Como transformar cem dias de governo desastroso em uma tremenda maravilha

quadrosruins

Tá de vomitar, perenemente, ouvir a imprensa mercenária noticiar, sob subsídio, que os cem primeiros dias de governo Jair Bolsonaro foram uma maravilha. E olha que a voz do povo é a voz de Deus e essa mesma imprensa teve que informar que o tal presidente teve o pior índice de avaliação de começo de governo desde que o regime civil entrou em cartaz no Brasil. Perdeu até pro Collor. “Volta, Collor“, dá vontade de gritar!

Mas, de certo ponto de vista dá pra pincelar o new fakenew da imprensa amiga do presidente e fazer com que o cenário pintado deixe de ser o “sem título” do Cy Twombly e passe a ser “A lagoa de lírios de água” do Monet. Mas, pra isso você precisa efetuar algumas operações.

Primeiro: só acompanhe os canais de mídia e imprensa corporativa. Dê preferência para assistir a TV Record e a Globo; ouvir a Jovem Pan; ler os estadões. Esses canais recebem do governo um cafezinho gordo para só publicar a favor do patrocinador. Espalhando simpatia em quem se submete aos materiais, enterrando nos pés-de-página o comprometedor ou sofismando a interpretação daquilo que não tiver jeito de ser melhorado porque é feio que só e não dá pra esconder.

Tipo as demissões de ministros e secretários que aconteceram com os BBB – Big Brothers do Bolsonaro, as denúncias de corrupção latente dentro do clã familiar e ministerial, o caráter duvidoso da família do presidente, as conexões com milicianos, as aprovações de leis agressivas à população, as estranhas viagens e relacionamentos diplomáticos, os discursos em público do presidente e de seus ministros. E o mais grave: os termos da Reforma da Previdência.

É bom ignorar tudo isso se quiser achar que tá tudo uma maravilha no país da bola, do samba e dos milicianos-gospel-neoliberais-latifundiários!

Nas redes sociais, principalmente no Facebook, Twitter e Instagram, bloqueie os amigos e contatos que postam contra o governo. Se não fizeres isto: já era! Ali não há qualquer censura e o alcance dos bafafás eletrônicos é astronômico.

E podem os Bolsonaro tirar as calças e pular em cima dando chilique, que mesmo sendo financiados pelo país-matriz dos veículos de rede social, não vão conseguir punir ninguém que postou algo que os deixaram irritados e nem tão pouco obrigar os sites a tirarem do ar as publicações ou frear a propagação.

Os sites também querem faturar e cada curtida e compartilhamento a mais é uma exposição de anúncio. E anúncio é anúncio. Quem se expõe a eles não quer saber ao que estão associados: se o produto ou serviço anunciado for bom, é corrida certa até o formulário de adesão.

Se você se expor às postagens desse pessoal irá cair na real e aí você não vai ter ‘cem dias maravilhosos’ como querem que você creia que foi esse trágico – em todos os sentidos –  primeiro trimestre de 2019.

Que, aliás, de manchetes verdadeiras só proporcionou tragédias pra imprensa corporativa noticiar. Talvez por isso tem sido fácil pra esta ofuscar os absurdos cometidos pela tragédia-mor, que é o governo do PSL.

Aliene-se – mais do que já é alienado – com o Futebol. Este ano você não precisa remeter sua atenção para a Europa para se cegar com os acontecimentos fúteis e lances bem bolados – sem trocadilhos – em bastidores para serem executados em campo em frente aos da arquibancada e aos de frente à TV.

Prepararam um super time para o Flamengo cegar o país todo, mas, tem também timaços e partidas de laboratório, com intuíto de dar repercussões de toda sorte, positivas e negativas, que atendem as torcidas em todos os estados.

Nessas condições, ninguém vai dar de mão de falar de futebol o tempo todo pra falar de política. Ainda mais que nessa cegueira toda, o país parecerá mesmo uma maravilha. Sáia do livro e vem pra cá, Alice! E traga o coelho!

Bem, aí está a fórmula. Muitos já estão vivendo ela desde o dia 1º de janeiro. Dia da Posse. Como por exemplo, esses que fazem parte dos 41% que aprovam a Reforma da Previdência, conforme noticiou a TV Globo.

Agora, como resolver a miséria com que se enxergará a população brasileira depois dos outros 1360 dias, a gente – nós das esquerdas – tentaremos encontrar uma fórmula.

Confesso que só mantendo os olhos abertos não está sendo o suficiente. Vamos ver como vai ser! Quem sabe numa dessas tragédias que a gente tá vendo acontecer todo dia apareça uma com um avião repleto de parlamentares… e empresários… e banqueiros… e gringos… Que só desapareça, não precisa mais do que isso!

Leia o livro “Os meninos da Rua Albatroz“.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: