Por que é temida a hora de partir?

Antes de dormir o chá de camomila e o exercício espiritual de alinhamento de chakras. A noite é tranquila e repleta de bons sonhos. Isso após a turbulência da experiência de quase-morte.

1Eu vou me embora / É chegada a hora / Não, não chore / Nem me faça chorar
O que é tristeza / O que é saudade / Me responda / Com justiça e não com lágrimas
E se lembrar de mim / Faça com o mesmo ardor / De uma canção feliz / De uma canção de amor

Eu não sei ao certo se isso é típico da velhice contemplar experiências de quase-morte. Tenho feito essas coisas constantemente nos últimos dez anos. E é o que me alivia o choque com minha realidade insípida, fracassada materialmente e a conflitar ideologicamente com o que percebo ser o que os donos do mundo tecem para a humanidade sujeitar-se. Idem o fato de a maioria das pessoas aceitar a submissão. E muitos de boca boa.

A morte me cairia bem nessas horas, não fosse o sentir-me preparado, com todos aqueles que sentirão minha falta ou que dependem de eu estar vivo amparados por eu ter estruturado minha partida.

2Depois que eu envelhecer / Ninguém precisa mais me dizer / Como é estranho / Ser humano nessas horas de partida

O corpo estendido na cama, pesado, totalmente relaxado após o alinhamento de chakras. Ausentes os sentidos até que o formigamento aparece junto com o sufoco. Uma pressão sobe peito acima. Vai até o topo da cabeça e parece que o cérebro expande devido a um vórtice que começa a girar dentro dele querendo sair para o espaço.

Uma dificuldade respiratória digna de um afogamento solavanca. Passagens da vida vêm à mente. Coisas que vivi, coisas que terceiros me fizeram vivenciar na imaginação. Tudo se passa como se tivessem sido a mesma experiência de observação. Daí se vê que somos todos um.

3Um vento frio assobia / Me arrepia / E me faz lembrar / A hora que eu nasci
E a calmaria rígida / Vislumbra a morte que eu nunca vi

Então, vem a hora da decisão. Sinto que se eu não frear a sensação não será só uma experiência fora do corpo. Sinto que irei fraquejar e poderei não voltar para Malkut. Deixarei de ser observador neste mundo. Passarei a ser um dos que observam quem observa.

4É o fim da picada / Depois da estrada começa uma grande avenida / E depois da avenida / Existe uma sorte, uma nova saída / São coisas da vida / E a gente não sabe se vai ou se fica

E é nesse ponto que bate o ainda ser humano. As responsabilidades vêm à tona na memória física da gente. Tem os desamparados para amparar. Sua saúde ainda é de ferro, as finanças não fizeram chegar pra você a miséria, a intolerância com a imperfeição dos outros você já é capaz de conter a depressão que isso traz. Para que o desespero em partir?

Escolho voltar. Retomo o objetivo de durar o mais possível no plano material. E a recompensa pela decisão sábia é o prazer enorme que a prática de quase-morte me dá toda vez que eu a contemplo. Talvez eu o faça só por isso.

TEXTOS INCINDENTAIS
1 e 3 – Estrofes da música “Toda a nossa vontade”. Lobão, Sob o Sol de Parador. 1989.
2 e 4 – Estrofes da música “Coisas da vida”. Rita Lee. Entradas e bandeiras. 1976.

Fundando uma religião – Pt. 1

Me agradou demais o último texto que publiquei. Resolvi, então, ir mais a fundo e criar uma doutrina inteira do que pode vir a ser uma religião. Na verdade um estilo de vida, mas, você se dignaria a clicar no título para ver a postagem se ele fosse “fundando um estilo de vida” nesses tempos em que estamos coletivamente à beira da morte?

Bem, se vivermos despreocupados com a morte vamos aproveitar mais a vida. Certo? Ninguém sofre por causa do que ignora, sofre por causa do que considera.

Eu gosto muito, inclusive, de citar aquela frase do Steve Jobs: “A morte é a maior invenção da vida“. Ele quis dizer com ela que se encararmos a vida como um jogo – de videogame como era a praia do Jobs – teremos os elementos prêmio, castigo e fases. Cada fase que passarmos receberemos um prêmio e as que não superarmos: o castigo, o que encerra o jogo.

