Como livrar-se do medo da morte da moda

amortedamoda

Se dessem no dia junto com os números da Covid-19 os da dengue, da H1N1, do Câncer,  da leucemia, do diabetes, do tabagismo, do infarto, o pânico inexistiria. O telejornal que ninguém desliga dele seleciona só a Covid-19 para falar porque senão ninguém entra no estado emocional que querem que entremos e caiamos que nem patinho.

De repente, o cara sente todos os sintomas da Covid-19, entra em colapso mental e quase morre de infarto por conta do seu medo. Por não haver alternativa, vai ao médico. Recebe dele o diagnóstico de que, por exemplo, está com Aids. Aí, a insanidade tá de um jeito que é capaz do sujeito sair do hospital comemorando. Aliviado (sem trocadilhos) por não ser o tal do coronavírus a lhe atormentar.

Quando a Aids iniciou sua fama era assim também, do mesmo jetinho. Se de repente se pegava um resfriado e não se conseguia curar dele era até pior, pois, o moribundo teria que ir ao médico e se este lhe desse o diagnóstico da síndrome causada pelo HIV podia ser que o rumo a tomar fosse a morte instântanea mesmo. Mas, por suicídio.

Na ocasião, morrer de Aids era o mesmo que entregar um atestado de ser homossexual enrustido. Um pouco depois passou a ser também atestado de usuário de drogas injetáveis. Aliás, foi até isso que fez a doença se universalizar, chegar ao heterossexual, e com isso um hétero morrer dela era sinônimo de ser ou possuir cônjugue infiel. Na melhor das hipóteses: ser um pegador irresponsável que não usava camisinha.

Ou seja, não morrer da causa mortis da moda é uma questão moral. É um querer garantir que não vão falar pelas costas: “eu te avisei“, “foi recomendado cuidados e você não se cuidou“, “tá todo mundo falando disso, dá na TV toda hora“, “viu o que sua falta de informação fez com você“, “você falhou na prevenção, foi relapso“, “tá vendo aquele cara? todo santinho, né“. E nessa última tem o enjoado “pois é” no final da frase.

Isso faz pensar que nós não tememos a morte. Tememos morrer. Se você perde um ente querido, por mais querido que seja chegará o tempo de conformismo e de “vida que segue“. É aí que entendemos o que querem dizer com “procuramos querer ver o outro vivo por puro egoísmo“. Às vezes a pessoa já viveu o que chega, ela mesma pensa isso, já se foram seus amigos todos, se foram também os famosos que ela gostava, e ficamos a empacando, querendo ela para nós.

E a preocupação com a própria morte que o indivíduo traz consigo se resume ao momento da passagem. Se esta for como a de um homem-bomba, sem dar tempo para agonia, tanto melhor.

Mas, se for como a de um moribundo jazendo em um leito de morte, morrendo a conta-gotas, que faz pairar na mente um monte de providências a tomar, de remoagem de lembranças de momentos que vão ficar, de saudade que vai despertar, de arrependimentos por ter feito ou por não ter feito, de reflexão sobre como é o outro mundo e se vai parar no inferno ou se vai para o céu, de desejo de pedidos de perdão e de absolviçao de culpa, aí é mais duradouro esse medo normal.

Certa vez uma pessoa me disse que eu era muito frio com relação a essas questões. Achava ela que eu não acreditava em Deus. Então, pus a pessoa para refletir: “Pensando da forma que penso eu estou mais próximo da verdade sobre Deus do que você“.

Expliquei sobre minha visão cabalista do Criador. Ela, cristã, obviamente não conseguiu entendê-la. O cristão tende a pensar que Deus é um ser material. E eu tive que amenizar o impasse revelando que em algo os atributos que cada um de nós dava a Deus era comum: a eternidade. Só que eu não me contive e disse que Deus é eterno assim como todas as coisas são.

Aí, a pessoa questionou: “todas as coisas“. E ouviu o meu “sim“. Que foi replicado com a pergunta em tom de deboche torcendo os lábios ao seu final seguido de um olhar para o alto à esquerda: “até o homem“.

Para desfazer a intriga dela, lhe indaguei: “Quem você acha que você é“. Antes que me desse respostas nada a ver com o que indaguei eu fiz outra indagação: “você acha que é esse corpo físico que está à minha frente“. Ela disse que sim.

Daí, voltei a discorrer meu raciocínio. “Então, você não está em conformidade com o que prega o cristianismo“. E é verdade, pois, o cristianismo prega que há uma vida após a morte do corpo físico. E se somos o corpo físico, ficamos por onde morremos.

Ela então: “o que vive a outra vida é o nosso espírito“. E eu: “E o que faz esse espírito enquanto estamos vivos fisicamente“. Ela: “?????“.

É o nosso espírito que conduz o nosso corpo físico. Enquanto há possibilidade de vida material a ocupação do nosso espírito é cuidar do corpo material. Este, logo que chega o seu fim de linha, apodrece, vira pó, deteriora, se divide em átomos e vai compor outra matéria. Logo, o corpo físico também é eterno.

Os átomos não morrem. Tá, o esqueleto, ficam lá milhões de anos fazendo parte da mesma ossada os seus átomos. Isso é coisa pra ser, até facilmente, explicada pela Física e pela Química. Tem a ver com estabilidade de átomos ou de matéria.

Já o espírito que nos comanda, o que ele faz depois que fica desempregado de cuidar de um corpo não temos a mínima condição de informar. Podemos, sim, especular. O Espiritismo prega que esse espírito vaga por um tempo e depois reencarna. Obviamente, reencarnar pra ele é se empregar de novo como tomador de conta de corpo físico humano. Pode ser que isso seja um prêmio para o espírito. Ou então um karma, um castigo. E ainda há a hipótese humanista, positivista, de isso ser uma inerência no meio espiritual.

Na Cabalá e na Física Quântica se pensa diferente. Tudo está ligado, tudo é feito da mesma substância etérica, tudo é energia. É como se pensássemos na eletricidade que neste momento alimenta o aparelho que você usa para ler este texto. Depois que você desligá-lo e ainda tirá-lo da tomada, o que acontecerá com ela? Ela é o espírito do eletrônico, é ela que o faz funcionar.

De alguma forma, uma parte dessa energia fica no aparelho fazendo parte dele, mas, sem a condição de serví-lo com a função original. Outra parte foi irradiada e sumiu pelo éter. Talvez essa parte não mais vá influenciar a matéria, mas, sim, o éter. E influenciando o éter pode ser que algo material seja impactado. Daí se percebe que nada esgota, que tudo é motocontínuo, e é no mínimo bidimensional em nível de plano existencial.

Então, leitor, se concordas comigo, qual o espaço tem o temor pelo ataque do coronavírus – que é um ser composto de elementos químicos que provavelmente compuseram em outra época um ser humano – na eternidade? Nenhum.

A morte física – que acho que provei pra você que é na verdade uma transmutação – não existe. Menos ainda a espiritual. O que existe é o medo de morrer. E esse medo é moral. E tudo que é moral pode ser desmoralizado.

A.A.Vítor – Autor do livro “Os meninos da Rua Albatroz”, cujo capítulo “Planejadores do futuro sombrio” previu o momento atual. Sobre saúde e espiritualidade leia: “A magia que enriqueceu Tony”. Sobre empreendedorismo, relação interpessoal e sexo leia: “Contos de Verão: A casa da fantasia” e “Todo o mundo quer me amar”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: