Lula está preso ou detido?

E não é que a história de vender opinião que contei aqui rendeu?

Na volta do boteco — de um sujeito que não votou no Bolsonaro, por isso não estou boicotando —, onde gastei parte dos sessenta reais me pagos por uma opinião que dei sobre o que penso sobre o Lula, tive que passar em frente ao bar onde ganhei o dinheiro.

Jazia ainda por lá a turma que havia me abordado. E me vendo, o sujeito que me comprou a opinião quase saltou sobre mim pra me interpelar novamente.

Desta vez ele quis saber por qual motivo eu achava que Lula estaria preso. Posando de quem iria à forra  me deu duas notas de dez reais.

Quis ponderar que eu lhe devolveria em dobro o dinheiro caso minha resposta não o convencesse, mas, sabendo que convicção é estado de espírito que se escolhe estar ou não nele, não aceitei.

Bastante convencido de que desfaria perante seus colegas a imagem que lhe facultei, topou a transação.

Respondi: “Lula está preso porque o juiz Sérgio Moro o decretou prisioneiro”. Encerrei.

Nisso, o sujeito, abrindo as palmas das mãos e as afastando lentamente uma da outra, se queixou: “Não acredito que você vai querer ganhar mais quarenta reais pra discutir uma resposta óbvia dessas”.

“É a minha opinião”, ressaltei.

“E eu tive que pagar pra ouvir isso”, lamentou o homem.

“Se não está satisfeito, é porque você faz péssimos negócios”, repliquei.

E concluí: “Mas é bom que você seja assim. Poderia estar preso. Lula não está preso, está detido. Isso porque ele é bom negociador. Se ele estivesse livre, acha que esse entreguismo todo de direitos do povo, riquezas, território e soberania do Brasil estaria acontecendo assim sem estudar-se opções democraticamente? Sem haver no mínimo negociação com as bancas que representam o povo?”

“Se a elite poderosa por trás dos governos exigisse pra ele o que exigiu ao Temer e que Bolsonaro dará continuidade, ele saberia negociar de maneira que o povo saísse menos ou nada prejudicado.

Criaram um crime pra ele, arrendaram o Judiciário para sentenciá-lo, tudo para detê-lo e impedí-lo de ser candidato à Presidência da república, ser eleito e estragar-lhes os planos.”

O coronel reformado viu pontos na dissertação que fiz em que ele achou que pudesse atacá-la.

Eu ja sabia o que ele diria. E falar daquelas provas plantadas a respeito da propriedade indevida de um sítio e de um triplex, medíocres perto dos quase 500 bilhões roubados do Banestado que deveriam ter sido apurados e prestado contas do paradeiro, além de presos vários tucanos, pelo mesmo juíz que julgou Lula, e mais outros esquetes ajeitados para a mídia convencer os incautos da legitimidade da condenação, foi o que fez o tipo.

Então, respondi pra ele o que ele já devia saber que eu responderia: “Não discuto opinião que você comprou de outro vendedor”. E me mandei pra casa, deixando pra ele os quarenta reais pelo ensaio do debate da minha opinião.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: