O lado humano do Coronavírus

coronavirus

Uma amiga minha me enviou um áudio cujo conteúdo falava que o prefeito de Belo Horizonte falou em reunião com alguns vereadores e secretários da Educação que nos próximos dez dias o quadro da epidemia de Covid-19 em Belo Horizonte iria agravar. Falou em alta taxa de casos e de mortes. Minha amiga estava apavorada, então, usei toda a minha habilidade de escritor para tentar tranquiliza-la.

Eu havia postado no Facebook que o terror que a Grande Mídia propaga sobre a Covid-19 é mais letal do que a própria doença. E perguntei se alguém tinha a mesma imprensão que eu de que a TV Globo veicula informação sobre o caso como se estivesse de plantão cobrindo um dia de eleição para presidente da república no Brasil.

Quando a gente se submete à tensão, à alta taxa de medo e de adrenalina, nosso sistema imunológico desregula. Fica fácil patogêneses se desenvolverem e destruir nosso interior. Não é por acaso que a orientação “calma, relaxe” é pronunciada como se estivessem nos dando um remédio.

Quanto menos a gente assimilar esse tipo de informação é melhor porque a mente da gente é que produz a realidade. E talvez, esses que fazem esse pânico todo querem isso mesmo, que a gente dê forma ao caos. Em vez de dar ouvidos a eles, pense em si e comece a providenciar que sua imunidade seja forte para encarar o vírus.

Melhora-se a imunidade diminuindo a exposição aos aparelhos eletrônicos e suas emanações radioativas que desestabilizam as células do nosso corpo. O celular hoje é o principal deles, mas, temos também que apagar a luz elétrica. Devemos alimentar só de orgânicos, fugir do alimento industrial, com suas substâncias químicas agressoras, seus transgênicos e seus agrotóxicos.

Beber água saudável, sem fluor e cloro. Aplicar hemoterapia. Andar descalço com os pés direto na terra ou pisando em uma superfície relaxante. Acordar e dormir cedo. Dormir sob treva total para atrair a produção de ocitocina. Ter bons sonhos. Se expor ao Sol.

Fazer exercícios físicos e de respiração ritmada. Meditar. Praticar yoga e mudras. Procurar ter pensamentos nobres, que arrancam-nos sorrisos sem motivos. Relaxar. Ter orgasmos com ou sem parceiro. Orar quanticamente; pronunciar mantras. Ouvir sons agradáveis em frequências de 528Hertz.

É bem capaz de você não ter ouvido falar nada sobre hinduístas e ou budistas estarem sendo afetados pelo Coronavírus. Pode ser que se tornará o contrário agora que publiquei essa informação e o lobby do terror sobre o vírus perceber que isso pode estragar o plano.

Ignore as notícias sobre a epidemia e simplesmente atribua para si que está tudo bem, que já passou. Caso tenha contabilizado mortes de gente conhecida, não dê o crédito ao vírus, dê à Deus. É ele quem põe e quem tira. E sempre o faz sabendo. Não é como o homem, que faz supondo que sabe o que fez.

Vai ver já há vacina pra essa doença e eles que são financiados para propagar o pânico estão imunizados. Falam que o vírus foi manipulado em laboratório. Sempre que fazem isso, antes de alastrar eles produzem o antídoto. A ideia é vender o antídoto, vai dar certo se não o tiverem?

Mas, as nações só vão pagar por ele se estiverem num quadro de emergência, de catástrofe social. É o que estão providenciando. Que nem foi há algum tempo com a Gripe Suína H1N1. Nunca se tinha visto uma vacina ser anunciada tão rapidamente.

Talvez queiram que morra um pouco de pessoas para controlar a quantidade de gente que há no planeta. Querem que sejam velhos, pois, aposentados dependerão mais do Estado, mesmo que por pouco tempo. Todas as previdências do mundo estão falidas. E tem que haver uma população ativa, de pessoas jovens e saudáveis, para continuar a fazer a roda girar.

Eles parecem segurar algumas informações para garantir que esse quadro de emergência ocorra. Na China, a maioria dos velhos que morreram por causa da Covid-19 eram fumantes. E que o tabagismo tem relação direta com os piores quadros da doença. Logo, cuidar de fortalecer o sistema imunológico pode ser o suficiente para derrotar a crise. Se você for fumante, terá que fazer o sacrifício de parar de fumar.

O lado bom do coronavírus é que ele está fazendo as pessoas mudarem os hábitos nocivos que elas vêm mantendo e o Sistema não interfere porque alimentou a todos nós com uma ideia falsa do que é democracia e as religiões a propagação falsa do que é amor ao próximo. Pode ser que “corôa”, tradução de “corona” para o espanhol, seja uma alusão a algum rei que aguardavam sua vinda.

Talvez as autoridades querem que os hábitos inúteis da população sejam varridos. Hábitos que essas mesmas autoridades criaram ou deixaram serem criados em nós. Talvez, o jeito de fazer seja esse à base de choque. Sem uso de guerra militar. Todos juntos, aliados e adversários, por um bem comum: Salvar o planeta e a humanidade.

Nós brasileiros pudemos ver nas eleições 2018 que esse método funciona. Jamais conseguiriam tirar o PT da cabeça do povo se não tivessem criado o antipetismo. E jamais conseguiriam fazer as pessoas votarem em um candidato e partido novo se não houvesse alguém com discurso completamente contrário aos que eram de praxe os políticos discursarem. E jamais esse candidato, se ganhasse, conseguiria implantar as necessárias medidas radicais, enérgicas e inaceitáveis que foram aprovadas se antes de entrar para o comando esse cara tivesse se comprometido com o trivial de promessas de sempre. E nesta empreitada estavam juntos atuantes esquerdistas e direitistas. E só os eleitores, o alvo do negócio, achando que havia um pé-de-guerra entre eles.

Talvez queiram que a economia planetária ajuste alguns preços. Ou mude o status quo de fornecedores no mundo. Talvez queiram tirar os petroleiros de dar as cartas em todos os mercados. Mudar o combustível padrão por outro sustentável e democrático. Pôr um fim na mineração do solo no planeta e converter em plástico ou resina todos os utensílios de metal.

Talvez queiram priorizar a alimentação do que a produção de futilidades entretenedoras. Grãos em detrimento da carne. E com isso acabar com a fome dos humanos. E com a matança de animais. O planeta é de todos.

Talvez queiram que as pessoas experimentem trabalhar em casa, se adequem a essa modalidade de trabalho e a confirme. Que parem de poluir a natureza saindo com seus automóveis nas ruas e contribuindo com o Aquecimento Global. Reduzindo gastos para o empregador e fazendo o emprego voltar. Resolvendo até as questões de insatisfação com o trabalho, as lutas de classe, e do trabalho-escravo.

Talvez queiram que deixemos esse modo de vida nefasto que levamos. Que leva em consideração o consumismo, o Capital, o excesso de uso da tecnologia, o excesso de preocupação com o fútil e com a diversão. Excesso de absorvição de informação banal. Excesso de comunicação, de culto à droga, ao álcool e à perversão sexual. Dar de mão de um modo de vida que faz todo mundo se esquecer de ter tempo para a família, para cultuar e cuidar da natureza, para viajar em busca de prazer e espiritualidade em vez de diversão, transgressão e drogas tão somente.

De repente, até as religiões vão se encontrar, eliminar as divergências, aceitarem co-existirem. Inclusive com os ateístas. Quem sabe o homem perceberá que Deus é maior do que qualquer religião. E que não crer em Deus é uma espécie de experiência. O mesmo que dizer para o pai: “deixe-me tentar levar a vida sozinho, se eu precisar de você não é sensato que vá me desamparar se és meu pai“. Após esta vida o que acontecerá ao crente acontecerá ao ateu. E não há qualquer racionalidade na expectativa de haver punição por ter preferido ser uma ou outra coisa.

Talvez tudo não passe de um experimento social. Sob controle, mas com data de validade. Que dá jeito no consumismo, na criminalidade, na gravidez inconsequente, no stress urbano, no narcotráfico, na degradação do meio-ambiente, na falta de perspectiva de vida e de solidariedade. E por que não dizer: no desemprego e na falta de busca por saúde, educação e espiritualidade nos níveis corretos?

Talvez Chico Xavier errou por um pouco só a Data Limite. O que ele previu é o que está acontecendo: sem alternativas, a humanidade vai se amar e se consertar. Eu não tenho religião, mas eu acho que há a mão de Deus nisso. A forma que foi possível pra ele atender de uma só vez as aspirações de todos os seres humanos pode ter sido essa. O medo de um ser minúsculo fruto das invencionices humanas. Talvez dessa vez o homem pare de brincar de Deus. E passe a viver – feliz – como homem.

A.A.Vítor – Autor do livro “Os meninos da Rua Albatroz“, cujo capítulo “Planejadores do futuro sombrio” previu o momento atual. Sobre saúde e espiritualidade leia: “A magia que enriqueceu Tony“. Sobre empreendedorismo, relação interpessoal e sexo leia: “Contos de Verão: A casa da fantasia” e “Todo o mundo quer me amar“.

Sigam em frente; e que Deus vos acompanhe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: