Sei que nada sou

Nossa, como é Drurys! Decidi não escrever mais em blog algum e nem em redes sociais e aqui estou eu quebrando isso. Já que não tem remédio… Mas é só desta vez!

Sei que nada sou, pois, não possuo estabilidade, estou sempre sofrendo transformações. Tudo o que acontece à minha volta é que me faz pensar.

E na minha mente não vão parar só o que observo, cheiro, ouço, toco. Há informações que são captadas pelo cérebro e que estão latentes aos meus sentidos físicos. Junta-se tudo isso no palco dela e forma-se a tempestade que observo, que me tira a concentração, dificulta meu poder de decisão, faz o caos tomar o meu ser, trazendo ansiedade, inconformismo, nervosismo, frustração por ser assim – como se eu fosse diferente de todos os outros seres humanos –, procrastinação, preguiça de terminar raciocínios e desenvolver ideias ou assimilar aprendizados, desmotivação para o passo consciente seguinte.

A maior parte do tempo, a maioria de nós está em piloto automático. E não tem essa de manter atenção plena, foco e outras balelas para se vir livre do caos e ser dono do próprio destino, que os chamados coach adoram lecionar.

A questão é que tudo isso é inevitável. Tanto as causas, quanto as reações. Faz parte da natureza, do materialismo, deste mundo, deste universo. Essa tempestade é tudo o que somos. Somos formados por ela. Não conseguimos nos livrar dessas influências como nos livramos de uma roupa que nos causa desconforto.

Somos o momento que estamos nele. Somos o que sentimos. A interação com o mundo nos emociona e consequentemente nos faz ter pensamentos que irão nos colocar no status do sentimento pertinente a eles.

E eu, como todo ser humano, estou sempre expressando sentimentos diferentes e itinerantes, que vão e voltam.

Somos a opinião que expressamos. É por ela que nos avaliam e nos rotulam. Por isso é bom ser aquela metamorfose ambulante, pois, se nos avaliarem mal após uma fala, quem sabe não melhore isso na próxima? Detalhe: nossos gestos também expressam a opinião que mantemos em dado instante.

E o que opino também está sempre mudando. A parte fixa da minha opinião, ou seja: as minhas convicções, esconde-se no meio da tempestade de pensamentos que me assolam a todo instante. E com isso, eu não consigo manter consistência no que propago.

O interessante é que isso se dá sem eu me contradizer. É como se sempre houvesse novidades no meu caminho, que me convencem que realmente nada sabemos e que o que sei é uma gota, sendo o Oceano o que ignoro.

É fato que isso tudo deva ser levado em consideração com relação ao meio material, ao que diz respeito ao Eu físico. O Eu Superior, que sobrepõe nossa mente e controla nossas ações, é constante e invulnerável ao que nos estimula fisicamente.

Cada vez mais, me distancio do ponto de partida, que já nem sei mais onde fica. E jamais chego a qualquer lugar. Me convenço, então, de que não existe a largada e nem a chegada, só o caminho. E esse caminho é você mesmo.

Essa trilha não é uma linha reta. É, sim, repleta de bifurcações. E como não se chega a lugar algum, quaisquer das ramificações que tomo – e faço isso automaticamente – é por onde eu deveria ir. De modo que não faço escolha alguma, simplesmente vou. E aquele que é realmente quem a gente é cuida do resto, ajeita tudo para que nos adaptemos para viver as experiências do ramo.

Não se paga pena pelas escolhas feitas, pois, não se escolhe nada. Simplesmente ocorre, às vezes, de sofrermos enquanto nos adaptamos ao rumo tomado. É até comum intuirmos coisas como “penei por ter tomado essa direção, mas, no final percebi que era a decisão certa”.

Eu sou caminho, a verdade e a luz
(João 14:6)

Quem contará nossa história?

Se coloque na pessoa de um ávido colecionador de revistas em quadrinhos. O que ele coleciona mesmo é a arte que essas revistas transportam, portanto, se esta estiver adaptada para um formato digital, o significado da coleção é o mesmo.

Um dia, você viu que a mais antiga das suas revistas se deteriorou por completo. Perda total. Mas você disse para si mesmo: “Por sorte eu a possuo em PDF”. E se sentiu aliviado.

Noutro dia, você quis reler as histórias do exemplar de papel que foi perdido e recorreu ao CD-Rom onde havia colocado o PDF do mesmo. Se viu sem condições de utilizar a mídia, pois, o leitor que havia em seu computador se estragara, não havia mais técnico que o consertasse e nem como comprar novo leitor, pois, o CD se tornara obsoleto com a chegada do pendrive e foi esquecido.

Novamente, você disse para si mesmo: “Por sorte eu coloquei uma cópia em um HD externo. Fora até o local onde o dispositivo estava guardado e o tirou do lugar para plugar no computador via porta USB. Só não era mais prático estar apto a usufruir do material que você queria acessar do que se ele estivesse em seu formato original, o de revista em papel, que era só tirar do lugar e começar a ler.

Praticado seu consumo, você fez toda a operação para tirar do computador o drive de leitura e o guardar novamente. Nisso, você notou como ele era frágil. Um dia poderia cair, empenar, arranhar a região de leitura, derreter ao fogo. E aí você terá se despedido para sempre do exemplar de revista em quadrinhos tão amado.

E nessa hora você se pôs a pensar: “Por mais cuidado que eu possa ter, chegará um tempo em que nenhum dos itens de minha coleção estará disponível para eu desfrutar”.

E isso te fez herdar uma decepção, que chegou até a lhe motivar a dar de mão desde já de tudo o que havia colecionado. Desfazer o amor, o fascínio ou a obsessão pelos artigos lhe traria conforto e lhe pareceu ser algo inteiramente racional. Sem contar que lhe devolveria a liberdade. Quem se apega a qualquer coisa teme excessivamente perdê-la. E com isso, se torna aprisionado, refém dos próprios interesses.

Porém, uma luz surgiu no fim do túnel para evitá-lo de dar o próximo passo, que seria jogar a coleção em uma fogueira. Você se lembrou de uma reportagem que leu em uma revista, lá nos anos 1980, que informava sobre uma caverna na Suiça onde estariam guardadas, com o máximo de segurança, informações de tudo o que o homem fez. Se um dia algo advier de forma a deixar a humanidade individualmente sem seus registros, era só recorrer ao acervo protegido na caverna. Pelo menos o que for coletivo estaria arquivado nela. Haveria lá, ainda que em formato digital, uma cópia do exemplar da revista amada.

Entretanto, você também se lembrou de um documentário que por acaso viu no Youtube: “O mundo sem ninguém”. Conforme o documentário, se uma tragédia ocorrer na Terra, como um hecatombe nuclear, e dizimar da face dela o ser humano, em dez mil anos não sobrará nada para contar que um dia nós, humanos, existimos. E isso fez você voltar à estaca zero.

Mas aí você teve nova inspiração. E concluiu: “Ora, sem ter alguém para ler o exemplar, ele não precisa ser eterno”. E isso o aliviou de forma definitiva.

Se um dia o próprio planeta for varrido do Universo implacavelmente, de maneira que não só banirar-se dele o ser humano e sua consciência, sua capacidade de observar e de sentir a existência, mas também todo e qualquer ser vivo, sensciente ou não, todo e qualquer corpo material, incluindo as rochas, o Universo prosseguirá com sua expansão como se jamais, em qualquer tempo, tivesse existido o planeta Terra. O que se dirá do que havia dentro dele!

Fica então a pergunta: Qual o espaço que há no Universo para as preocupações humanas? Se refletirmos à fundo sobre isso, veremos que até as entidades divinas que as religiões pregam, como Jesus Cristo por exemplo, perderá completamente o significado se não houver alguém, com o imaginário tomado pela idolatria, pelo fascínio ou pela obsessão, para pensar a seu respeito ou para querer usufruir de seus deixados.

A vida é uma oportunidade única para contemplarmos o momento presente e obter dele experiências sem se importar com a durabilidade delas. Nada é eterno como uns dizem serem algumas coisas. Tudo é modificável. E só o que existe é o momento que chamamos de presente. E nele não cabe perder tempo com qualquer preocupação. Principalmente as que aprisionam a mente.

A diferença entre educar e estudar

Primeiro momento: No Facebook uma colega postou “A forma arrogante como algumas pessoas estudadas tratam pessoas que não estudaram demonstra que estudar não garante educação” e o algoritmo da rede achou que devesse a publicação aparecer no meu mural.

Pensei que pudesse ser a Rede tentando me fazer militar contra aqueles que pregam que o país não deve destinar verba às escolas públicas, então, reagi comentando: “É só no Brasil que estudar significa educar-se. Estudar nos outros países significa o que é: adquirir conhecimento. Rs!”. Coloquei o “Rs” de risadinha para que a colega não pensasse que eu estivesse querendo pagar lição de moral.

Segundo momento: Encontrei com um amigo professor em barzinho e no ensejo procuramos colocar nossas conversas em dia. À certa altura do bate-papo, a jukebox estava em volume exagerado e o professor perguntou se eu não toparia ir para outro boteco. Decaí porque eu tinha um compromisso naquele local. Fui até a dona do bar e solicitei que diminuísse o volume. Provavelmente por conhecer minha média de gastos no ambiente comercial recreativo, a proprietária atendeu ao meu pedido.

Nosso assunto então era questões da política brasileira. Surgiu oportunidade para expormos ideias sobre implantar o Liberalismo econômico e acabar logo com a guerra de interesses que disputam bolsonaristas, esquerdas e pessoas não necessariamente politizadas que opinam sobre os factóides políticos despejados pelos diversos canais de mídia existentes nas sociedades atualmente, entre eles as redes sociais na internet, como por exemplo o Facebook.

O professor me disse que o Brasil não está preparado para viver o Estado-mínimo. E eu lembrei que no sistema mixto de economias que define o regime econômico do país é que não dava para continuar, seria melhor implantar o socialismo de vez.

Concluímos, então, que o brasileiro não está pronto para os dois regimes. E o professor pontuou que o motivo seria a falta de educação do povo e que houvesse investimento pesado em educação seria possível optar por um ou outro sistema. Foi aí que falei para ele sobre meu comentário no post da colega de Facebook.

O professor discordou do meu comentário. Achava ele que devesse sim o país investir em educação. Nisso, procedi dizendo que teríamos que compreender a palavra “educação” do modo correto. Educar um indivíduo é torná-lo adequado para o convívio em sociedade. Isso quem faz em primeira instância é a família. As crianças recebem dos pais essas instruções. O governo, a mídia e as igrejas, com mais ênfase esses três, fariam o resto.

A parte do governo não se dá exclusivamente providenciando e gabaritando escolas. Na escola se vai aprender a ler e obter o conhecimento de diversas ciências positivas que ao longo do tempo o homem acumulou. Na escola também se aprende uma profissão e se capacita a trabalhar nela. Citei a medicina. Mas, têm que chegar à escola já educado, já tendo bons modos. E dei a informação que na faculdade eu tive professores que não tinham um pingo de educação ou que fossem bem menos educado do que eu. Isso torna verdadeira a reflexão na postagem de Facebook mencionada.

O Governo investir em educação é criar campanhas educativas e usar os outros instrumentos como meio de implementar essas campanhas. Em minha infância, tempos militares no Brasil, era comum se vir dessas campanhas em todas as instituições públicas e nos mais diversos produtos de mídia – por exemplo: na campanha do Dedinho, que visava incentivar a prática de esportes e ajudou o Governo Médici a implantar a disciplina Educação Física nas escolas, utilizaram revistas em quadrinhos que eram dadas nas escolas ou vendidas nas bancas; a campanha para criar a consciência de higiene e limpeza utilizou um personagem chamado Sujismundo, que foi parar em filmes para a televisão e em cartazes que se podia ver fixado até em estabelecimentos comerciais e interior de ônibus.

Ou seja: as escolas serviam de murais e porta-vozes para fazer chegar ao público pertinente a elas a mensagem do Governo para educar a população. Porém, isso sendo mais esperado de se ver nos estabelecimentos educacionais de ensino fundamental. As universidades poderiam no máximo dar apoio para relembrar esses deveres a seu público, que está nelas para se profissionalizar em alguma profissão e já tem que estar educado para os processos sociais – como não sujar as ruas, não fazer barulho em locais de uso comum das pessoas, como se proceder no trânsito.

O professor concordou em partes com o meu apontamento quanto a investimento em educação, mas manteve sua opinião quanto ao motivo de não ser devidamente educado o povo para viver o minarquismo ou o socialismo propriamente ditos. Ele próprio citou que a solução seria pegar representantes de cada grupo social do Brasil e em um debate chegar ao melhor modo de realizar as implementações.

Nisso concordamos juntos sem resistência. E ilustrei minha adesão considerando o bar onde estávamos como a Sociedade. O interesse daquela sociedade era que todos nós, os consumidores do bar, estivéssemos satisfeitos em estar nela e jamais decidirmos ir para outra sociedade. O volume da jukebox, por exemplo, teria uma configuração que não incomodasse quaisquer dos usufruintes do local.

E o potencial de gasto de cada consumidor não seria o determinador dessa configuração, uma vez que por não se tratar de um local incondicional para se estar e ainda por existir concorrentes que provesse o mesmo lazer, quem fosse excluído da decisão, ou seja: quem não suportasse o decibel determinado, estaria livre para se retirar. E o interesse do proprietário é que ninguém se retire, quanto mais quem representasse consumo maior.

O determinador seria, sim, um debate com a participação dos proprietários, funcionários e clientes do boteco. A melhor expressão do que é democracia é o debate.

O amor cria a sua realidade

As palavras que você diz e ouve o dia todo formam tudo o que você vive nele.

Pense no momento em que as palavras foram criadas. Pense no grupo de pessoas presentes nesse momento. Qual seria o objetivo delas? Por que elas quiseram criar as palavras?

Por certo, sem haver uma linguagem representada por palavras, elas se comunicavam de alguma forma. Mímica, reconhecimento de vibrações. Do contrário não chegariam ao acordo de criar palavras. As palavras, então, substituíram a linguagem com que comunicavam até ali.

Pensemos, então, em algumas palavras que aquelas pessoas criaram. Vamos supor que cadeira ou algo parecido que usassem para sentar existisse.

Uma cadeira é algo visível e concreto. Logo, foi fácil para um homem mostrar para o outro a coisa que dariam um nome para ela. Era só decidirem entre si como iriam batizar o móvel.

Mas, e as coisas abstratas, como os sentimentos? Como um homem iria explicar para o outro a coisa que queria que fosse dado a ela um nome?

O amor, por exemplo. Como um homem iria explicar para o outro algo que se sente internamente e que é totalmente pessoal, ninguém pode dizer ao certo que sente amor exatamente da forma que o outro sente.

E por que um homem colocou o amor, por exemplo, dentre as coisas que receberiam nomes? Por que ele viu importância nisso?

Quando ele conseguiu se expressar, por certo os outros concordaram quanto a importância de ser definido um nome para o sentimento de amor. Perceberam que era relevante ser dado um nome para essa sensação.

Por certo, ela era corriqueira, sempre presente e quando alguém a estivesse experimentando era bom que pudesse falar a respeito.

O motivo de ter sido importante dar uma palavra para o amor parece ser óbvio: Todos amamos.

Mas, bastaria amar. Às coisas que fazemos quando amamos, abraçar por exemplo, se daria nomes.

Talvez, todos queremos falar de amor. É por isso que o amor recebeu um nome. Para falarmos sobre ele; para chamarmos por ele; para que alguém diga que fez algo movido por ele.

E pode ser que o amor é que tenha sido a força que moveu as pessoas que criaram as palavras a criá-las. Porque quando falamos de amor, ele pula para fora de nós. E toda a realidade fica melhor. De uma forma que não achamos palavras para expressar a felicidade que sentimos. É preciso criar outras.

A psicologia do sexo

Gênero Sexo Símbolo - Gráfico vetorial grátis no Pixabay

Você admite que há pessoas que sem fazer qualquer força são selecionadas por outras para o fim de sexo?

Pessoas sortudas, não?

Mas, o que elas têm de especial que as fazem ser assim?

A gente acha que é o penteado, faz um igual e nada acontece. Acha que é o jeito de andar, de vestir, de olhar. E nada!

Muitas dessas pessoas conseguem irradiar vibrações que só são interpretadas por pessoas que vibram equivalentemente. Entenda isso: equivalentemente.

É mais fácil acharmos o “casanova” em um local onde todos vão buscar paqueras, romances, sexo.

Nesses locais, todos os presentes vibram em faixas parecidas. O casanova vibra de um jeito que combina com o que vibra a maioria.

Por isso ele é o mais requisitado, pois, é o que é mais identificado em vibração pelos os que estão atrás dessa combinação.

E aí, no próximo post eu ensino a vibrar de modo a combinar com a vibração da maioria dos presentes em uma multidão.

Se não quiser esperar e quiser aprender mais contundentemente sobre isso e outras coisas, adquira o livro “A magia que enriqueceu Tony“.

Como manipular a mente para nos dar o que queremos

Sinapse cerebral de um pensamento positivo e decisivo. (INTERNET)

Foco, pensar no que quer em vez do que não quer, é que é o segredo para materializar desejos e moldar a realidade. Só depende do pensamento o humano para obter essa façanha e gozar de boas experiências na vida material.

Mas, nem mesmo o mais experiente em manter pensamento positivo diz que isso é fácil. E pra que diabos serve um poder que não conseguimos utilizar por ser a nós muito difícil concentrar no que quer?

Tem que haver um método empírico para isso. É certo que para chegarmos a ele temos que compreender o que acontece quando estamos tomados pelas emanações de um pensamento.

O acontecimento negativo é muito fácil para nós de ver acontecer realmente. Isso porque as vibrações que o possibilita emanam de nós com bastante facilidade. Não precisamos fazer esforço algum, somente alimentamos incondicionalmente a mente com os pensamentos adequados, que configuram as sinapses na combinação que faz com que hormônios sejam liberados de modo a nos causar os sentimentos propiciadores de materialização.

Emoções provocam pensamentos que causam sentimentos que são o que a gente é e por isso moldam a observação da realidade com que observamos. Com base nisso, se emocionar adequadamente seria um método empírico.

Quando desenvolvemos na mente situações negativas somos tomados de sensações que nos dominam. Até certo ponto somos levados a gostar delas. É só notar que quando sentimos ódio procuramos extravasá-lo. Nos alivia dar corda ao que estamos remoendo pelo simples fato, pode ser que inconsciente, de gozar de sensação motivadora.

Como a água que sai de uma torneira aberta ao léo preenchendo um copo debaixo dela, não conseguimos fazer parar o preenchimento até que se transborda em forma de efeito na realidade o fluido que nos preenche.

Já para vivenciar na mente situações positivas é necessário que voluntariamente produzamos as sensações adequadas ao surgimento delas. Diferentemente das negativas, que ocorrem em nossa imaginação naturalmente, temos que muitas vezes imaginar o que desconhecemos, que é a sensação que iremos gozar dela se o bem pretendido estiver vigorando.

Materializar o pensamento é uma questão de emitir vibrações coincidentes com certo tipo de realização. Se emanamos vibrações que geram experiências negativas, é o que teremos. Ainda que as emanemos havendo na mente um esforço para pensar em coisas agradáveis. E vice-versa.

Então, se ocupar com coisas que sem esforço nos faz gozar experiências agradáveis é uma fórmula para afugentar de si as vibrações que produzem as más experiências. Uma vez nesse estado, levar à mente, arbitrariamente, a imagem do que se quer. A mente irá atribuir o sentimento de agradabilidade vigente à imagem lhe arbitrada.