O castigo da vida é a morte. E todos sabemos que se recebermos este castigo por fracassar em uma fase não teremos oportunidade de jogar de novo. É raro quem o tenha. Menciono os que chegam a ficar dias em coma e voltam.

Daí você percebe que Jobs foi bastante observador e teceu muito bem sua definição para a morte a chamando de uma grande invenção. Podemos dizer que a morte nos motiva a viver. Prorrogar o surgimento dela é o objetivo de cada fase da vida que atravessamos.

Nos obrigaremos, inexoravelmente, a priorizar a qualidade de vida, a fim de sairmos vitoriosos. Buscaremos aprender bastante desde cedo; estar preparado para o desafio de ir longe na jornada; ter porte atlético e saúde inabalável; alimentar adequadamente; portar todas as informações que necessitaremos no caminho, sendo capazes de absorver as que forem se acumulando; cuidaremos do próximo pois ele poderá ser útil ao nosso sucesso e nós ao dele.

Não teremos tempo para mesquinharias, preconceitos, brigas e desafetos, uso de drogas e outros vicios. Planejaremos cada dia, reduzindo o máximo as imprevisões. Minimizaremos os riscos de acidentes, já que a meta é se manter vivo e íntegro. Evitaremos comportamentos que conflitam com o alcance do objetivo.

Quanto mais fases passarmos, mais vitoriosos seremos. Desfilaremos no ranking dos grandes campeões. Em igualdade de condições com qualquer outro jogador. Um magnata que conseguiu chegar aos 80 anos de idade e morreu trilionário, com relação ao objetivo de superar o máximo de fases ele não teria sido melhor do que quem chegou no mesmo topo e morreu paupérrimo. Até nisso a morte nos nivela. E diz pra você: “não é o dinheiro o que importa ou o que vai te deixar mais motivado a viver muito”.

O dinheiro melhora o estar vivo, não dá para negar. Facilita a complementação de tarefas e os cuidados para se manter vivo. Mas, isso só é perceptível por quem o tem.

Quem não o tem vive como pode e se chegar à alta idade é porque as cifras não foram relevantes, puderam ser substituídas por outras de igual valor, que às vezes nem nos damos conta dessa substituição.

Bom, dividi a postagem em partes exatamente para que os textos não fiquem longos e incompreensíveis na íntegra devido ao cansaço que a leitura em meio eletrônico costumar causar. Nesta primeira parte fiz só um esmiuçamento do que foi discorrido na postagem que a originou.

No próximo texto serão abordadas as principais questões que devem ser destituídas quando o assunto é viver sem o assombro da morte. Questões espíritas, como “vida após a morte” e “vidas passadas”, e de outras religiões. Questões filosóficas, políticas e científicas. Questões geológicas, como “mudanças climáticas” e “inversão dos polos magnéticos da Terra”. Questões pertinentes da Física Quântica e do Ocultismo.

Tudo isso será abordado para o fim de introduzir-se o estilo ideal de vida para esses tempos em que estamos perto do fim do mundo.

Como livrar-se do medo da morte da moda

amortedamoda

Se dessem no dia junto com os números da Covid-19 os da dengue, da H1N1, do Câncer,  da leucemia, do diabetes, do tabagismo, do infarto, o pânico inexistiria. O telejornal que ninguém desliga dele seleciona só a Covid-19 para falar porque senão ninguém entra no estado emocional que querem que entremos e caiamos que nem patinho.

De repente, o cara sente todos os sintomas da Covid-19, entra em colapso mental e quase morre de infarto por conta do seu medo. Por não haver alternativa, vai ao médico. Recebe dele o diagnóstico de que, por exemplo, está com Aids. Aí, a insanidade tá de um jeito que é capaz do sujeito sair do hospital comemorando. Aliviado (sem trocadilhos) por não ser o tal do coronavírus a lhe atormentar.

Quando a Aids iniciou sua fama era assim também, do mesmo jetinho. Se de repente se pegava um resfriado e não se conseguia curar dele era até pior, pois, o moribundo teria que ir ao médico e se este lhe desse o diagnóstico da síndrome causada pelo HIV podia ser que o rumo a tomar fosse a morte instântanea mesmo. Mas, por suicídio.

Na ocasião, morrer de Aids era o mesmo que entregar um atestado de ser homossexual enrustido. Um pouco depois passou a ser também atestado de usuário de drogas injetáveis. Aliás, foi até isso que fez a doença se universalizar, chegar ao heterossexual, e com isso um hétero morrer dela era sinônimo de ser ou possuir cônjugue infiel. Na melhor das hipóteses: ser um pegador irresponsável que não usava camisinha.

Ou seja, não morrer da causa mortis da moda é uma questão moral. É um querer garantir que não vão falar pelas costas: “eu te avisei“, “foi recomendado cuidados e você não se cuidou“, “tá todo mundo falando disso, dá na TV toda hora“, “viu o que sua falta de informação fez com você“, “você falhou na prevenção, foi relapso“, “tá vendo aquele cara? todo santinho, né“. E nessa última tem o enjoado “pois é” no final da frase.

Isso faz pensar que nós não tememos a morte. Tememos morrer. Se você perde um ente querido, por mais querido que seja chegará o tempo de conformismo e de “vida que segue“. É aí que entendemos o que querem dizer com “procuramos querer ver o outro vivo por puro egoísmo“. Às vezes a pessoa já viveu o que chega, ela mesma pensa isso, já se foram seus amigos todos, se foram também os famosos que ela gostava, e ficamos a empacando, querendo ela para nós.

E a preocupação com a própria morte que o indivíduo traz consigo se resume ao momento da passagem. Se esta for como a de um homem-bomba, sem dar tempo para agonia, tanto melhor.

Mas, se for como a de um moribundo jazendo em um leito de morte, morrendo a conta-gotas, que faz pairar na mente um monte de providências a tomar, de remoagem de lembranças de momentos que vão ficar, de saudade que vai despertar, de arrependimentos por ter feito ou por não ter feito, de reflexão sobre como é o outro mundo e se vai parar no inferno ou se vai para o céu, de desejo de pedidos de perdão e de absolviçao de culpa, aí é mais duradouro esse medo normal.

Certa vez uma pessoa me disse que eu era muito frio com relação a essas questões. Achava ela que eu não acreditava em Deus. Então, pus a pessoa para refletir: “Pensando da forma que penso eu estou mais próximo da verdade sobre Deus do que você“.

Expliquei sobre minha visão cabalista do Criador. Ela, cristã, obviamente não conseguiu entendê-la. O cristão tende a pensar que Deus é um ser material. E eu tive que amenizar o impasse revelando que em algo os atributos que cada um de nós dava a Deus era comum: a eternidade. Só que eu não me contive e disse que Deus é eterno assim como todas as coisas são.

Aí, a pessoa questionou: “todas as coisas“. E ouviu o meu “sim“. Que foi replicado com a pergunta em tom de deboche torcendo os lábios ao seu final seguido de um olhar para o alto à esquerda: “até o homem“.

Para desfazer a intriga dela, lhe indaguei: “Quem você acha que você é“. Antes que me desse respostas nada a ver com o que indaguei eu fiz outra indagação: “você acha que é esse corpo físico que está à minha frente“. Ela disse que sim.

Daí, voltei a discorrer meu raciocínio. “Então, você não está em conformidade com o que prega o cristianismo“. E é verdade, pois, o cristianismo prega que há uma vida após a morte do corpo físico. E se somos o corpo físico, ficamos por onde morremos.

Ela então: “o que vive a outra vida é o nosso espírito“. E eu: “E o que faz esse espírito enquanto estamos vivos fisicamente“. Ela: “?????“.

É o nosso espírito que conduz o nosso corpo físico. Enquanto há possibilidade de vida material a ocupação do nosso espírito é cuidar do corpo material. Este, logo que chega o seu fim de linha, apodrece, vira pó, deteriora, se divide em átomos e vai compor outra matéria. Logo, o corpo físico também é eterno.

Os átomos não morrem. Tá, o esqueleto, ficam lá milhões de anos fazendo parte da mesma ossada os seus átomos. Isso é coisa pra ser, até facilmente, explicada pela Física e pela Química. Tem a ver com estabilidade de átomos ou de matéria.

Já o espírito que nos comanda, o que ele faz depois que fica desempregado de cuidar de um corpo não temos a mínima condição de informar. Podemos, sim, especular. O Espiritismo prega que esse espírito vaga por um tempo e depois reencarna. Obviamente, reencarnar pra ele é se empregar de novo como tomador de conta de corpo físico humano. Pode ser que isso seja um prêmio para o espírito. Ou então um karma, um castigo. E ainda há a hipótese humanista, positivista, de isso ser uma inerência no meio espiritual.

Na Cabalá e na Física Quântica se pensa diferente. Tudo está ligado, tudo é feito da mesma substância etérica, tudo é energia. É como se pensássemos na eletricidade que neste momento alimenta o aparelho que você usa para ler este texto. Depois que você desligá-lo e ainda tirá-lo da tomada, o que acontecerá com ela? Ela é o espírito do eletrônico, é ela que o faz funcionar.

De alguma forma, uma parte dessa energia fica no aparelho fazendo parte dele, mas, sem a condição de serví-lo com a função original. Outra parte foi irradiada e sumiu pelo éter. Talvez essa parte não mais vá influenciar a matéria, mas, sim, o éter. E influenciando o éter pode ser que algo material seja impactado. Daí se percebe que nada esgota, que tudo é motocontínuo, e é no mínimo bidimensional em nível de plano existencial.

Então, leitor, se concordas comigo, qual o espaço tem o temor pelo ataque do coronavírus – que é um ser composto de elementos químicos que provavelmente compuseram em outra época um ser humano – na eternidade? Nenhum.

A morte física – que acho que provei pra você que é na verdade uma transmutação – não existe. Menos ainda a espiritual. O que existe é o medo de morrer. E esse medo é moral. E tudo que é moral pode ser desmoralizado.

A.A.Vítor – Autor do livro “Os meninos da Rua Albatroz”, cujo capítulo “Planejadores do futuro sombrio” previu o momento atual. Sobre saúde e espiritualidade leia: “A magia que enriqueceu Tony”. Sobre empreendedorismo, relação interpessoal e sexo leia: “Contos de Verão: A casa da fantasia” e “Todo o mundo quer me amar”.

Exercício para enriquecer

corridaporummilhao

A mente humana funciona sob sugestão. O que os biólogos chamam de seleção natural ou de adaptação ao meio pode também se tratar de um processo de sugestão da mente.

A mente impressionada simula para seu utilizador a realidade que corresponde ao que nela é impregnado. Afinal, é com ela que percebemos o mundo e o interpretamos.

Se mentalmente nos condicionamos a certo cotidiano, é bem capaz de também na realidade objetiva gozarmos de cotidiano parecido.

Isto porque a mente entende que estamos sendo ameaçados e ela, por sua vez, busca recursos que refletem na existência, tratando de nos livrar do que seria a ameaça.

Essa ameaça do caso é a de não nos sentirmos felizes. Assim como o corpo precisa de alimento para se sustentar e sem ele seu ocupante é ameaçado de morte, o que obriga a mente a criar meio de impedir essa fatalidade, nossa psique foi projetada para ser feliz. Do contrário, entra em depressão, o que sinaliza a morte.

A boa notícia é que a felicidade é uma sensação. E como toda sensação, acontece de modo subjetivo. É uma experiência interna de nosso organismo. Pode ser esta provocada por fatores materiais ou mentais.

A felicidade que se experimenta ao guiar um automóvel de luxo não se difere da de quando somente imaginamos estar nesse cenário. Embora, imaginar requeira muito mais esforço para impressionar a mente do que o ato experimental.

Em vez da reação imediata à experiência, no processo de imaginação, se valendo do pensamento apenas, o cérebro deve realizar as mesmas sinapses que realiza durante uma interação material para deslanchar as mesmas substancias e reações orgânicas responsáveis pela criação do estado de felicidade.

A realidade para cada indivíduo é o produto do deslocamento de seus hormônios, entre outras substâncias, dentro de seu organismo. A efervescência gerada dessas substâncias é que dão forma às emoções que experimentamos. E o estado emocional é o estado real de cada indivíduo.

Se você quer saber como você está neste exato momento, verifique quais são as emoções que você está a experimentar. Verifique também o que está deixando você assim. Dessa forma, quando você quiser ficar neste mesmo estado e os elementos que você constatou como serem responsáveis por isso não estiverem alcançáveis então, utilize a imaginação para produzir a mudança interna que lhe ocasiona estar em tal estado.

Com o tempo você verá que não há diferença entre a experiência real e a imaginária. E que a realidade está ao nosso inteiro dispor quando se domina a moldagem do próprio estado biológico interno.

Pra resolver esta dificuldade da imaginação, esse esforço maior, é que existem os jogos mentais. São exercícios que se praticados com determinação e disciplina pode levar a mente a se autoestimular para um propósito. Quanto mais repetição, mais rápido se chega aos estados internos que configuram cada sensação que nos molda o espírito.

E aqui vai um exercício que serve muito bem ao propósito de condicionar a mente para o enriquecimento. Se divirta fingindo ter toda condição de se preparar para obter dinheiro facilmente e saber utilizá-lo em tempo hábil. O dinheiro é móvel e se move rapidamente. Do contrário ele não nos interessaria com tanto fulgor.

Imagine que chegue até você uma proposta para participar de um jogo. O desafio é você gastar um milhão de reais em 24 horas. Das 8:00h de um dia até o mesmo horário no dia seguinte. Se você conseguir gastar todo o dinheiro, você ganhará dois milhões de reais como prêmio. Se não, você não ganha nada. Mas também não tem que devolver o que conseguiu gastar.

O prêmio aumenta duzentos mil reais por cada hora a menos que você conseguir gastar o dinheiro. De modo que se o milhão for consumido totalmente em uma hora apenas, o valor lhe pago como prêmio será de 6.800.000 reais. Mais rápido se gasta, mais rico se fica.

Iniciando o desafio às 8:00 da manhã de um dia e indo até o mesmo horário no seguinte se poderá contar também com opções noturnas e matutinas de consumo.

Agora, as regras. Você só poderá gastar 3000 reais com compras em um único estabelecimento – o que vale também para um único produto – ou com contratação de serviço. Nada o impede de repetir as mesmas compras e contratações em estabelecimentos diferentes.

E todo negócio que você fechar terá que ser pago à vista, dentro das 24 horas. E é obrigatório pegar a nota fiscal ou recibo. É permitido pagar dívidas suas existentes, desde que gere comprovante o pagamento e que o valor unitário das faturas não ultrapassem 3000 reais.  Você pode gastar consigo ou com quantas outras pessoas mais você desejar. Não vale fazer doações, depósitos e nem emprestar dinheiro. Dentro da limitação, você pode criar empresas ou algum meio de continuar a ganhar dinheiro após o teste, caso você não se sáia bem.

Os únicos valores que você terá que devolver ao final do desafio, caso você não consiga gastar o milhão de reais, é o que fugir da regra. Se você pagar uma conta sua de 5 mil reais por exemplo, esta será tirada do cômputo geral caso você consiga gastar todo o dinheiro. Terá que ser devolvido o produto com valor fora do orçamento permitido, quando possível ser devolvido, ou o dinheiro gasto com ele quando não.

Estas restrições criam no jogador um cuidado especial com o desempenho moral no jogo. E faz evoluir o comportamento ético devido à severidade da punição. Ir com sede demais ao pote é a única imperfeição moral que poderá te fazer perder dinheiro neste jogo.

E aí, topas o desafio? Deixe nos comentários, se possível apresentando sua contabilidade, o que você faria para vencer este desafio ou pelo menos para aproveitar ao máximo o dinheiro que conseguir gastar.

