ia embora do trabalho e vi a lotação em que eu estava ter dificuldades pra chegar de um quarteirão ao outro porque na rua estava tendo uma desordem dessas. Entrou um monte desses vagabundos em determinado ponto e aí acabou a paz. Tive que tomar o prejuízo de descer da lotação onde deu pra descer, eu e uma senhora, e pagar outro ônibus que nos levasse onde mais próximo de casa pudéssemos chegar e seguir o resto à pé. Pensa: voltávamos do trabalho. Os sujeitos, homens e mulheres, a maioria menor de dezesseis anos, conduziam bebidas nas mãos para dentro dos ônibus, proferiam que iam votar no Bolsonaro e que não pagariam passagem porque a “Dilma roubou, ela que pague“. Bolsonaro não pode ser condescendente com esse eleitor dele. Isso é bandido, pô, não importa a idade! E vou ficar de olho na “Redução da maioridade penal” e na “Pena de morte“, quero tudo isso e mais o fim da Constituição Nacional aprovado.

E a baderna no transporte coletivo? Cara que pula roleta, sai pela porta de entrada e entra pela de saída, que não paga a passagem e ainda desrespeita quem paga, é tudo bandido. “Bandido bom…?” E ainda vem esses prefeitos babacas colocarem avisos nos ônibus ponderando que quem não paga passagem estimula o aumento da tarifa. Pedem pro cidadão de bem denunciar. Ou seja: além de não ser o pagante quem deveria ter o trabalho de denunciar, os ônibus têm cameras internas, ele ainda vai pagar pela negligência e incompetência dos administradores públicos e sofrer aumento de tarifa? Não… Bolsonaro tem a solução: Fogo em todo mundo. No meliante que provoca a evasão de renda do transporte e no prefeito, vereador, deputado ou outro canastrão que quer que o sujeito de bem, que arca com a ordem e com os seus compromissos, pague a conta devido à estupidez que reza seus mandatos.

E aquelas porras daquelas igrejas evangélicas que não respeitam ninguém, ficam com barulheira que perturba o merecido descanso de um bairro inteiro, aquela gritaria, pregação, louvação ao altofalante e possantes caixas de som? Isso é baderna. Em nome de Deus o caralho! Pra mim é tudo bandido. Bolsonaro não define o que é bandido, mas, no dicionário Aurélio consta que bandido é integrante de bando e que bando é um grupo de pessoas reunido para articular algum propósito. Logo: Se alguém passar atirando dentro de uma igreja dessas está completamente dentro de seu direito. Bandido bom é bandido morto! Se o Messias privilegiar essas igrejas só porque tem o financiamento delas em sua campanha, e da TV Record, o acusaremos de favorecimento de classes com uso de cargo político – público – de alta patente. Isso é crime constitucional que ele não vai conseguir tirar de ser colocado na nova Constituição, que ele pensa redigir de próprio punho. Esperamos que os congressistas e o STF não deem pra ele tanto poder assim, afinal, teria sido o motivo que tirou Lula de concorrer com o Mestre e é só por isso que ele vai ganhar e poder proporcionar essa realidade que todos nós esperamos. “Nós” porque agora eu me incluo. Esse cara é um gênio! Não se discute com gênios!

Vou votar nesse cara. “Heil, Bolsonaro“. É a cara do brasileiro, pô! Todo mundo demonstrou isso pra mim e para um monte de gente nos murais das redes sociais. O cara faturou o Primeiro Turno, não faturou? Então? No começo este país vai ficar bem violento, mas será para o bem. Em um ou dois anos já teremos dizimado metade da população porque o número de pessoas que incomodam o sistema com a sua conduta dentro da sociedade ronda isso aí. A outra parte, os tais dos idealistas e os mesquinhos dos piedosos – os que têm compaixão por tudo, os frageizinhos que pedem clemência e podem atrapalhar a moralização necessária – se quiserem, que saiam do país. Vá viver em Cuba pra ver o que é bom! Vai pra Coréia do Norte. Se for comunista, se gosta de liberdade de expressão e de ação: Morra na câmara de gás de preferência!

Imagina! Eu também já ia votando no Haddad. Os eleitores do Bolsonaro falam que esse cara tem um projeto de lançar nas escolas um tal de “kit gay“. É só isso que esse cara vai fazer? Isso é para os fracos, os fortes arrumam jeito de a gente – e até os alunos – ter arma e porte de arma e sair metralhando crianças nas escolas. Aconteceu algumas vezes antes dele, que nem a “Tragédia do Realengo” no Rio de Janeiro, cidade do Mestre, aí todo mundo ficou chocado. Mas é porque ainda não estavam preparados para aceitar a utilidade do mal necessário. Não tinham sofrido a epifania. O Jesus que Bolsonaro ama e que seus eleitores acreditam estar com ele ainda não os havia possuído. Com Bolsonaro não, todo mundo vai ter pulso firme e entender as próximas catástrofes que virão. E nem precisa ser aluno babaquinha se metendo a ser gay ou comunista o motivo. Não gostou do comportamento de alguém na escola, ouviu bulling ou tá num dia ruim, a arma tá na sua mão e o porte de arma no seu bolso, abra fogo, porra!

Mas, vou cobrar quando ele for eleito. Já na primeira semana de mandato vou querer dar uns tiros moralizadores da sociedade. Já fiz minha lista de alvos. Tô ansioso já. Se o presidente, vossa excelência, vier me reprimir ou dar pra trás eu vou o acusar de propaganda enganosa, improbidade administrativa, falsidade ideológica e vou articular um impeachment.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: