À esquerda, os melhores clientes 

O sujeito esquerdista gastava uma grana boa por fim de semana em um bar. O bar trabalhava com comida e bebida recreativas, que como sabemos são supérfluos, não têm valor nutritivo e algumas até fazem mal a saúde. 

O dono do bar era um eleitor do Bolsonaro padrão, ou seja, cooptado através de marketing político e assimilador assíduo de notícias falsas contra as Esquerdas. Sem consciência política afim e sem QI médio pra questionar certas incoerências na pregação do bolsonarismo.

Certa vez ocorreu um bate-boca feroz entre o esquerdista e alguns dos clientes do bar por causa de intenção de voto. O esquerdista desafiou os bolsonaristas a explicar o que Lula roubou dos brasileiros e o motivo de ele estar livre para concorrer à presidência da República e citar um único feito de Bolsonaro no seu atual mandato que valesse para todo brasileiro. Caso os bolsonaristas dessem respostas válidas, o esquerdista destinaria seu voto ao Bolsonaro. 

Como era de se esperar, os bolsonaristas não explicaram e nem citaram nada em favor do Bolsonaro. E cada vez mais se viam pagando mico por sustentar uma militância e opção de voto pra lá de idiota. O dono do bar vendo aquilo quis defender os clientes afinados com sua preferência de voto e aos gritos esbravejou-se contra o esquerdista e ainda o humilhou em público com dizeres improcedentes totalmente fora do contexto. 

O esquerdista gastava naquele bar mensalmente muito mais do que qualquer bolsonarista que ia nele. Não reclamava de preço, não difamava o bar, era constantemente roubado, mas mesmo assim relevava em nome da política de boa vizinhança e boa condução do capitalismo.

Foi, no entanto, o ensejo, a gota d’água. Ele não era nenhum masoquista e vitimista como são os bolsonaristas. Pagou a conta que abrira àquele momento e falou para o dono do bar que não voltaria mais ali. E que qualquer que fosse o ganhador da eleição para a presidência, a vida dele em nada mudaria, continuaria a beber sua cerveja e a pagar suas contas, pois, não dependia de político para isso. 

E recomendou ao dono do bar que ele repensasse suas atitudes e priorizações pra não perder mais esquerdistas porque irá precisar deles para manter em pé seu bar caso seu candidato ganhe. 

A maioria dos eleitores do Bolsonaro é evangélica, este eleitorado não bebe álcool, não frequenta boteco. Os eleitores que bebem, votarão em Bolsonaro olhando para os seus interesses econômicos. Muitos são empresários em busca de favores, proteções comerciais e prioridades de investimentos. Isso se dando, irão atrás de um status social que apontará automaticamente que frequentar o bar em questão não seria algo frequente por ser se declarar povão.

Não se consegue demonstrar nem desenhando ao bolsonarista, mas o bolsonarismo usa o pobre, mas não o tolera. Disfarça, mas não tolera o povão. E não se deixa de ser povão só porque votou desavisado no Bolsonaro. 

Eis aí uma demonstração bastante persuasiva do quão poderosa é essa arma que todo eleitor, na qualidade de consumidor ou de trabalhador ou de contratador possui: o poder de decidir quem irá se beneficiar com o seu dinheiro, sua amizade e sua participação na sociedade.

Intervenção militar pró criminalização do comunismo

Protestam nas ruas de São Paulo. Pedem intervenção militar para criminalizar o Comunismo. Como seria isto: criminalizar o comunismo?

Criminalizar é tornar um crime um ato, por exemplo. Vai ver o desejo é esse. Mas, seria o criminalizado o praticante de atos comunistas? Será que estes que pedem em faixas essa criminalização sabem que atos seriam estes? Será que eles não praticam os mesmos?

Geralmente, quem sai em protesto nas ruas é motivado por um líder, geralmente um político. E ele move as pessoas à fazê-lo a fim de defender os seus interesses. Estes, na maioria das vezes não são claros para quem compra a ideia e a segue. Pra dizer a verdade: para quem se vende à eles.

A situação de desespero que vemos na política brasileira, com presidente da república lutando para não perder o posto e recrutando incautos para garantir por ele a manutenção do mesmo, é preponderante – chegando a ser obrigatório – o uso de persuasão psicológica para angariar adesões.

Os grupos que movem pessoas a pedir a tal intervenção militar tecem, com seus próprios argumentos, para aqueles que os apoiam o que seria o Comunismo. Fazem do regime vermelho um assombro pior do que o da pandemia, que não precisa que ninguém dê-nos uma versão sobre sua ameaça.

Só para deixar os militantes pró intervenção militar para criminalização do comunismo mais espertos, se você possui desejo de igualdade (ou seja: vida em comum ou comunismo). se você gostaria de ter dentro da sociedade as mesmas condições que o seu vizinho, que o seu patrão, que o presidente da república, então, você vai ter que parar com isso, pois, isso é um ato comunista.

E fora isso tem uma série de outros hábitos que com certeza você sustenta que são oriundos da ideologia comunista. O que dizem para você os que você anda seguindo para se agarrar à luta deles não é verdade.

A parte do Comunismo que você deveria combater, a filosofia econômica, nem de longe o Brasil corre perigo de sofrer mutação. Nosso destino parece ser o colapso econômico total devido à esse emburrecimento da população, que em vez de protestar em pró do Liberalismo Econômico que Paulo Guedes iniciou a implantação, protesta para que persistam os escândalos envolvendo o presidente da república, que parecem querer frear o liberalismo.

Daqui a pouco o ministro deixa o cargo também e aí, meu, só mesmo implantando a economia do regime vermelho para nos salvar. Se seus mentores te explicasse sobre o modelo de economia planificada talvez você saberia visualizar a grande solução que estamos deixando escapar não exigindo aceleração da aprovação dos projetos do Guedes.

E procure outra forma de manifestar que não seja protesto nas ruas carregando faixas contendo palavras de ordem, pois, isto também é um ato comunista.

Teria sido o novo coronavírus desenvolvido para o Brasil? – Final

avantebrasilcov

IMAGEM: Blog do AFTM (com adaptação)

Bem, a intenção era dar um giro pela história do Brasil contada pelos conspiracionistas até os dias de pandemia, mas, infelizmente o tempo está regrado. Mas, é possível encontrar toda ela separadamente visitando as postagens antigas deste blog. Utilize a caixa de busca.

Nos últimos meses temos convivido com notícias que parecem se relacionar a ajustes que o atual governo brasileiro precisa fazer para entregar o Brasil planejado por ele. Queimadas clandestinas na Amazônia brasileira por exemplo favorece ao plano de transformar o Brasil em um fazendão, utilizando-se aquela região.

Para isso se estabelecer não incide em apenas desmatar a selva, mas, também, em dizimar populações, não só a indígena, que é altamente suscetível à viroses. Haja cloroquina para salvá-los do genocídio causado pelo homem que se diz civilizado!

Noticiam que a Covid-19 está fazendo um estrago grande na região e que o Estado do Amazonas será o mais afetado pela doença. Noticiam com a cara de quem está morrendo de preocupação e pena por dar essa informação. Hipocrisia, é claro!

Outro fenômeno que estamos vendo ocorrer e que muito está sendo necessário para as empresas são os rebaixamentos de salários. Atletas e artistas são os que mais se vê em evidência por serem exorbitantes seus ganhos, mas, chega ao assalariado a intenção de corte. Estes teriam reduzidas suas jornadas e os salários seriam ajustados proporcionalmente à essa redução.

A paranoia gerada pela quarentena é que patrocina a aceitação das reduções, pois, leva muitos trabalhadores a pensar que há uma escolha para se fazer entre o corte no salário ou do emprego.

O empresário beneficiado com incentivos fiscais e deduções de impostos também é afetado. O governo divulga que não manterá os programas que geram esses benefícios, se valendo do quadro de arrecadação baixa que o cenário de quarentena e respectivo caos na economia favorece. O empresário nem discute.

Em contrapartida, para reduzir custos e conservar os empregos possíveis há a estimulação ao teletrabalho – home-office. A modalidade foi introduzida na legislação trabalhista brasileira em 2017, com a Reforma Trabalhista do governo Temer. Visionarismo?

A quarentena também contribui com a queda na criminalidade nas ruas e espaços públicos como os ônibus, deixando em dificuldades até o narcotráfico, devido à complexidade que se tornou para o drogado a compra do produto, por ele não poder sair de casa com facilidade ou por não encontrar a quem roubar para obter o dinheiro da compra.

E contribui com a higienização das cidades: mendigos, vagabundos e moradores de rua além de provavelmente possuírem imunidade fraca, ficam expostos à contaminação sem o mínimo de proteção.

A gravidez, indesejada ou não, por causa do distanciamento e as orientações de não fazer sexo ou procurar por sexo virtual nesses dias de isolamento, dada até por Damares Alves, no mundo todo está sendo inibida. Este ano provavelmente será de poucas gestações. Isso implica diretamente no controle de natalidade mundial, tão necessário à vida humana com qualidade na Terra.

Aí vem aqueles que zombam da inteligência de outros dizer que o coronavirus foi desenvolvido pela China e que a China estaria usando o vírus como arma biológica contra a humanidade, a fim de dominar economicamente o planeta. Para esses teóricos, comprar o Brasil seria uma das intenções dos chineses dentro desse projeto de hegemonia.

A ideia de um vírus que assola o mundo em uma pandemia em 2020 passa pelo Brasil. Em 2014, já apresentamos isso aqui, a escritora brasileira Melissa Tobias publicou o livro “A realidade de Madhu”.

No conto, Madhu é abduzida por seres extraterrestres e recebe a missão de semear uma nova realidade terrestre, na qual os seres humanos se amarão. Em 2020, o sistema financeiro mundial entraria em colapso, conforme a história, e transformaria a filantropia em dinheiro – filantropia como dinheiro estamos vendo circular com essa experiência social chamada Covid-19.

Na página 183 do livro, uma pandemia, a qual duraria 2 anos e ceifaria a vida de 3 bilhões de pessoas que não tinham amor ao próximo, é narrada. Um vírus acomete as pessoas de uma virose psicossomática que para se imunizar dela o portador do vírus deveria emitir vibraçoes de amor. Um pouco de aumento do amor ao próximo – exceto aos políticos – estamos vendo também.

Os mesmos que pregam a acusação à China tentam elevar o moral do brasileiro para engajar-se em uma proposta de país potencialmente agrícola, que irá se beneficiar do panorama mundial pós crise de Covid-19 exportando alimentos para o mundo. Entre as nações importadoras estaria a China.

O que caracteriza essa pandemia é o fato de a Covid-19 não ter remédio e nem vacina para detê-la. Aparece mais gente interessada que esse antídoto não seja possível, os quais abusam da desinformação para traçar uma genética indestrutível para o vírus.

Mas, com estilo, pois, encontram sustentação de parte de suas informações até por infectologistas renomados, como Luc Montagnier, prêmio Nobel de Medicina de 2008, descobridor do HIV, vírus da AIDS, que deixou público que concorda que o novo coronavírus pode ter sido desenvolvido em laboratório em Wuhan, na China.

O médico concordaria que o agente biótico seria um híbrido do HIV. Consultado, o infectologista David Uip, referência na discussão do coronavírus no Brasil, deu seu parecer de que não haveria base científica que sustente a afirmação de Montagnier.

Estaria o descobridor do HIV condescendendo com uma farsa lhe solicitado pelo lobby da pandemia, composto por empresas que teriam subsidiado no passado seus trabalhos?

Só que mais da metade dos infectados conseguiu se curar da Covid-19. Para isso, tem que ter tido remédio ou tratamento usado na cura. Ou então, esses infectados  teriam se curado sozinhos.

Essa cura autoimune só ocorreria com os jovens sadios. Logo, esta informação estaria sendo ocultada e o foco da pandemia seriam os velhos e os não sadios, incluindo membros da juventude.

Estariam com isso melhorando o contingente humano no Brasil, o tornando apropriado para trabalhar na lavoura e por longos anos devido à juventude?

Se uma nação se valesse de um terror desses que é essa pandemia para sobrepor a outras, ela não poderia se dar ao luxo de atacar só os velhos das nações alvo. Isso porque se a incursão for descoberta, as nações afetadas certamente declararão guerra ao incursor. E enviarão seus exércitos contra esse ofensor.

E esses exércitos são formados por jovens e não por velhos. Então, essa teoria que acusa a China de bioterrorismo e guerra biológica usando o coronavirus tem mais cara de ser fajuta.

Mas, o fato é que a pandemia está aí e ceifando vídas de idosos e pessoas imunologicamente frágeis, que formam o grupo de risco. Fica mais confiável a acusação que fazem de que um grupo conspirador – formado por governos e corporações – estaria interessado nesse abate por razões econômicas relacionadas à previdência e à eliminação de não-jovens e não-sadios das sociedades.

A segunda hipótese de eliminação contribuiria com certa expectativa de redução populacional. Que junto com ajuste do orçamento previdenciário, alocação de trabalhadores, alavanco na economia e liberalismo em setores sócio-econômicos tem tudo a ver com as necessidades do governo Bolsonaro.

A.A.Vítor – Autor do livro “Os meninos da Rua Albatroz”, cujo capítulo “Planejadores do futuro sombrio” previu o momento atual. Sobre saúde e espiritualidade leia: “A magia que enriqueceu Tony”. Sobre empreendedorismo, relação interpessoal e sexo leia: “Contos de Verão: A casa da fantasia” e “Todo o mundo quer me amar”.

Pandemia de não-nascimentos

Esta postagem vem em caráter especial, mas, não deixe de prestigiar a última postada: “Como se livrar do medo da morte da moda“.

20200409-conceito-de-distanciamento-social_23-2148501908

Há os que dizem que essa pandemia seria um plano de uma conspiração mundial que teria o interesse em reduzir a população do mundo. A quantidade de gente que teria que morrer, se essa pandemia tiver mesmo o compromisso de matar já teria que estar com o número de mortos causado por ela na casa dos cem milhões de pessoas para atender a necessidade dos conspiradores. Ou do contrário não alcançaria o objetivo de atingir bilhões de humanos até 2021, como rezaria uma tal Agenda 21 e uma tal de Tábuas da Geórgia.

Adaptando a informação dada pela Wikipédia, a Agenda 21 oficial foi um dos principais resultados da Eco-92 (ou Rio-92), conferência ocorrida no Rio de Janeiro, Brasil, em 1992. O documento gerado estabeleceu a importância de cada país participante em se comprometer a refletir, global e localmente, sobre a forma pela qual governos, empresas, organizações não-governamentais e todos os setores da sociedade poderiam cooperar no estudo de soluções para os problemas socioambientais. No Brasil essas discussões são coordenadas pela Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável (CPDS) e da Agenda 21 Nacional.

Esse compromisso se constitui num poderoso instrumento de reconversão da sociedade industrial rumo a um novo paradigma, que exige a reinterpretação do conceito de progresso, contemplando maior harmonia e equilíbrio holístico entre o todo e as partes, promovendo a qualidade, não apenas a quantidade, do crescimento.

O Georgia Guidestones é um monumento em granito localizado no Condado de Elbert, Geórgia, Estados Unidos, e nele estão gravados dez frases em oito línguas modernas: inglês, espanhol, suaíli, hindi, hebreu, árabe, chinês e russo, e uma pequena mensagem, no topo, escrita em quatro antigas línguas: babilônio, sânscrito, grego e em hieróglifos egípcios, contendo as teses de Albert Pike.

Foi construída a partir de 22 de março de 1980 e se encontra finalizada. Os teóricos conspiracionistas utilizam o monumento para amparar acusações de que no mesmo estaria cravado uma mensagem sensacionalista, que seriam os dez mandamentos vindo de uma tal Nova Ordem Mundial, que teria o interesse em dizimar populações e controlar social e economicamente o planeta.

As frases encontradas nas tábuas são:

  1. Manter a humanidade abaixo de 500.000.000 em perpétuo equilíbrio com a natureza.

  2. Conduzir a reprodução sabiamente, aperfeiçoando a aptidão física e a diversidade.

  3. Unir a humanidade por meio de um novo idioma vivo.

  4. Controlar a paixão, fé, tradição e todas as coisas com razão moderada.

  5. Proteger povos e nações com leis e tribunais justos.

  6. Permitir que todas as nações regulem-se internamente, resolvendo disputas externas em um único tribunal mundial.

  7. Evitar leis insignificantes e funcionários públicos desnecessários.

  8. Equilibrar direitos pessoais com deveres sociais.

  9. Valorizar verdade, beleza, amor procurando harmonia com o infinito.

  10. Não ser um câncer sobre a terra e deixar espaço para a natureza.

Se observarmos, considerando as notícias que nos chegam, o que acontece no mundo nos aspectos econômico, comportamento social e ambiental faz muito sentido dizer que essa pandemia vem servindo aos propósitos que teriam sido estabelecidos pelo advogado e escritor maçon Albert Pike.

Os colapsos econômicos que vemos fazem aparecer notícias de sugestões de redução de salários principalmente de funcionários que foram valorizados por força midiática e não pela atividade que faz – caso dos atletas, particularmente dos jogadores de futebol do mundo todo, e dos artistas, jornalistas e apresentadores de programas de televisão (não é à toa que a TV Globo se empenha tanto na manutenção da aparência de caos na Saúde que teria essa pandemia) – ou por acesso à própria ampliação salarial – caso dos políticos e juristas. E medidas como destinar dinheiro de fundo eleitoral à instituições públicas de saúde, dar auxílio monetário ao informal e ao desempregado por 3 meses, antecipar o Bolsa Família, liberar saque do FGTS, tudo isso visa não deixar a economia em maus lençóis enquanto se ajusta a sociedade.

O presidente Bolsonaro ignorando o cenário de calamidade tecido para a pandemia estaria encenando, já que é o responsável por promover esse duro ajuste sócio-econômico no Brasil e se aparecer em público condescendendo com o lobby do caos, ao final do processo, quando se tornar perceptível – talvez – que tudo não teria passado de um grande teatro em pró de objetivos urgentes não mastigáveis pela sociedade, sua cabeça estará fora do pescoço. É melhor tudo acontecer como ele precisa e ao final as pessoas dizerem: “É, Bolsonaro estava certo e nos avisando o tempo todo, mas, fomos ouvir os inimigos dele…“.

Pequenos empreendimentos correm o risco de fecharem as portas, o que atenderia a expectativa da tal Nova Ordem Mundial de controlar todos os negócios, pois, ao final da crise as grandes corporações os absorveriam e transformariam seus ex-donos em empregados.

Isso é o que esperaria os que estariam operando por trás dessa pandemia um golpe nesse sentido. Vão estes se decepcionar, o povo vai saber defender os pequenos e médios empresários, boicotar as grandes corporações e reerguê-los. Desde, é claro, que entre em contato com as denúncias feitas por blogueiros, youtubers e escritores não subsidiados, que como eu disponibilizam reflexões que fazem pensar fora da caixa.

E é perceptível que a modalidade de teletrabalho – home-office – está por conta da pandemia sendo testada à força e caso vingue a ideia as empresas terão mais liberdade para operar mantendo seus funcionários trabalhando em casa.

No caso do teletrabalho, os salários preveriam custeamento dos gastos com a produção – incluindo alimentação, água, luz, telefone e internet –, extinguiria-se ou minimizaria-se o gasto com locomoção até a empresa, e com tudo isso uniformizariam-se, os salários, e ficariam mais em conta para os empregadores saldá-los. Junto com as políticas do Liberalismo Econômico, que correm à vista ou às escusas em velocidade alta pelas nações, os objetivos sócio-trabalhistas e econômicos da ordem estariam sendo cumpridos.

Eu sei que estamos sob ataque de gang stalking, técnica para causar esquizofrenia em massa (leia a respeito neste blog: clique!). A maior das esquizofrenias que estamos nos acometendo dela é a da assepsia. Estamos ficando maníacos por limpeza nessa de querer conter a disseminação do vírus. Higienizamos a casa de maneira absurda, se refletirmos bastante veremos que no fundo há sempre uma brecha para a probabilidade do verme chegar à gente por ter se alojado onde não pudemos ter atenção ao limpar.

Às vezes entramos em nosso quarto limpo, livre de qualquer sujeira, tendo vindo da rua e cuidado integralmente da assepsia antes de entrar novamente no lar, ligamos o computador e nos colocamos a utilizar os periféricos dele. Acabamos de usar e vamos lá passar álcool ou sabão no equipamento todo, como se o vírus tivesse a faculdade de se autocriar dentro do quarto. Se isso fosse possível, de que adiantaria qualquer prevenção de limpeza? E o mesmo vale para o uso de máscaras, o distanciamento social, evitar ambientes fechados. Em algum momento todo o cuidado será inútil, será burlado até mesmo por causa do excesso de cuidado. Não temos escapatória!

Eu estou aderindo a esquizofrenia em grupo. Mas, confesso que penso que nem o presidente Bolsonaro: tudo é um exagero. É claro que eu não estou observando os fatos da posição privilegiada que ele está. Por isso não posso me dar o luxo de ignorar a causa do pânico coletivo. Eu só posso duvidar, não posso ter certeza. Talvez o presidente possa.

Se eu morasse com um amigo, eu perguntaria para ele qual era sua crença com relação a essa articulação social. Se fosse tal qual a minha, eu não adotaria esquizofrenia alguma dentro de casa. Lá fora eu só adotaria por questão de responsabilidade social.

Mas, morando com a família é diferente. A culpa será muito grande caso se esteja errado e se tornar o vilão da casa, o provável causador da morte da mãe ou do adoecimento do irmão tão somente por ter sido relapso e não ter respeitado a crença deles. Por isso: “bora ficar esquizofrênico”. É claro que absorver paranoia dando atenção 24 horas para a imprensa mundo-cão não faz parte do pacote que assinei. É o famoso “não sou obrigado”. Chispa, TV Globo!

Mas, muito da higienização a que me submeto é própria de se fazer independente de haver pandemia de coronavírus. Faz parte das obrigações salutares que tornam uma casa não tóxica. E idem as preocupações com a saúde, com manter um consistente sistema imunológico. Chegam a ser, na minha opinião, prazerosas essas preocupações.

E olha essa situação:

O INTERESSE DE CADA UM NO CONFINAMENTO CONTRA A COVID-19

O APOSENTADO precisa que o trabalhador ativo saia do confinamento, pois, é ele quem paga sua aposentadoria.

Detalhe: ele é um dos que está na mira dos pandemizadores para morrer.

O POLÍTICO E O SERVIDOR PÚBLICO precisam que o trabalhador ativo saia do confinamento, pois, suas regalias e remunerações precisam dos impostos que são arrecadados com o trabalho deles.

Leia lá em cima o que nas Tábuas da Georgia é falado sobre funcionários públicos.

O COMERCIANTE precisa que o trabalhador saia do confinamento e vá até o seu estabelecimento praticar o consumo que lhe dá a retirada mensal. Sem trabalhar o trabalhador não tem como praticar o consumo.

Tá, esse tá sabendo se defender dos golpistas.

O PROFISSIONAL LIBERAL E O PRESTADOR DE SERVIÇO precisam que o trabalhador saia do confinamento para contratar deles os serviços que prestam.

Idem o anterior.

O POLICIAL, o BOMBEIRO e o PROFISSIONAL DE SAÚDE precisam que o trabalhador fique confinado para que a vida desses profissionais fique mais protegida e eles não tenham que trabalhar para que seja possível voltar para o seu lugar o trabalhador tão cobiçado pelos membros da sociedade que insistem que ele saia do confinamento.

São os únicos a quem realmente o confinamento ajuda. E o policial ainda vê o crime e a contravenção como o vandalismo e o uso de drogas freados.

O GOLPE CONTRA O PRESIDENTE BOLSONARO precisa que o trabalhador ativo fique confinado. Mas, só até que o golpe se efetive, tratando de sair do confinamento logo a seguir, independente de ainda haver o perigo da Covid-19.

Quero deixar claro que isso está aí por uma questão de conscientização. Eu estou na torcida para que Jair Bolsonaro renuncie logo, pois, é um atalho para essa loucura que chamam de pandemia acabar. E depois, quem está presidindo o país, na minha opinião, são os ministros, se o “homem” cair, eles continuam. E sob a batuta do general Mourão. Portanto, o golpe vai ter o que está guardado pra ele. O povo não é tão fluoretado e tão massacrado pela tecnologia 5G o quanto pensam!

A GRANDE MÍDIA quer mais é que o trabalhador se foda. Se ele se confinar ela ganha de quem a paga para estimular o confinamento; se ele sair do confinamento ela ganha de quem tem interesse em pagar por esse estímulo.

Ao fim de tudo será muito mais fácil de o indivíduo médio, principal alvo da grande mídia, ser capaz de boicotá-la ao ponto de destruí-la. Acabando com essa instituição será maior a probabilidade de jamais passarmos novamente por golpes de terrorismo psicológico dirigidos às massas.

Portanto, como trabalhador, eu optei por trabalhar em casa. Assim, ninguém me culpa de ter colaborado com a ganância dos que usam o trabalhador em proveito próprio e nem com o infortúnio de quem precisava que a preocupação com a economia e com o trabalho viesse após a garantia de que com saúde e tranquilidade para trabalhar o trabalhador pudesse continuar carregando todo mundo e o Capitalismo nas costas.

Fico pensando no que vão fazer quando a massa acordar e resolver tomar atitudes que combatem essa manipulação toda. Já aparecem alarmistas propagando táticas de gang stalking substitutas para a pandemia. Agora estão dizendo que o povo está ouvindo disperso no ar sons estranhos. Os apocalípticos falam que são as trombetas dos anjos anunciando a vinda de Jesus. Ambientalistas dizem que se trata do som das geleiras dos polos avisando que o aquecimento global trará um novo dilúvio – até mencionam essas chuvas excessivas que temos presenciado no sudeste do Brasil. E ainda tem os conspiracionistas, que não perdem a oportunidade de mencionar o HAARP. Saiba a respeito na postagem deste blog sobre eliminar populações com uso de armas climáticas.

O pessoal do canal Rural Business no Youtube é o que faz o melhor terrorismo informacional, uma vez que eles alarmam o risco de o Brasil virar um “grande fazendão” para produzir alimentos para a China e nós brasileiros nos transformarmos indesejavelmente em funcionários dos chineses. É outra teoria em que eu aposto no comportamento rebelde e na autoestima do brasileiro médio e digo que vai falhar o plano, vamos saber dar o troco, derrubar políticos e empresários que estiverem o viabilizando, nem que tenhamos que viver outra guerra civil. Outra porque isso que se passa no Brasil com relação à Covid-19 é pra mim uma guerra civil não declarada.

Discorrer mais formidavelmente sobre todos os pontos que teriam sido estabelecidos pela tal conspiração tem que ser feito em publicação ou capítulo próprio, concentremos no quesito “redução populacional” que está implícito na Agenda 21 e escancarado nas Tábuas da Georgia. Ao que parece, conforme a introdução deste texto, a pandemia não seria o instrumento que viabilizaria o intento até o ano que vem. E não esqueçamos que existem as previsões centradas no ano de 2031, que marcaria a chegada da Quarta Revolução Industrial, quando 800 milhões de empregos provavelmente serão extintos.

No entanto, a grande sacada dessa pandemia passa despercebida. A quarentena, ou: isolamento social, que atinge cerca de 141 países, propicia uma taxa de natalidade bem pequena no mundo para este ano. Ou seja, chegaremos ao ano de 2021 com o número de mortes que a pandemia conseguir alcançar, o número de mortes normal de acontecer todo ano em todo o mundo e não-concepção em índice que garante os planos dessa conspiração sem ter que recorrer à guerras militares ou mesmo causar tanta mortalidade.

Se vier a vacina para a Covid-19 ou se as pessoas vacinarem novamente contra a gripe H1N1, como no Brasil estão ajeitando de fazer, poderiam usar, como suspeitam os conspiracionistas, uma substância na vacina que traria esterilidade às pessoas. Daí colocaria-se mais fermento no cumprimento da tarefa de controle populacional.

Se o propósito com as vacinas for mesmo esse, a pandemia convencerá as pessoas a aceitarem uma alegação de vacinar-se anualmente contra a gripe, renovando o poder anticoncepcional da substância no corpo dos férteis pelo prazo de validade da mesma. Essa alegação vindo dos porta-vozes da conspiração, como a grande mídia por exemplo.

Portanto, matar pode não ser o negócio para quem está fora do grupo de risco. Os deste grupo a conspiração estaria interessada em ceifar mesmo suas vidas. Principalmente os maiores de 60 anos que se encontram aposentados e dependendo do Sistema. Haja vista a propagação de que as previdências de todos os países estão quebradas e ameaçando a hegemonia do Capitalismo.

Confinar-se ou não, se é você quem escolhe é uma decisão segura

A.A.Vítor – Autor do livro “Os meninos da Rua Albatroz”, cujo capítulo “Planejadores do futuro sombrio” previu o momento atual. Sobre saúde e espiritualidade leia: “A magia que enriqueceu Tony”. Sobre empreendedorismo, relação interpessoal e sexo leia: “Contos de Verão: A casa da fantasia” e “Todo o mundo quer me amar”.

A origem extra-terrestre do coronavírus

E então, pessoal, tá difícil sobreviver com a mente sã nessa chuva de teorias vagas e aflições religiosas que bate na porta da gente, não é mesmo? Isso é gang stalking, leiam a postagem anterior para se defender desse ataque.

o virusdoamor

Recebi por inbox do Whatsapp mais uma dessas paranóias que insistem que a pandemia de Covid-19 que estamos passando por ela foi profetizada. E tem também aqueles materiais que fazem pensar que tem uma conspiração chamada Nova Ordem Mundial por trás do vírus e o fim de tudo será aqueles que sobreviverem à doença se transformarem em escravos da elite por trás dessa ordem.

A segunda teoria é a mais fácil de se resolver. Principalmente porque todos que têm poder sobre outros o tem devido ao medo da morte que é peculiar de todo ser humano. Medo que não é natural, o homem das cavernas não o tinha senão pelo instinto de preservação, que só se justificava ao instante vivido e não ao futuro. Medo que foi programado na nossa cabeça exatamente para nos fazer de escravos explorando esse medo. Se de repente você se torna indiferente à morte, perdem poder sobre você.

Aí vão usar outra tática: O que acontece com os que são seus amados ou dependentes quando você morre não te importa? Daí, é instituído em você o medo de morrer e deixar desamparado seus entes queridos. Se você se destitui também dessa preocupação ou pelo menos se você está com tudo ajustado para seus entes queridos seguirem o baile da vida e por isso pode partir em paz, esse governo obscuro volta a perder o controle sobre você. Lembro que definir entes como querido também é programação mental nos institucionalizado em algum momento da nossa história.

Não acaba por aí! O governo-sombra está por trás da Bíblia. E nela tem todos os elementos necessários para te fazer a lavagem cerebral cristã-judáica que te faz cativo do sistema político judáico-cristão. Inventaram que existe uma vida após a morte e que essa vida tem vínculo com sua vida material. Te fazem querer essa vida quando partir desta e te dão as instruções de como você deve proceder para merecê-la.

Logo, se você não tem medo da morte, não tem preocupação com entes queridas que irá deixar quando morrer, você não estará livre e solto para gozar da existência com liberdade se você acreditar que há outra vida após a morte e querer estar nela nessa ocasião e aceitar que precisará fazer por onde estar nela.

Isso porque se você assim admitir que seja o roteiro viabilizador, os procedimentos em vida que você terá que tomar para estar no tal mundo espiritual serão determinados pelos doutrinadores do seu pensamento, ou seja, a elite de poderosos. E o que eles determinarão pra você vai te deixar escravo deles da mesma forma que te deixaria se você tivesse medo de morrer. Sem contar que medo de morrer será uma das virtudes que vão te convencer fazerem parte do passaporte para o céu.

A cabalá, um conhecimento que essa elite poderosa possui, ensina que o mundo material – este que nós desfrutamos em conjunto – vem do espiritual. Nosso corpo material é comandado pelo nosso espírito, que é o nosso inconsciente.

O espírito precisa de certa condição do físico para operar nele. Quando o corpo físico perece ele debilita, deteriora, desintegra, vira pó, vira átomos e esses átomos vão ficar na matéria e compor outras coisas. Já o inconsciente vai estar liberado em seu mundo, sem a missão de conduzir um corpo material aqui na Terra.

Como é a existência do insconsciente liberado não temos qualquer condição de cogitar. A não ser por mera especulação. Portanto, é duvidosa a informação que humanos nos pregam sobre vida após a morte, vida espiritual e haver procedimentos terrestres que conduziriam à essa suposta existência póstuma. Portanto, é possível decair também dessa crença e dar mais trabalho para os poderosos te dominarem. Aí, só mesmo te fazendo escravo do materialismo e da condição financeira.

Bom, deixado essa reflexão, vamos conectar-nos ao título da postagem. Na postagem deste blog “Jesus está chegando” foi exibido um trecho da Bíblia que parece fazer previsão dos dias que estamos vivendo. Fala em se trancar dentro de quartos, fechar as portas, esconder por um instante e deixar o furor passar. Aí, os papa-bíblia ficam quanto ao coronavírus num mix de entorpecimento, amedrontamento, espanto e esperança para com a salvação que advirá a quem andou na linha conforme os princípios bíblicos. Quem nunca foi santo passa a julgar que sempre foi.

Depois foi a vez de me mandarem um vídeo focado no livro “The eyes of darkness” (Os olhos das trevas) do novelista Dean Koontz, escrito em 1981. Nele um vírus escapa de Whuran – não tem nada de 2020 na cópia original – onde há um laboratório de manipulação de vírus e dá origem a uma pandemia. O nome do vírus é Whuran400.

Agora foi a vez de me mandarem pelo mesmo canal um jpeg da página 183 do livro “A realidade de Madhu“, escrito pela contista brasileira Melissa Tobias e publicado em 2014. Dei uma olhada na página 183 do livro “Os meninos da Rua Albatroz” e verifiquei no que encontrei nela que eu também posso ter feito profecias que estariam sendo concluídas agora. Dê uma olhada aí no seu exemplar! Se não tiver um, clique no link e adquira!

A história de Melissa Tobias até que tem mais cara de previsão. Madhu é abduzida por seres extraterrestres e recebe a missão de semear uma nova realidade terrestre, na qual os seres humanos se amarão. Em 2020, o sistema financeiro mundial entraria em colapso, conforme a história, e transformaria a filantropia em dinheiro. Filantropia como moeda não é nenhuma profecia, é descrito no “Pequeno livro do dinheiro“, de 2005, do economista David Boyle. E filantropia como dinheiro estamos começando a ver circular com essa experiência social chamada Covid-19.

Só que o livro “A realidade de Madhu” menciona uma pandemia ocorrida em 2020, a qual duraria 2 anos e ceifaria a vida de 3 bilhões de pessoas que não tinham amor ao próximo. Um vírus acomete as pessoas de uma virose psicossomática que para se imunizar dela o portador do vírus deveria emitir vibraçoes de amor. Qualquer semelhança com a letra da música “Vírus do amor” da Rita Lee, de 1985, é semelhança mesmo.

Como a história narrada nesse livro de ficção científica remete a seres alienígenas, podemos fazer mais conexões com outros trabalhos. Lembremos o documentário “A Data-limite“, sobre uma mensagem de Chico Xavier, que pregou que seres extraterrestres apareceriam para conduzir o homem a um caminho de paz quando a chegada da Apolo 11 à Lua fizesse cinquenta anos, ou seja: 20 de julho de 2019.

O coronavírus vindo do espaço é probabilidade estipulada pelo astrobiólogo Chandra Wickramasinghe em sua teoria entitulada Panspermia, que prega que a vida começou no espaço sideral e que vírus teriam chegado à terra em meteoros e desencadeado reações químicas que deram origem aos primeiros microorganismos terrestres.

Até a Hanna-Barbera teria sido visionária nos dias de hoje na mente desse pessoal se nos remetermos ao desenho animado “Sealab 2020” (Laboratório submarino), de 1972. No qual pesquisadores vivendo dentro do submarino Sealab procuram encontrar meios do homem viver no meio aquático como alternativa à já não suportada vida no ambiente terrestre. Eis a sinopse tirada da abertura da série animada.

Este é o ano de 2020. O local é o Challenger Sea Mount – o topo de uma montanha subaquática, um complexo sob o mar. Duzentos e cinquenta homens, mulheres e crianças vivem aqui. Cada um deles um pioneiro cientista. Pois esta é a nossa última fronteira – um ambiente hostil que pode ser a chave para o amanhã. Todos os dias, esses oceanos enfrentam novos desafios à medida que constroem sua cidade no fundo do mar … É o Sealab 2020 .

Bem, a última teoria é mais intimidadora. Faz um saladão com todas essas especulações. E como toda realidade profetizada ela não seria nenhuma ocorrência natural. Afinal, as coisas não acontecem, são feitas acontecer. Não é à toa que as falas e escritos proféticos são chamados de visionarismo: vêm primeiro. São sugestões que são aceitas e materializadas ou são fortemente impregnadas no inconsciente coletivo que todas as circunstâncias necessárias para que elas se materializem são formidavelmente atraídas. Por que alguém em 1981 localizou sua história sobre guerra biológica em Whuran, em Whuran alguém sofreu inspiração no livro e deu forma à sua inspiração ou para Whuran foi atraído um alguém que de lá começou a pandemia inspirada pelo mesmo ou por outros. Totalmente racional isso, nada apocalíptico, bíblico, divino ou outra definição das que trazem espanto que seja.

Tal qual na data-limite premonizada por Chico Xavier, extra-terrestres que viviam nas sombras entre nós resolveram dar um basta em nossas discórdias. No lugar de vermos seres acinzentados e cabeçudos eles são minúsculos e possuem a forma de vírus. Aquele que se acometer do vírus se não tiver um sistema imunológico forte é eliminado.

Quase tudo que debilita o sistema imunológico humano se relaciona a uma vida desregrada, não só quanto à hábitos alimentares, mas, também quanto ao comportamento moral.

Cientistas já comprovaram que a vibração do amor dentro de nós fortalece a nossa imunidade. Até determinaram uma molécula, a DMT, que seria a molécula do espírito. A dimetiltriptamina pode ser obtida de plantas, como a Ayahuasca ou a Sálvia divinorum, e até de outros animais. Mas, o corpo humano só precisa da emoção do amor para sintetizá-la.

O nome dado ao vírus, coronavírus, remete a um reinado. Corona quer dizer corôa em espanhol. Se o vírus veio mesmo do espaço, o Reino dos Céus, quem sabe. E o nome da doença precisamos recorrer à numerologia pitagórica para decifrá-lo.

Se pegarmos a palavra Covid-19 e transformá-la toda em letra, para os falantes do português e do espanhol faria sentido. Os números 1 e 9 somados originam o 10, que em nova soma aponta o número 1. O número 1, que na simbologia pitagórica destaca a individualidade (isolamento social, indivíduo) e o pioneirismo. A letra “A” é uma das representadas por este algarismo. E a palavra, sem perder o hífen, seria Co-vida. Co-existir. Existirem juntos de nós os seres extraterrestres em questão. Dentro de nós como diz a música da Rita Lee.

Se transformarmos toda a palavra em número, Covid-19 se transformaria no número 3 ao final da conta. Veja na tabela:

tabelapitagoras

O número 3  na mesma analogia remete a algo agradável e talentoso. Ou seja: tempos de perfeita harmonia entre os seres humanos e o planeta e de muito regozijo. O vírus então seria o messias – ou a matrix do messias, como expliquei na postagem já mencionada “Jesus está chegando” – e nada teria que temer aquele que vive em busca dessa paz.

erratanumerologia

Pode ser que você vá se admirar com esta última versão para essa história e vá compartilhar com seus amigos assim como todas as outras foram compartilhadas comigo. Pode ser que você dê fé e passe a esperar por algo que essas revelações possam ter te inspirado a chegada. Pode ser que esses escritos tenham despertado em você coisa bem intrigante. Mas, esta última teoria eu inventei para esta postagem. Foi a minha forma de te mostrar que a mente humana é muito criativa e que não devemos nos deixar levar por coisas que nos impressionam, como as que dizem ser profecias.

A.A.Vítor – Autor do livro “Os meninos da Rua Albatroz”, cujo capítulo “Planejadores do futuro sombrio” previu o momento atual. Sobre saúde e espiritualidade leia: “A magia que enriqueceu Tony”. Sobre empreendedorismo, relação interpessoal e sexo leia: “Contos de Verão: A casa da fantasia” e “Todo o mundo quer me amar”.

Motivos para eu aderir à Globo e não ao Bolsonaro

viraisantiquarentena

Pô, tá um saco! A Globo e o STF foram cruciais na luta para tirar o PT do poder. Essa mesma Globo e esse mesmo STF. Com Gilmar Mendes, Dias Toffoli e tudo mais. Rodrigo Maia, como presidente da câmara, viabilizou muitos dos planos de governo de Bolsonaro, que por serem polêmicos dificilmente passaria na Câmara dos Deputados pelos trâmites normais.

Quantas cenas há de cumprimentos e ufanações a Rodrigo Maia feitos por Bolsonaro, seus aliados e seus seguidores, que ficaram registradas e a gente pode recorrer a elas pra verificar como é o jogo político dessa gente que acha que somos capacho dela? A aprovação da Reforma da Previdência foi o momento mais marcante desses hipócritas.

Esse mesmo pessoal alvo atual do bolsonarismo foi crucial também para eleger o Bolsonaro. Inclusive, se a Globo quiser desmascarar a provável facada falsa ela deve ter tudo o que for preciso pra isso. Dentro dessa hipótese, ela não vai ser besta de fazer isso porque sustentou essa verdade e o suposto esfaqueado não vai dar tiro no pé só para comprometê-la, sabendo que se compromete também. Isso, pra mim que tem plena convicção de que o atentado foi fake, é o que me faz sentir vingado.

Se agora que a Reforma da Previdência, que é o que interessava a essa gente ver aprovado, está aprovada e que os interesses do grupo que o Bolsonaro representa conflitam com os da Globo, STF e Rodrigo Maia e por isso Bolsonaro se tornou descartável para estes últimos, que estariam querendo derrubá-lo, eu que não votei no Messias não tenho nada a ver com essa briga.

Os seguidores ou gente que recebe dinheiro da extrema-direita pra militar em pró da sustentação de Jair Bolsonaro no posto enchem o saco com o material terrorista que propagam pelo Whatsapp. Tem neles sempre em evidência frases como “Globo lixo“, “STF corrupto“, “Vamos fechar o Congresso“, “Cassação ao Rodrigo Maia“. Fora os vídeos de supostos generais das forças armadas falando até em entrar com os tanques dentro do Congresso Nacional e deixar todos por lá furadinhos de bala se tiverem que interferir pra proteger o presidente da república eleito democraticamente.

Ou seja: para resolver antidemocraticamente problemas próprios, as forças armadas usarão os aparelhos e munições que a gente paga para usarem em nossa defesa. Ué, não precisam do nosso voto para fazerem isso? O STF e Rodrigo Maia não têm feito nada de inconstitucional. Por mim, se fizerem isso, se tiver que entrar militar na roda pra acabar com esse terror e trazer de volta a paz pra gente, que seja, mas, que o façam sem encher meu mural do Whatsapp de merda.

Agora veio a pandemia. E com ela a quarentena. Bolsonaro já mudou o discurso dele várias vezes. Apareceu de máscara no Twitter junto a mais dois de seus acessores alegando que aguardava resultado de exame e com o cenão se mostrou condescendente com a informação que paira por aí de que a pandemia é realmente preocupante.

Depois, viu que a quarentena pode afetar a economia e isso pode levar à ruína seu governo, foi à TV em cadeia nacional chamar de gripezinha e resfriadinho a doença e exigir a não adesão do povo à quarentena. E chove material desse pessoalzinho de extrema-direita fechado com o Bolsonaro intencionando fazer o povo sair do status de quarentena supostamente para salvar a economia.

É vídeo de suposto caminhoneiro chorão falando que não acha onde comer; é fake de cenas de chineses espalhando o vírus por querer, colocando a mão no nariz e tocando alimentos numa feira; tem o do cara supostamente no metrô irlandês esfregando num poste a mão levada à boca pra buscar saliva supostamente contaminada de coronavírus; tem a imagem de uma suposta conversa de Whatsapp onde um anúncio fala sobre uma morte por Covid-19 em Teresina e na conversa uma mulher diz que é parente do falecido e que ele morreu de outra coisa, mas, os hospitais estariam recebendo orientações para colocar no atestado que foi coronavírus.

Tudo isso bem coisa de Steve Bannon, o mestre do fakenews que ajudou a eleger Donald Trump, grande parceiro de Jair Bolsonaro, utilizando os mesmos métodos de moldagem desrespeitosa de opinião em pró de um objetivo vai saber se não próprio.

Aliás, o coronavírus não é tão mortal, ele até ressuscita. Num desses virais de extrema-direita em que todo mundo é médico e doutor em economia, o médico Adib Jatene, que morreu em 2015, foi ressuscitado. E ganhou também título de infectologista e pós-doutorado em economia pra falar para as pessoas saírem de casa senão o país economicamente vai quebrar. Pra isso ele teve que ser encarnado no corpo do deputado Osmar Terra, conforme o Boatos.org. E com isso nos jogam contra a China, contra a quarentena, contra o que mais tiverem interesse de jogar.

Ah, e aquelas mensagens textuais que tentam chantagear-nos com hipocrisias como dizer que a pessoa em quarentena quer ficar em casa, mas, não quer ficar sem a comodidade dela que precisa que alguém esteja lá fora trabalhando para garantí-la? E tem até um vídeo em que o sujeito que o protagoniza está nas ruas e em estabelecimentos comerciais mostrando que pessoas estão trabalhando para não deixar nada faltar aos “à toa” em casa se protegendo. O cara inventou um tal de “modo hipócrita ligado”, só que hipócrita é ele, que não respeita as liberdades individuais, tanto de quem escolheu ficar em casa quanto o contrário, e nem a liberdade de crença, pois, muita gente está em casa por acreditar que há perigo lá fora.

Esses videomakers, youtubers, blogueiros, twiteiros que militam, de graça ou subsidiado, produzem em casa o seu produto. É fácil pra eles criticar quem parou pra se confinar, pois, o status normal de produção deles já é o confinado. Qual é, medo de concorrência? Se não fosse, se tivessem que pegar no batente lá fora, será que estariam levantando essas bandeiras sem hipocrisia? O próprio presidente Bolsonaro fez da permanência em casa bandeira de campanha. Não falou em incentivar o ensino à distância? Não foi a favor da Reforma Trabalhista de Michel Temer que prevê o teletrabalho que estamos experimentando com essa crise? Não transformou uma série de documentos, como a carteira de trabalho e a CNH, em digital, basta acessar seus dados por meio de um aplicativo de celular do que portar o documento? Não faz suas lives em domicílio? Não indicou logo que eleito blogueiros para serem seguidos? Não pôs um blogueiro num dos ministérios? Vão parar de hipocrisia, bolsominions!

Bolsominion de quarentena

Esses virais são tudo material produzido. Pessoas são filmadas fazendo o que fazem no vídeo e depois viralizam com a interpretação que querem que tenhamos. Conversas em aplicativos de rede social são simuladas para serem printadas. Recebi um monte dessas coisas no Facebook para me jogar contra a esquerda e eleger o Bolsonaro. Esse, inclusive, foi um dos motivos que me fez não votar nele. É óbvio que eu também estou de saco cheio dos mesmos políticos nos postos, mas, trocá-los por alguém que me trata como imbecil é dar razão pra ele quanto ao julgamento que me faz.

Talvez, Bolsonaro – ou os que estão por trás dando as instruções para ele portavozear – esteja com boas intenções e esses do Congresso que o tentam derrubar oferecem resistência à essas intenções.

Penso que a Reforma Política deva preocupar bastante essa corja e Bolsonaro estaria tentando neutralizar a oposição que sofre para viabilizá-la. Se a Dilma, esquerdista, sofreu impeachment porque quis implantar essa reforma, Bolsonaro vai conseguir frear esses corruptos, a maioria conservadora e de direita como ele?

Como a quarentena poderia causar um colapso econômico que por si só jogaria no chão o presidente da república, ele vem tentando pará-la e recebe apoio desses chatos que operam desrespeitosamente nas redes sociais desautorizadamente confundindo as pessoas diretamente em seus perfis.

Penso o seguinte, por mais que detestemos a Globo, temos que admitir que os Marinho são poderosos demais pra gente ir ao contrário do que na TV eles estão incentivando. Se o governo quer falar pra gente que a mídia é que tá pondo paranóia na nossa cabeça pra gente ficar trancado e que não há necessidade de pânico e que um colapso na economia é que é problema de saúde, pois, fará o país economicamente quebrar, é melhor mudar o argumento. Ou então põe os generais pra nos apontar os fuzis. Contra força bruta não tem como ficar em casa, né?

A Globo vive de anunciantes, que são empresas, ela tem que ser a primeira a pregar contra a quarentena se isso pode mesmo gerar bancarrota para as empresas. E fica claro também que as empresas fecharam acordo com a Globo, pois, todas pararam de alguma forma. A que trabalho, multinacionai italiana, pôs 1000 pessoas para trabalhar em casa e deu férias pra outro tanto. Minha irmã está em Londres e recebi dela a notícia de que lá estão em quarentena. Nada melhor do que receber informação avaliativa diretamente de quem você conhece e sabe que não tem qualquer intenção de te enganar ou moldar sua opinião.

Eu sei que é estranho essa simultaneidade, uma vez que na Europa o vírus chegou primeiro e já teriam por lá passado pelo tal período de incubação que nós aqui vamos entrar nele nesta semana que vai entrar, mas, eu não tenho bala na agulha para enfrentar o terror caso a questão tenha uma resposta. Portanto: manter a quarentena!

É melhor a gente confiar em quem tem tradição em manter o país funcionando, mesmo que seja com o STF que o Bolsonaro quer derrubar configurado como está; mesmo se for com o PT roubando, a corrupção no meio parlamentar em geral correndo solta e a gente sofrendo colonização dos hábitos e virando escravo dos países do Primeiro Mundo. Pelo menos a gente sabe que vamos continuar podendo levar a vida que a gente vinha levando. Aos trancos e barrancos podendo trabalhar, se sustentar e até ter alguma diversão nas folgas. Por isso dou razão à Globo.

Portanto, procurar se manter vivo é crucial. E se isso significa obedecer a Globo e permanecer em quarentena é o que vou fazer. O problema do Bolsonaro e do Donald Trump não é meu, vou preferir aderir o que dizem meus inimigos tradicionais porque eles eu já conheço seus interesses e sei como anda minha vida com eles se satisfazendo.

Essa pressão que fazem no trabalhador para ele deixar a quarentena e salvar a economia devia é fazê-lo enxergar o quão importante ele é e motivá-lo, de uma vez por todas, a passar a dar as cartas. Isso acontecendo, podemos contar que haverá governabilidade séria no Brasil e o país irá pra frente.

A.A.Vítor – Autor do livro “Os meninos da Rua Albatroz”, cujo capítulo “Planejadores do futuro sombrio” previu o momento atual. Sobre saúde e espiritualidade leia: “A magia que enriqueceu Tony”. Sobre empreendedorismo, relação interpessoal e sexo leia: “Contos de Verão: A casa da fantasia” e “Todo o mundo quer me amar”.

Carne cara para que viremos veganos e salvemos o mundo?

SERÁ QUE JAIR BOLSONARO LEU ESSE LIVRO?

capa-meninos

Quem quiser entender o Governo Bolsonaro e antecipar passos é só ler o livro “Os meninos da Rua Albatroz“. A pista da vez que faz imaginar que Bolsonaro tenha lido esse livro é o aumento exorbitante do valor da carne. Todo mundo está reclamando da iniciativa econômica. Até quem votou no Jair. Mas, isso está totalmente coerente com o que vêm mostrando sobre suas acepções do mundo o presidente e seu ministério.

Ao montar seu ministério, Jair Bolsonaro colocou um blogueiro, Ricardo Sales, para ministrar o meio-ambiente. Ricardo é muito dado à teorias vagas como as conspiratórias. Ele não acredita no Aquecimento Global e quer transformar a Amazônia em uma grande fazenda, a fim de satisfazer os problemas de alimentação e de emprego do brasileiro.

Essas queimadas sem dono que apareceram na região nos últimos meses merecem atenção no sentido de servirem ao propósito de desmatar sem herdar suspeita de se tratar de viabilização de projeto. E o destaque que o veganismo anda ganhando na mídia junto com o incentivo de proibição de esportes com animais, como a Vaquejada e os rodeios, completam.

E de repente, até aquela do secretário de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Júnior,  dizer que “O peixe é um bicho inteligente. Quando ele vê uma mancha de óleo ali, capitão, ele foge, ele tem medo. Então, obviamente, você pode consumir o seu peixinho sem problema nenhum. Lagosta, camarão, tudo perfeitamente sano” possa ser interpretado como mensagem subliminar não só a favor do “desculpamento” da inércia do Governo quanto ao episódio das manchas de petróleo que atingiram o litoral brasileiro.

E não é por dózinha de animais que querem acabar com a judiação dos vaqueiros não: Reduzir a população de animais no planeta é uma necessidade apontada até pela comunidade científica séria. E é com a expectativa de que no Brasil se coma menos carne para que haja menos destinação de espaço para gados bovinos e suínos no país, bem como destinação de alimentos para esses animais, que a ingestão de carne é dificultada através da veia econômica às classes populares. Só os mais ricos comendo não tem perigo. A gente tá acostumado a pagar o pato, não é mesmo? Sem trocadilhos!

Não se ouve falar muito em pecuaristas nas manchetes que envolvem o Governo. Ouve-se? Não é à toa que a bancada ruralista com seu agronegócio é o xodó de Bolsonaro. As áreas desocupadas pelo pastoreio se converterão em lavouras e a produção de grãos aumentará potencialmente.

A humanidade capitalista, sobretudo a brasileira, acostumada ao fútil que a vida carnívora oferece, que sempre fez bem ao capitalismo, terá que mudar seus hábitos alimentares para viver satisfatoriamente esses tempos de governos focados em teorias conspiracionistas. E todas essas teorias e informações estão reunidas no livro mencionado.

Mas, deixemos agora de divagação porque a Globo deu outra versão para o fato de ter encarecido tanto a carne. E como todos sabemos, a verdade está lá fora… quero dizer: com a Globo. E depois, os Marinho são grandes pecuaristas, conforme disse o saudoso PHA, eles devem saber sobre o que ronda seus negócios que aparecem no Globo Rural e no Globo Ecologia.

E um veículo de comunicação da organização informou que o preço da carne explodiu devido ao acordo feito com os chineses envolvendo exportação de carne. O Governo espera com isso melhorar a economia do país e a saúde dos empreendimentos.

Só se for a dos grandes frigoríficos, né, como a JBS. Sim, a JBS, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, que entre outras marcas detém a Friboi. Cujos donos, os irmãos Joesley e Wesley Batista, foram alvos das denúncias da Operação Lava-Jato. Operação que formou antipetistas e ajudou a eleger o atual presidente do Brasil e de quebra deu cargo de ministro da justiça ao principal relator. Entendeu a jogadinha?

Os açougues, estes serão massacrados, pois, para quem eles irão vender carne, em quantidade rentável, com o preço exorbitante que anda sendo praticado? Vão ter os comerciantes, assim como nós seus ex-clientes, virar veganos e entrar em ramo mais promissor, se não quiserem ir conosco para a Amazônia trabalhar na lavoura.

Ou seja, não é para salvar o planeta que vamos todos virar veganos, é para pôr comida na boca de comunistas. Esse nosso presidente anti-comunista é muito suspeito, não acham?

O futuro do livro é a gratuidade

LivrosAAVitor

Nós escritores independentes sofremos com a constatação de que podemos ter produzido um grande livro, contado habil e envolventemente uma grande história, passado para quem nos lê grandes informações proveitosas, às vezes mantidas sob proteção, e não colhermos qualquer tipo de agrado. Ser lido por uma multidão, por exemplo, é até mais o objetivo do que ganhar dinheiro.

Nem isso conseguimos, mas, não nos julgamos fracassados ou pouco talentosos. Apenas sabemos que a realidade do brasileiro não inclui ser leitor e que os poucos que leem custa muito dinheiro para se atingí-los. E o mercado é monopolizado para fazer acontecer só o que passa pela mão das grandes editoras e marqueteiros mediante pagamento bem vultoso.

A receitinha de bolo: investir numa publicação de exemplares impressos em papel, investir na divulgação e na distribuição dela, nunca esteve ao alcance de autores limitados financeiramente.

Hoje há as editoras virtuais e a publicação sob demanda. A impressão CTP e a divulgação em redes sociais, geralmente os perfis de cada escritor. A mala-direta eletrônica – e-mail marketing – foi opção de grande expectativa de alcance quando os servidores de e-mail não barravam a prática.

Hoje, até eles querem ganhar o deles e impedem de serem enviados ou visualizados os lotes de correspondência eletrônica visando tornar massivo um anúncio. E esses mesmos grandes serviços de e-mail impedem a chegada de mensagens com anúncios vindo de domínios autônomos. É para eles que a maioria dos e-mails são enviados.

As redes sociais também usam mecanismos para inibir a visualização ou o clique em links de anúncios que transitam em seus murais sem que tenham recebido qualquer valor pela divulgação. E os grandes provedores de blog, pelo menos para as contas que não são premium, se comportam da mesma forma pelo menos no que informam de estatística de visualização ao usuário.

Logo, é ilusão achar que seu trabalho ou seu interesse vá atingir um grande público contando com a boa vontade dos sites e serviços de grande porte na internet.

Sendo assim, se no meio convencional não se pode fazer saberem que sua obra existe e se no meio digital – chamado de revolucionário – idem, o jeito é distribuí-la gratuitamente em quaisquer dessas opções de publicação.

Procurar fazer com que haja bastante informações de valor nas páginas da produção e torcer para que felizardos cheguem a conhecer o que você tem a dizer ou a experimentar as emoções que sua obra tem para propiciar é imperativo. É bom não deixar duvidarem que você tem qualidade e que vale a pena pagar para verem.

Contos de Verão: A casa da fantasiaOs meninos da Rua AlbatrozTodo o mundo quer me amar

Contos de Verão: A casa da fantasia

Os meninos da Rua Albatroz

Todo o mundo quer me amar

E de quebra citar os livros acolhidos pelas editoras e pelos veículos de divulgação sempre que puder, em situações de sua obra que se assemelham com as histórias que eles contam ou em conteúdos informativos que eles também informam. Aos poucos o público preferirá usar o que você produz como porto para saber tudo o que os outros autores falam em seus livros e poupar tempo, buscas e aquisições.

Caso você leu este texto até aqui, o livro A magia que enriqueceu Tony traz uma grandissíssima história, muito bem narrada e coberta de informações úteis para se entender o mundo e sobretudo a economia e, quem sabe, se dar bem em várias áreas que a sociedade cultua por conter as informações. Se não quiser gastar muito dinheiro, há a versão e-book, super barata.

Você economiza a leitura de toneladas de livros que tem padrinho e custam o olho da cara. E economiza também ingresso em cursos preparatórios de uma série de profissões. Além de, é claro, conhecer da melhor maneira possível – experimentando – o essencial sobre magia e ocultismo.

 

Bitcoin: A moeda da paz?

Moedadapaz

As cédulas de dinheiro possuem um número de série. Quando se compra algo com elas, elas são passadas para um novo dono.

O recebedor confia passar para o pagador um produto em troca delas porque esse número de série garante que a nota é válida.

Os outros detalhes que autênticam a cédula contra falsificação só se justificam por não haver como o sujeito verificar em todas as negociações se o número de série existe ou não.

Mas, no caso do dinheiro convencional não é preciso saber se pertence mesmo o dinheiro àquele que entrega a nota.

Já com a criptomoeda o número de série apenas não garante a integridade do dinheiro.

E na hora dos pagamentos é preciso saber se quem efetua o pagamento tem mesmo aquele dinheiro e se é ele mesmo quem efetua a ação. Daí a necessidade de encriptação e do uso de chaves públicas e privadas.

Quando se saca uma criptomoeda, a porção virtual fica com quem realiza a troca.

Na prática funciona assim:

Eu trabalho e cobro 10 Bitcoins pelo que produzo. Quem me paga transfere da carteira virtual dele pra minha.

Isso envolve certificar se na espécie de banco central da moeda há a conta do correntista que negocia comigo e quanto de dinheiro eletrônico há nela.

Ticando todos os processos, a quantia é transferida.

O saque envolveria um banco ou algum negociador que aceita receber Bitcoins e devolver cédulas convencionais. Obviamente, este cobra um ágio por isso.

Um problema ocorre quando o banqueiro é que precisa do dinheiro. Quem irá trocar pra ele? Se fosse dinheiro físico bastava o banqueiro abrir o cofre e tirar a quantia desejada se nele houver.

Já o virtual não é simples assim. Não dá pra abrir o banco de dados ou o servidor e fazer o mesmo. Ou seja, se inexistir a necessidade de saque, o modelo monetário estaria completo.

Portanto, com o dinheiro virtual a fidúcia é maior. Embora os bancos estejam por n motivos sujeitos a guardarem em papel para um correntista menos do que seus sistemas dizem que ele tem.

Porém, pagar com bitcoin por um trabalho ou produto obtidos pela internet é seguro. Também é seguro comprar a moeda para realizar tais transações.

E assim, mineradores trocam dados por grana em espécie a certo valor em moeda corrente e banqueiros trocam grana em espécie por dados por certo valor em moeda corrente.

Pessoas fazem compras com criptomoeda gastando certo valor em moeda corrente que tiveram que depositar para um banqueiro.

Pessoas recebem em criptomoeda por sua produção, fixado o valor em moeda corrente, que sacarão de um banco.

Quando tudo puder ser feito eletronicamente, o dinheiro físico deixará de existir.

E a violência que oriunda da necessidade dele idem.

Aprovação da Reforma da Previdência: Jamais atrapalhe o seu inimigo quando ele está cometendo um erro

charles_mingus_quot_tornar_o_simples_em_complicado

As criptomoedas, como o Bitcoin, podem secar os cofres do mercado financeiro. Faltarão dinheiro padrão dentro deles e sobrarão bytes de dados à disposição dos consumidores para efetuarem suas compras.

Há uma condição que em se configurando destrói o Capitalismo por completo, que é todos os envolvidos no sistema se equipararem financeiramente. O exemplo abaixo demonstra como isso se sucederia.

Imagine que você monte um depósito de material de construção em uma região recém loteada. Considere que todos os lotes do loteamento foram vendidos e que os compradores decidiram já construir.

Essa primeira fase do bairro é a que garante para você o maior lucro, pois, não só sua probabilidade de venda é boa, muitos clientes automáticos, você sequer precisará gastar com propaganda, como também é boa a expectativa de saída de qualquer produto com que você queira trabalhar. As construções saindo do zero, você venderá areia, cimento, brita, portas e janelas.

Na próxima fase, alguns itens do seu catálogo já não serão fartamente vendáveis, pois, as casas já estarão construídas. Você passará a fornecer peças de reposição. E não poderá deixar de ter no seu catálogo itens não reparáveis, como areia por exemplo, pois, pode pintar alguém que queira fazer no próprio imóvel alguma reforma ou alguma ampliação. Nessa fase, seu lucro cai bastante, pois, pode acontecer de mensalmente poucos clientes irem ao seu estabelecimento pedir alguma coisa para reparos.

Isso acontecendo, você não poderá mais contar com a quantidade de funcionários que você tinha na primeira fase, por não precisar mais deles e nem dar conta de pagá-los. E seu catálogo de mercadorias cairá bastante em categoria e quantidade de itens. Isso frustrará, inclusive, seus fornecedores.

Uma transformação enorme já aconteceu nesse caso. Mas, pode ficar pior.

Em dado mês ou por meses seguidos nenhum cliente pensará em visitar seu comércio para fazer alguma compra. Cliente zero não é expectativa plausível, mas, redução de venda de modo a comprometer os pagamentos mensais é completamente esperável.

Como problemas como esse já foram resolvidos outrora, sem ser mudando o empresário de ramo ou criando novas necessidades e produtos para casas, no caso, ou sem ser criando marketing psicológico de vendas, do tipo que faz o consumidor achar que precisa fazer uma atualização em seu item de consumo para acompanhar a moda ou a modernidade, a chamada obsolescência planejada?

Ah, e sem ser sabotando as construções dos moradores, tipo investindo em acidentes criminosos que obrigam a reconstrução de prédios, como se suspeita de já ter ocorrido na história do setor de negócio em estudo. Capitalismo é sujo, não esqueçamos disso!

O dinheiro pessoal já apareceu como saída. Dentro do próprio exemplo podemos explicar como funciona isso.

Suponhamos que em um dos imóveis do loteamento o dono precisou fazer um grande desaterro. E que a terra que teve que ser desassoreada ficou guardada no próprio quintal. Seu dono cuidou dela para que ela ficasse fértil e fosse boa para plantação.

Suponhamos que o dono desse lote precise de algo que o depósito de material de construção do bairro possa lhe fornecer. E que o empresário do depósito tenha descoberto ou criado junto aos moradores uma demanda de terra para plantação.

Os dois então fariam uma troca. O dono da terra fértil estaria pagando com ela a mercadoria de que precisaria. Ela teria sido seu dinheiro pessoal.

Tanto melhor vai parecer com isso, se o dono da terra souber a respeito da demanda surgida ao depósito. Seu dinheiro pessoal valorizará. Em vez de troca com o depósito ele pagaria o que precisasse com uma fração da terra.

Como seria o depósito o administrador da demanda, este cuidaria de comprar todas as moedas que o dono da terra tivesse. Isto se não quisesse enfrentar a concorrência dele na venda do artigo aos precisados.

Concorrência nem seria o pior cenário. O pior seria se o dono da terra resolvesse fazer mesmo dela seu dinheiro pessoal e passasse a conseguir tudo o que precisasse ou desejasse dando porções de sua gleba em troca. Ele conseguiria preço melhor por ela agindo dessa forma do que vendendo ao depósito.

Por que isso afetaria com mais ênfase o depósito?

Pense na seguinte situação: O supermercado da região recebe mensalmente terra fértil em troca de artigos da lista de compras de supermercado do dono da terra.

O supermercado não teria o que fazer com essa terra todo mês. Exceto, vender para o depósito. Uma compra que sairia mais cara para o depósito, pois, o supermercado lançaria seu lucro. Só não sairia com ágio se o supermercado recebesse em produtos do depósito, o que não é esperável de acontecer todo mês.

E se fosse?

Se fosse e se outros ramos nesse sistema procedessem comprando e vendendo com a terra, o dinheiro sumiria. Nem é preciso comentar que se sucederia a falência dos bancos devido a não necessidade de guardar e movimentar dinheiro ou de imprimir moeda.

Nesse cenário pode até ser que entre as empresas do mercado de consumo estaria resolvido o balanço. Mas, e quanto aos pagamentos dos funcionários, dos impostos, da Previdência e dos fornecedores de mercadorias dos comércios? Estes não aceitariam o dinheiro pessoal em questão como remuneração pelos seus feitos.

Se você criar seu próprio dinheiro e infiltrá-lo no meio onde você reside é possível que você vá desestabilizar o sistema nele adotado, caso seja o Capitalismo.

Entretanto, você não sentirá falta de nada que não de dinheiro. A prosperidade incide em você ter o que precisa e não em você ter dinheiro.

É como ter tudo, menos dinheiro. Percebe como o dinheiro é uma ilusão e não tem valor algum? E que instituições como os bancos só existem enquanto ele existe?

É por isso que quem insiste na manutenção do sistema monetário no mundo e quem são as instituições mais ricas e perversas no planeta são os bancos. Comece sua revolução socialista destruindo os bancos.

A Reforma da Previdência no Brasil, aprovada na semana que passou, parece ser um cavalo de Tróia nesse sentido. A parte da população que ficou ressentida é a mais criativa. Desta se pode esperar uma poderosa moeda pessoal que vá fazer o trabalho de vingança.

Leia o livro “Os meninos da Rua Albatroz”.

E NUNCA PERCA NOSSAS POSTAGENS!