Se vendo imaginariamente, diariamente, nesse  desafio, você acostuma seu cérebro à encontrar soluções para usar dinheiro rapidamente. E passará a enxergar a realidade como um curto espaço de tempo para se efetuar realizações. São 86400 segundos para se aproveitar o máximo da existência. Você precisa dormir um prazo, logo, você tem que ganhar dinheiro até dormindo.

Amor de jóquei

Deixado o partidor havia alguns segundos, velozmente urrava um cavalo na pista de um hipódromo. Quando juntava com uma só mão as rédeas e esticava o braço livre o jóquei, o reio de couro cru descia, batia no dorso do animal e subia impiedosamente. Tamanha era a ânsia do pequeno homem trajando farda branca e capacete, montado em um selim e equilibrado com os pés em estribos, ambos acessórios arranjados sobre a cacunda do equino. Inclinado e com o rosto junto ao pescoço do animal, as esporas das botas do homenzinho cutucavam as virilhas do bicho a fim de aumentar a velocidade de seu galope pelos duzentos metros da pista circular.

Determinado a no páreo superar os outros cavaleiros e chegar ao final do turfe na condição de ocupar o ponto mais alto do pódio, o jóquei alimentava em vez de garra uma expressão de ódio, delineada pelos olhos fixos na crina à sua frente, pretendendo enxergar logo a reta final. Qual posição de chegada facultaria uma premiação que se adviesse fadaria ao esportista viver a desejada vida de estrelato. Por isso não importava para ele se quanto mais veloz o ginete corria, mais na alma lhe doía.

50, 60, 70 quilômetros por hora a arrastar 450 quilos de carcaça e mais o peso do homem em seu lombo e o restante em acessórios, a obediência do cavalo se explicava pela sua inferioridade dada pela sua qualidade de ser vivo irracional. A sofreguidão lhe era insensível devido à alta taxa de adrenalina jorrada em seu sangue ao ritmo de 200 batimentos cardíacos. Sequer o condutor tinha tempo para observar a carga hormonal que o corcel herdava sem pedir. Senhorio e escravo alinhavam-se em busca da vitória que traria glórias ao primeiro e alívio ao outro. Cifras prodigiosas para os apostadores de trifetas, quadrifetas, exata e apostas de outros mercados.

Nessa história de sucesso, tendo tomado ciência de que sequer seria necessário tira-teima, pois a eficácia de seu puro-sangue inglês minara a disputa cabeça a cabeça ao atravessar a linha de chegada, a alegria tomara conta do homenzinho em cima do cavalo. Um amor enorme por seu puro-sangue lhe embriagou. No ponto onde foi possível ele freou seu campeão. Desceu da sela e abraçou agradecio o bicho pelo pescoço, colando cabeça de um na testa do outro.

As mesmas mãos que até pouco tempo açoitavam o animal, a ponto de lhe arrancar gotas de sangue no flanco, agora afagavam, acariciavam desprovidas do chicote. Emanavam ambos uma energia intensa e contagiante, que o cavalo só queria saber de absorver e o humano de doar o quanto fosse possível. Os animais reconhecem as energias que os humanos emanam muito mais do que seus atos. E o que trás alívio e prazer eles não dispensam. É a única forma funcional do perdão, o perdão natural.

Pena que essa devoção e gratidão não durará muito. O destino de um será gastar milhões em dinheiro durante os tempos de glória e o do outro servir ao espetáculo do turfe somente enquanto fosse útil. Não mais servil, incapaz de proporcionar milhões ao seu proprietário, se este não se prostrar tão insensível ao ponto de dar o destino do sacrifício em um matadouro ao seu potro, este poderá puxar carroça para algum transportador anacrônico ou esperará em algum estábulo-orfanato por alguém que lhe queira como companhia pelos dias restantes de sua vida. Quaisquer desses tutores lhe dará certamente muito mais amor.

Jamais se aproxime de uma cabra pela frente, de um cavalo por trás ou de um idiota por qualquer dos lados.”
(Provérbio Judeu)

Reflexões como esta você encontra entre as crônicas do livro “Todo o mundo quer me amar“. Adquira!

Pronto para morrer: I have found what i looking for

palidopontoazul

Eu descobri que a vida não passa de ser a atenção que damos a um ponto. Do foco que mantemos a uma cena e os elementos dela com os quais interagimos.

O que está na cena que focamos, participando dela junto conosco, se comporta como partículas para nós. O que estiver fora dela, incluindo o que está às nossas costas, se comporta como energia pura. Ou seja, podemos até vê-los, mas, não têm qualquer significado pra gente, a não ser que entrem no nosso palco e passem a participar da peça.

Eu consigo me por no espaço sideral, a milhões de anos luz de distância, e desse ponto quando olho para a Terra eu a tenho que procurar em meio a nebulosas de pó. Se eu conseguir identificá-la, por certo eu só sei que algo acontece dentro do grão de areia que ela me parecerá porque um dia eu já estive dentro dele.

Se eu decidir, de lá de onde eu estiver, avançar até meu planeta natal, à medida que me aproximo dele é que as coisas ganham importância. Vão sendo definidas, ganham limites e individualizam-se. De forma que em determinado momento o close será tão fechado que eu passarei a pensar que eu não saí de onde eu estava e que a Terra pode ser um dos pontos repletos de microorganismos que eu estarei a enxergar.

E olhe isto: Se eu olhar para a minha mão e puder penetrá-la com a minha visão, eu estarei fazendo essa mesma viagem em direção ao infinito novamente. Se eu conseguir atingir o plano em que se encontram os átomos, mais além até, então, eu estarei a ver a energia pura. Nada mais haverá para ver ou o sentido da visão não será mais capaz de observar o que vem depois.

E se eu estiver ainda a milhões de anos-luz de distância da Terra, e fitar a minha mão com a mesma intensidade ocular, eu terei a mesma experiência que teria se eu estivesse dentro da Terra fazendo a mesma coisa. Eu teria levado comigo aquele universo que pertence à minha mão. E o fim dele é sempre, provavelmente, o inicio ou o retorno ao universo em que materialmente minha mão estiver inserido. O qual está inserido no todo de pura energia que vagueia formando coisas versáteis, das quais somos uma delas, desde a origem de tudo, desde o Big Bang, que de repente também é continuo e continua a explodir.

Então, o que estou fazendo comigo levando a vida que levo? Insatisfeito com ter que trabalhar todos os dias, o dia todo; com algo que eu não gosto de fazer; gastando com a minha locomoção até o local de trabalho o tempo que eu gostaria de gastar escrevendo, por exemplo. Tendo sonhos que só são adiados e que eu não sei se antes de morrer eu terei os realizado.

E se realizados, qual o impacto que isso vai ter sobre mim em vida, que não um instante de alegria seguido de tédio e vontade de realizar outra coisa? Será que depois de morrer vou levar essa alegria comigo? Poderei usá-la? Vou saber ou querer fazer isso?

Não serão estas, coisas orgânicas, típicas da vida biológica ou da vida que levamos na Terra? Ou seja: vai servir para outros lugares onde provavelmente eu não serei um ente material e sim espiritual, já que terei desencarnado e viverei como espírito? Como pura energia. Será que só um corpo físico contendo um cérebro humano pode captar essas sensações? Teriam os espíritos outros canais de receber os impulsos desse evento e a ocasião gere sensações bem diferentes do que experimentamos materialmente?

Seria o máximo que essa vida poderia me legar estando eu num estado espiritual: recordações de momentos alegres. A alegria é uma sensação. É abstrata. E as coisas abstratas são etéreas, espirituais. Pode ser que vá ter algum valor pelo lado de lá.

Então, se sou um nada para um observador distante enquanto vivo uma vida insípida aqui nesta existência; e se após partir desta eu serei algo maior e levado para qualquer lugar do cosmos, talvez do cosmos de outro plano, onde haja outras dimensões e sentidos; e se só as alegrias que eu vier a experimentar por aqui é que pode ser que irão ter algum significado para mim. Por que perco tempo suportando essa vida de insatisfação e agonia?

