A hipocrisia que sustenta o problema das drogas

eraumavez

IMAGEM: IstoÉ Gente. Cena do filme: “Era uma vez”.

Eu ouço muito pessoas falarem que não estão nem aí para o problema das drogas, pois, a gente rica que faz o consumo do pobre parecer um problema social também faz uso de drogas e alimenta o narcotráfico. E que nas festas granfinas tem sempre pó à disposição para ser cheirado nos banheiros das mansões e que até aquelas velhas muxibentas, cheias de maquiagem em todo o corpo e de jóias no pescoço e nos punhos, cheiram e vão com os outros para as orgias.

Nesta postagem, o argumento um está aí nessa crença sem reflexão. Antes de constituirmos qualquer crença e – mais ainda – a propagarmos, devemos refletir os pontos que a colocam em xeque. Se nada houver para negá-los, aí sim podemos dar fé e repercutir se for do nosso desejo.

Ora, pode até ser que tenha fundamento nessa teoria, mas, não podemos dizer que foi o povo granfino que pôs na nossa cabeça que eles condenam e repudiam o uso de droga. Isso veio parar na nossa cabeça, didaticamente, através da mídia. Quem fala pra gente que os bacanas da alta sociedade estão muito preocupados com a violência que sofre o brasileiro e que esta se deve ao uso desenfreado de drogas são os jornais, telejornais, radiojornais, citando os produtos da imprensa; os programas de variedades na TV, as telenovelas, as revistas diversas, para não esquecer o restante da mídia.

É bom lembrar que o que aparece na mídia, aparece sob demanda. Qualquer um pode pagar para ela fazer a cabeça do público com as informações que ela ejeta na sociedade. Até o sistema religioso não está livre de colocar veículos de comunicação a seu serviço. Vai do interesse do pagante, o que nos é metido na mente por meio dos veículos de comunicação. Desde que o pagante pague, a mídia trabalha a opinião de seu público com qualquer merda que lhe pedirem.

E quem não tem a noção da questão tal qual a mídia propaga pela voz da própria, ouviu de alguém que sofreu essa programação cerebral e influenciou os outros. Sendo assim, por não nos aparecer claramente que quem é o mandante da informação nos repassada são os granfinos da alta burguesia, não é hipocrisia nenhuma nas festas de burgueses acontecer o tal ritual de banheiro.

Sem contar que eles podem sequer fazer isso em suas reuniões festivas e uma mentira chegar até nós com ar de ser verdade, tal qual os veiculadores de informação esperam de acontecer, pois, eles faturam mais quando o ibope é maior. E mentira propagada como verdade, as famosas calúnias e difamações, é o prato principal do público que adora marcar ponto para os marqueteiros de opinião e encher os bolsos deles.

Vamos ao argumento 2: Sim, são realmente os burgueses os mandatários da mídia que emite para o grande público a opinião fraudulenta a respeito da questão em discorrimento. Por que eles fariam isso de pedir para espalharem que eles são contra o que eles mesmo fazem? Pense! Só pode ser por duas razões. E nenhuma delas faz deles hipócritas e sim estrategistas.

A primeira das razões: Querem o pó só para eles. Entende? Não há para todo mundo ou “é fino demais para o pobre ter direito também“. Ou então: “O pobre não sabe usar isso, faz a violência aumentar, há muito roubo, muita morte, o sistema tem que gastar mais para conter a violência, às vezes o Judiciário perde o controle e a violência vai parar no território de ricaços. Tem-se gastos demais com saúde pública, logo com quem não gera nem INSS, pois é tudo vagabundo. Gastos que nós da Diretoria é que vamos ter que bancar.

Logo, para que as coisas funcionem como eles dessa elite querem, eles pedem (obrigam) essa colaboração ao sistema. Se há leis que punem a contravenção de usar ou de comprar substâncias ilegais, só há para o pobre. E para não parecer que há uma classe que é privilegiada quanto à essas leis e, com isso, não sofre punição, é melhor ter onde se apoiar. Melhor para os contraventores do meio rico e melhor para o Judiciário, os agentes da lei, os traficantes – que vai ver trabalham para os magnatas do próprio grupo de bacanas. Isso descreve a segunda razão das duas mencionadas: tapar a violação de regras que existiria nos meios elitistas para que o restante do povo – que vai arcar com o problema das drogas – não enxergue seus algozes e nem sua impunidade.

A liberação das drogas nunca vai ter o apoio das classes dominantes exatamente por causa do comportamento dos que sofrem com ela de achar que só o pobre é que arca com os infortúnios da sociedade e que rico nunca vai preso. Feito isso, se conforma por achar que se sabe a razão disso ser assim, cruza-se os braços ou faz-se aumentar o problema, em vez de sair em combate à desigualdade social e impunidade. Vão querer derrubar essa muralha servindo de tapume que o povo ajeita? Não, né!

Nisto, talvez, haja hipocrisia: A multidão alegar certos motivos que não são coerentes com as causas da elite, e esta, que tem acesso, não meter a boca no trombone para falar para nós que as alegações são tudo calúnia e que o que dizem os jornais, os filmes, as telenovelas, os livros e etc. não passa de invenção para derrubar a Classe.

Os prováveis provedores desse problema não se manifestam dessa forma porque seriam chacotados, ninguém iria acreditar neles, pois, se eles quisessem que não existissem, por exemplo, filmes como o “Rio Bailônia” para expô-los, eles impediriam a produção, já que são eles mesmos quem as bancam. Mesmo sendo com o nosso dinheiro, no caso desse filme, que foi feito na época da Embrafilme.

Se não o fazem… “Quem cala, consente”, não é verdade? Deixar o outro te acusar e não reagir é uma confissão subentendida. Principalmente quando não tem arma nenhuma sendo apontada para o acusado enquanto o suposto caluniador o massacra com difamações.

– ACHEI QUE VOCÊ TINHA MORRIDO, POR QUE VOCÊ NÃO ME LIGOU?
– Desculpa, Nina!
– Por que você não me contou? Tá no jornal, seu irmão é um bandido!
– Nina, eu não sabia!
– Como não sabia?
– Eu só soube naquela noite!
– Você colocou minha vida em risco!
– E você queria que eu fizesse o que, Nina? Que eu entregasse o meu irmão?
– Ele é um assassino!
– Ele não é, ele virou! Ele virou! O cara foi preso inocente por minha culpa, Nina! As coisas são assim onde eu moro. Se o Carlão não mata ele, quem era pra tá morto agora era eu!
– E você acha isso certo?
– E O QUE É CERTO? O QUE QUE É CERTO? Criança nascer e não ter o que comer? Ser tratado que nem bicho por qualquer bacana cheio de dinheiro no bolso, Nina? FALA!
– Você tá metido nisso, Dé!
– Ora, tá desconfiada de mim? Quer saber o que que eu acho do Movimento? Acho uma merda. Mas, não foi você mesma que disse: Nas festinhas do seu pai rola de tudo, sua galera toda fuma baseado? Então? Tem pobre que vira bandido porque é ruim mesmo, Nina! O difícil é ser honesto.

Dialogo extraído do filme “Era uma vez”. Direção: Breno Silveira. 2008. Conspiração Filmes.

A farsa da Dependência Química

Se cada um de nós expusesse sem medo sua opinião a respeito de cada assunto polêmico, sem se preocupar se a mesma procede ou se ajuda, teremos uma discussão informal que só poderia resultar em encontrarmos, da maneira mais natural possível, as saídas para os problemas. E quando se conclui algo de maneira natural, não encontra a solução resistência para ser empregada.” (A.A.Vítor)

diganaodrogas

Eu conversava com uma mulher que tinha dois filhos e queria ter o terceiro para encerrar a produção maternal. Ela mantinha os ouvidos entupidos com um fone de ouvido de fios brancos plugado em seu Moto G. Ouvia Legião Urbana e me falou que adorava o Renato Russo. Sem muito o que dizer, comentei que se ela viesse a ter mesmo o terceiro filho e ele nascesse homem, o nome para o qual ela já o teria: Renato. Ela, por sua vez, me disse que poderia ser, mas, que ela achava que todo Renato é levado e difícil de educar.

Então, eu disse para ela que sua concepção sobre nome e personalidade poderia ser revista. E apresentei para ela a minha concepção. Nisso, eu disse para ela que era muito comum pessoas colocarem nos filhos nomes de apóstolos de Jesus. A maioria querendo fazer homenagem a uma personagem bíblica, não muito interessada em obter em casa um profeta ou um ente iluminado por Deus. No entanto, a quantidade de Lucas, Mateus, Tiago com comportamentos avessos, conforme a escritura, ao dos apóstolos homenageados é indiscutível de ser grande.

Eu expliquei a ela que não bastava ela colocar um nome. Ela teria que educar o filho informando para ele, pelo menos na fase em que assimilamos tudo o que nos é ensinado, que o nome dele fora inspirado em determinada pessoa. E enaltecer as qualidades da tal pessoa, entusiasmada e insistentemente, toda vez que falar com o filho sobre seu nome. Isso vai fazê-lo se condicionar ao xará original. Vai, com boas chances, programar sua mente a ser como a pessoa na qual seu nome foi espelhado.

Haverá um sentimento incógnito de que tal fato é o que a mãe espera do filho e o filho haverá de querer corresponder essa expectativa. O dinamismo com que a mãe utilizar essa psicologia é que irá garantir o sucesso de sua investida quando o garoto deixar de ser garoto e passar a tomar suas próprias decisões sem estar vinculado à qualquer instrução de terceiros, vínculo afetivo ou dívida de gratidão. As experiências vividas pelo garoto durante os tempos em que o que decidia por ele eram esses fatores vão pesar nas suas escolhas futuras. Terá sido prodigiosa sua educação infantil.

Antes que ela me dissesse que Renato não é um nome bíblico ou que o Renato Russo não tinha as características que ela gostaria de ver em seu filho se ele viesse, eu lhe informei que a pessoa cujo nome ela quisesse dar ao filho não precisava ser a original no momento de utilizar o método. Ela poderia inventar um Renato e falar sobre as características do Renato de sua imaginação para programar o filho através desse método de ligar uma pessoa a um nome. Ela poderia até arrumar uma foto mais ou menos do perfil que ela tivesse em mente e utilizá-la para ajudar o filho a criar uma imagem mental da inspiração que lhe deu o nome. Sem problemas se o filho viesse a descobrir no futuro a pequena mentira da mãe, pois, ele entenderia a necessidade demandada.

O problema da droga no Brasil é mantido por uma elite que quer que hajam os drogados. Um drogado é útil ao crime organizado, aos políticos mal intencionados, ao controle populacional. Não vou aqui descrever cada referência feita, discorro em outra postagem, mas, o que quero dizer é que só não conseguimos acabar com esse problema ou pelo menos minimizá-lo ao ponto de não ser mais um problema social a existência de viciados em drogas, porque uma elite que sabe lidar com o qual não o quer. Pelo contrário: quer manter e utilizar.

Eu não sou médico para dizer oficialmente o que direi. E nem quem é, principalmente se for comprometido com essa elite, poderá dizer. Por isso, deixo claro que se trata da minha opinião. Mas, o que leva o drogado a se manter nessa condição não é exatamente as disfunções ou distúrbios causados em seu organismo. Não é a briga hormonal ou enzimática que acontece dentro do corpo por falta do ingrediente que mantém o estado psíquico, por exemplo, a que se acostumou o drogado, lhe causando intolerância, que é  o principal motivo de sua persistência no submundo das drogas.

Os médicos já demonstraram que conseguem desintoxicar um dependente químico a ponto de deixá-lo livre dessa perturbação de seu organismo. E quantos ex-drogados entraram nessa condição por terem passado por uma igreja dessas bem radical em seus ritos de louvor? Se fosse as disfunções químicas do organismo as responsáveis pela manutenção do estado drogado, por que razão elas deixaram de existir tão somente porque o mesmo passou a participar de cultos religiosos repetitivos? Pelo alcance da Graça de Deus é que não foi! Ou, então, temos que investigar melhor o que chamam de Graça de Deus, pois, há um poder muito grande nisso e que é comum a qualquer ser humano de ser alcançado. Sem precisar de igreja, pregadores ou qualquer outra coisa própria do meio ecumênico.

Faz pensar que uma vez condicionado a algo que se queira deixar e não se consegue, a saída é viciar-se em outra coisa. Em religião, em hobbys como colecionismo, em sexo. Mas, viver livre novamente é praticamente impossível. Ser livre é ser totalmente dono do próprio nariz, sem ter dependência de qualquer coisa. Ser livre é fazer qualquer coisa por querer fazê-lo e quando não se quiser fazer mais essa coisa não é preciso migrar para outro afazer.

O que tentam esconder e conseguem é que para um drogado sair dessa condição a primeira aititude que ele deve buscar é afastar-se do meio e das atividades que são comuns do submundo da droga. O que faz ele ir atrás da maldita é estar no meio onde ela é popular ou manter hábitos e atividades que levam a desejá-la ou a desejar ir a esses antros.

Eu observei uma pessoa que saiu de um internato em uma clínica de recuperação após ter sido considerada curada. Da clínica ela foi para sua casa. Porém, na casa dela ela não tinha a droga, mas tinha tudo o que a faria ir atrás dela. E onde encontrá-la, mesmo o rapaz ficando um bom tempo fora de circulação, não mudou de lugar.

Na sua casa, o próprio encontrou a televisão para ver os programas que contém os ícones da gente do meio consumidor de droga que ele frequentava. Nela ele via os filmes com pessoas que falam o linguajar e do modo e timbre com que fala essa gente. Trajando os trajes que são pertinentes dos membros dessas colônias se trajar. Cujos temas dos filmes, violentos geralmente, são os que incitam essa gente e a motiva a imitar na vida real.

Da mesma forma, o rádio ou os mp3 para ouvir as mesmas músicas que além de insinuar pela batida têm o conteúdo letrista carregado de sugestões para “ir ver a galera” ele tinha à disposição. E no que se for ver a galera, ou seja, parar nos antros onde o consumo é frequente e sem cerimônia, a recaída é inevitável. Todo mundo em um meio onde se sente bem tende a fazer o que faz a maioria para evitar não ser aceito e com isso não poder contar com o que no tal meio lhe faz se sentir bem.

E tudo volta ou nada muda. No caso que estou mencionando o sujeito na casa de recuperação saiu do mundo das drogas, mas conservou latente o mundo das drogas dentro de si, era só estimulá-lo a reaparecer. Era só se expor à mídia, pois, tudo que a mídia faz é para patrocinar esse estímulo. E Einstein disse: “É estupidez achar que vai conseguir realizações diferentes se mantendo a fazer as mesmas coisas“.

Ou seja, o sujeito continuava a ver e a ouvir o mesmo que é próprio da situação de drogado; a falar o linguajar do meio; a trajar-se como o que é próprio desse gueto; a procurar por iguais, dentre os quais, pessoas que saíram e voltaram, pessoas que pensam em sair e pessoas que jamais querem deixar essa vida. Qual a chance da expectativa de ver esse sujeito reabilitar-se?

Se ele conseguisse se abster dos entorpecentes preservando esses itens ele estaria realmente curado. Logo logo ele abriria naturalmente mão de todo o resto, pois não lhe satisfaria mais. Ele criaria para ele novos julgamentos e, dentre outros motivos, ele não se veria enquadrado num estilo de vida conflitante com àquilo que ele passaria a entender como ser o seu.

Podemos verificar isso naqueles que saem de uma fé cristã e entram na protestante, por exemplo. Pegando-se as mulheres: logo elas deixam de vestir roupas curtas, deixam de se preocupar com vaidade, passam a andar com Bíblia debaixo do braço, a abordar todos que veem pela frente e insistir para que conheçam sua igreja.

A considerar essa visão, o vício do cigarro é muito mais preocupante que o das drogas. Por ser legal, você pode se deparar com uma sugestão sem caminhar muito. Você não tem como evitar ver um fumante praticando seu vício e enchendo a cabeça de um ex-fumante de sugestões para ele retornar à atividade como tem como evitar as sugestões que levam ao mundo das drogas, que por ser persuasivo demais tem vários aspectos mantidos na ilegalidade para que seja possível conter o avanço dos problemas sociais lhe peculiar, que são maiores do que os causados pelo culto ao cigarro ou ao álcool.

O sacrifício do ex-drogado, portanto, é maior: ele terá que selecionar os programas de TV e os de rádio, incluindo as músicas a ouvir, se ele quiser continuar a utilizar essas mídias; ele terá que abster-se da participação em determinados eventos ou presença em determinados compromissos sociais; terá que rejeitar certos lugares e uma série de outros instrumentos da sociedade que implicita ou explicitamente levam um indivíduo a se desagregar por causa do culto às drogas. Até que ele perca totalmente o interesse dos costumes patrocinadores da vida que ele quis deixar, ele terá que se comportar quase que como um ermitão. Sim, abster-se dos mecanismos da sociedade que levam à futilidade e consequentemente às drogas é se tornar um eremita.

Todo este texto expressa a minha opinião!