E assim, não haverá experiências ruins em sua realidade por não sair de você as vibrações que as viabilizam. E ainda que não seja exatamente o que você quer – pode ser que se trate até de algo melhor -, somente vivências boas se experimentará.

Algumas dicas para se ocupar com coisas boas são assistir filmes, ouvir música, curtir um aroma agradável como o de um perfume, degustar de comida ou bebida saborosa, ler ou escrever, praticar esporte ou exercícios físicos e espirituais, gozar de atividade de entretenimento e lazer, apreciar ou produzir arte, viajar, conversar com pessoas inspiradoras, ter orgasmo, meditar. Buscar se emocionar com o que lhe faz ter pensamentos que geram bons sentimentos.

Cada um se emociona com o que lhe apraz. E utiliza a emoção para envolver a mente em um clima que inexoravelmente faz surgir vibrações boas e capazes de tornar a realidade melhor.

Leia o livro “A magia que enriqueceu Tony” para encontrar inspirações que condicionam a mente à positividade.

Cuidando da própria vida

Os passos para levar uma vida feliz são:

Focar sempre no que quer em vez do que não quer. Sua mente comunica com o Imanifesto. Esta comunicação se dá na forma de vibrações que você emite e é chamada de prece. Essas vibrações são criadas pelos sentimentos que seus pensamentos te fazem ter.

O Imanifesto atende suas preces provendo para sua experiência todos os elementos contidos nela. Sem distinção do que lhe agrada e do que não.

Portanto, foque só no que é do seu interesse vibrar e emitir até o mundo que cuida das materializações. Deixe de fora qualquer pensamento que lhe causa emoção que não lhe interessa, pois, a vibração das emoções que você produz é que vão até o Absoluto para serem realizadas.

A melhor forma de focar no que quer é viver no presente. Viver no presente é estar plenamente atento ao agora. Se você está lendo este texto, atente-se apenas a ele. Se porventura brotar um pensamento fora desse escopo, volte sua atenção ao texto. Isto é focar no presente.

Quando fazemos cálculos para o futuro ou remoemos passagens da vida que levamos estamos com o foco no passado ou no futuro. Saímos, então, do presente. E emitimos vibrações nem sempre convenientes a nós.

Isto não é de todo mal, mas, é necessário cuidar para não permitir que emoções sejam criadas e saiam desgovernadamente rumo ao infinito. Alguma realização irá ocorrer inevitavelmente se não se cuidar. O poder de materialização da mente é potente.

Outra coisa: Procure sentir bem-estar o máximo de tempo que puder. O bem-estar é o sinal de que você está emitindo vibrações de seu interesse. E essas inexoravelmente rumam para o infinito em busca de te dar ainda mais bem-estar.

Portanto, se de repente se sentir cabisbaixo, deprimido ou odioso, busque fazer algo que lhe ocupe a mente com sensações otimistas, nem que seja assistir um filme de comédia ou comer uma guloseima. “Quem canta os males espanta” cabe aqui. Proferir mantras ou orar também cabe.

O importante é ocupar a mente com coisas que agradam, assim não se dá oportunidade para o “tinhoso” – ou a tentação de produzir vibrações maléficas – agir.

O último toque é gostar de si mesmo. Se apaixonar por si próprio. Fazer de conta que você é outra pessoa e quer conquistar a si mesmo. Ser narcisista mesmo!

Dessa forma, você sabe o que busca no outro e sabe também o que o outro quer para si. Sua tarefa, então, é cuidar para emitir as vibrações que equivalem com as que o outro emite. Aí, fechou: caso amoroso à vista!

Este texto voltará a ser debatido. Mas, não perca tempo aguardando para conhecer mistérios que podem fazer da vida que procuras a própria. Leia o livro “A magia que enriqueceu Tony“.

Desvendando o poder de Moisés por trás de Yaweh

IMAGEM: Moisés na sarca ardente. Fonte: Blog Dr Rodrigo Luz

Em seus encontros com Yaweh (YHWH), Moisés sempre escalava um monte. Seria uma alusão ao topo da Árvore da Vida da Cabalá, a esfera Kether, ponto máximo que a mente humana pode chegar em termos de cognição. Ali, em contato com o imanifesto ou absoluto, Moisés ora recebia conhecimento, ora fazia pedidos.

Quando Moisés voltava desses eventos, ele orientava seu povo com as instruções que recebeu. Nem sempre se pode dizer que seriam instruções de interesse de Yaweh, mas, do próprio Moisés, que em posição superior aos demais no campo do conhecimento esotérico podia conduzir um rebanho para cuidar de seus interesses.

Muito do que é conhecido como missões de Moisés determinadas por Deus (Yaweh) se relacionam com guerras contra inimigos, geralmente competição por território.

Se não interesse de Moisés, podemos entender que as emanações do Absoluto nos momentos em que esses contatos de Moisés com Yaweh ocorriam o fazia se embeber de motivos para guerrear e de sensações físicas e psicológicas pertinentes.

Do mundo imanifestado vêm todos os elementos com os quais somos influenciados para formar a nossa realidade, que é aquilo que experimentamos ou observamos. E os atributos morais que somos tomados deles idem. Por isso Deus disse a Moisés: “Eu sou aquele que és”. Na verdade: o que estás a ser.

Ou seja, os relatos de Moisés não devem ser interpretados como fatos ocorridos em ambiente físico. Não havia monte algum e sim a imaginação de Moisés sendo influenciada por meio de algum método, provavelmente ocultista, fomentador de magia que afeta o psicológico do mago e reflete em seu corpo em forma de vontade, conhecimento das informações para fazer materializar a vontade, por si próprio ou conduzindo um rebanho para auxílio, e motivação, que é o que se pode interpretar como a fé e dedicação de Moisés em servir o seu deus – ou “deus de meu pai” como ele dizia, sendo “pai” o Imanifesto capaz de realizar vontades.

Todas as pessoas que se encontram em conflito com o que deseja e o que vem recebendo deve seguir os passos de Moisés para chegar ao equilíbrio. Estar sempre envolvido em batalhas, quer seja com a sociedade no campo da convivência, quer seja em guerra com um empregador, é estar de alguma maneira subindo ao topo da Árvore da Vida e fazendo solicitações que o Imanifesto responde da forma com que no fundo está sendo lhe reivindicado.

Muitas dessas pessoas conseguem vencer suas batalhas, pois, em sua mente entrega ao “pai” o problema que quer viver – quando pensa que estaria vivendo por interpretar assim as informações obtidas da realidade – e o desfecho que quer ter. As duas coisas são inexoravelmente atendidas.

A bem da verdade, estar constantemente em batalha é o que faz a vida caminhar, ter algum sentido e valer a pena. Se nos encontramos sem o que enfrentar e resolver caímos no tédio. E o tédio pode significar a miséria total da existência. E respectivamente a morte.

E é quando vencemos as batalhas – que nós mesmos nos colocamos a enfrentar, pois, as criamos com a combinação da nossa experiência, a interpretação que damos ao que observamos e o desejo que nos toma perante a situação – é que experimentamos alívio.

O alívio é o que se pode dizer ser a felicidade, que é a sensação objetivo da existência. A felicidade, então, é um estado provocado por eventos anteriores e jamais é constante. Nesse sentido, não se pode ser feliz o tempo todo.

Porém, ser feliz o máximo de tempo é possível. Basta estar sempre a vencer batalhas. É o que experimentam os ricaços, os poderosos do planeta. E eles não fazem mais do que seguir os caminhos de Moisés. Provavelmente conhecem a fundo os métodos mosáicos para se chegar à Yaweh e receber dele as emanações corretas, organizadas de modo que o futuro vitorioso seja inexorável.

Conheça os métodos de Moisés e sobre a Cabalá lendo o livro “A magia que enriqueceu Tony“.