Eu estou pronto para morrer, pois, encontrei a resposta do que eu procurava. Entretanto, morrer só vai ser fácil se advir-me naturalmente. Logo, até que isso me venha, que eu abandone a minha insegurança e a minha covardia e dê um basta nos limites a que estou preso. Ainda que isso signifique que eu vá virar um desagregado da sociedade, um vagabundo, um mendigo, um ermitão, um monge. Qualquer coisa que me faça sentir liberdade. Que me faça viver sem horários para cumprir ou contas para pagar ou satisfações para dar.

O despertar da mediunidade é a saída para a crise social mundial

A humanidade passa por uma mudança grave no campo psicológico. Muitas pessoas perderam as esperanças de levar a vida mantendo-se agregado à forma de sociedade em que vivemos. O ideal de viver uma fase de preparação para um futuro de pessoa bem sucedida, do ponto de vista cultural e econômico, e outra a por em prática essa preparação, não atende mais a boa parte das pessoas.

image

Enxerga-se muita frivolidade na forma que temos ao nosso dispor para se ocupar o tempo e para se gastar o dinheiro conseguido com o sucesso almejado. Constata-se que é preciso algo mais para se satisfazer plenamente.

Chamar atenção para alguma obra sua é uma busca daqueles que estão insatisfeitos. Mas não uma obra inútil, que se possa pagar pela produção, pela aquisição por parte dos outros e pela popularidade que massageia o ego. Tem que ser algo proveitoso, que sirva para evoluir a humanidade, mesmo após a partida, de quem fez a colaboração, para a próxima existência.

Para saciar essa busca, encontrar a ideia e todas as condições necessárias para se cumprir a tarefa, abrir mão do modelo social que levamos é imperativo. A primeira instituição a ser levada em conta o abandono é o trabalho, pois nos toma tempo demais e nos desgasta com as particularidades da função e com a ansiedade de ver chegar logo o tempo livre para se fazer o que realmente se tem interesse de fazer.

Em seguida vem o consumo e as atividades culturais e de lazer. Somente livres dessas amarras do sistema é que quem busca essa paz interior consegue se saciar e gozar plenamente da existência.

Porém, como conciliar essa vontade, essa necessidade, com a realidade? Podemos dar de mão do entretenimento que temos ou mesmo de alguns compromissos supérfluos que mantemos na nossa rotina, mas não podemos simplesmente deixar o emprego e contar com que tudo que nos é crucial para continuarmos existindo vá ser de alguma forma satisfeito sem depender dos outros.

Até mesmo para proporcionar o cumprimento dos nossos objetivos vamos precisar de dinheiro. E o dinheiro se obtém, para estar livre de qualquer restrição da liberdade e do orgulho, por meio de trabalho. Os mentores do modelo social moderno, pelo menos o ocidental, trataram de cercar-nos quanto à satisfação desse desejo quando ele aparecesse em massa como é visível agora.

A solução imediata é buscar desenvolver a mediunidade. Naturalmente, todas as respostas vêm ao nosso encontro ao se estar com a mediunidade despertada. Até mesmo o ato de tolerar as horas presas dentro de um posto de trabalho, às vezes a fazer o que não gosta, há de encontrar conforto.

Pense nessa reflexão e procure saber se você se encaixa nela. Abaixo deixo link para dois vídeos que tratam do assunto.

Se você se identifica com o que é discutido neste texto, saiba que você não está sozinho e que é até comum demais essa sensação de busca pela liberdade. Procure estar em ambientes onde pessoas como você se encontram. Pois uma pode ajudar a outra com insumos e com informação e juntas alcançar a tão sonhada libertação do materialismo.

O fato de você ter chegado até aqui e de ter concluído a leitura deste texto representa estar em um desses ambientes, a fazer alguma coisa pela satisfação da sua busca e a encontrar alguém como você, que quer ajudar e obter ajuda. Caso deseje, estou à espera de receber a sua comunicação

12 características de um sensitivo.
https://www.youtube.com/#/watch?v=NxRM8j777fY

Sinais do despertar da mediunidade:
https://www.youtube.com/#/watch?v=bEy6485MCWY