Fundando uma religião – Pt. 1

Me agradou demais o último texto que publiquei. Resolvi, então, ir mais a fundo e criar uma doutrina inteira do que pode vir a ser uma religião. Na verdade um estilo de vida, mas, você se dignaria a clicar no título para ver a postagem se ele fosse “fundando um estilo de vida” nesses tempos em que estamos coletivamente à beira da morte?

Bem, se vivermos despreocupados com a morte vamos aproveitar mais a vida. Certo? Ninguém sofre por causa do que ignora, sofre por causa do que considera.

Eu gosto muito, inclusive, de citar aquela frase do Steve Jobs: “A morte é a maior invenção da vida“. Ele quis dizer com ela que se encararmos a vida como um jogo – de videogame como era a praia do Jobs – teremos os elementos prêmio, castigo e fases. Cada fase que passarmos receberemos um prêmio e as que não superarmos: o castigo, o que encerra o jogo.

O castigo da vida é a morte. E todos sabemos que se recebermos este castigo por fracassar em uma fase não teremos oportunidade de jogar de novo. É raro quem o tenha. Menciono os que chegam a ficar dias em coma e voltam.

Daí você percebe que Jobs foi bastante observador e teceu muito bem sua definição para a morte a chamando de uma grande invenção. Podemos dizer que a morte nos motiva a viver. Prorrogar o surgimento dela é o objetivo de cada fase da vida que atravessamos.

Nos obrigaremos, inexoravelmente, a priorizar a qualidade de vida, a fim de sairmos vitoriosos. Buscaremos aprender bastante desde cedo; estar preparado para o desafio de ir longe na jornada; ter porte atlético e saúde inabalável; alimentar adequadamente; portar todas as informações que necessitaremos no caminho, sendo capazes de absorver as que forem se acumulando; cuidaremos do próximo pois ele poderá ser útil ao nosso sucesso e nós ao dele.

Não teremos tempo para mesquinharias, preconceitos, brigas e desafetos, uso de drogas e outros vicios. Planejaremos cada dia, reduzindo o máximo as imprevisões. Minimizaremos os riscos de acidentes, já que a meta é se manter vivo e íntegro. Evitaremos comportamentos que conflitam com o alcance do objetivo.

Quanto mais fases passarmos, mais vitoriosos seremos. Desfilaremos no ranking dos grandes campeões. Em igualdade de condições com qualquer outro jogador. Um magnata que conseguiu chegar aos 80 anos de idade e morreu trilionário, com relação ao objetivo de superar o máximo de fases ele não teria sido melhor do que quem chegou no mesmo topo e morreu paupérrimo. Até nisso a morte nos nivela. E diz pra você: “não é o dinheiro o que importa ou o que vai te deixar mais motivado a viver muito”.

O dinheiro melhora o estar vivo, não dá para negar. Facilita a complementação de tarefas e os cuidados para se manter vivo. Mas, isso só é perceptível por quem o tem.

Quem não o tem vive como pode e se chegar à alta idade é porque as cifras não foram relevantes, puderam ser substituídas por outras de igual valor, que às vezes nem nos damos conta dessa substituição.

Bom, dividi a postagem em partes exatamente para que os textos não fiquem longos e incompreensíveis na íntegra devido ao cansaço que a leitura em meio eletrônico costumar causar. Nesta primeira parte fiz só um esmiuçamento do que foi discorrido na postagem que a originou.

No próximo texto serão abordadas as principais questões que devem ser destituídas quando o assunto é viver sem o assombro da morte. Questões espíritas, como “vida após a morte” e “vidas passadas”, e de outras religiões. Questões filosóficas, políticas e científicas. Questões geológicas, como “mudanças climáticas” e “inversão dos polos magnéticos da Terra”. Questões pertinentes da Física Quântica e do Ocultismo.

Tudo isso será abordado para o fim de introduzir-se o estilo ideal de vida para esses tempos em que estamos perto do fim do mundo.

Como eliminar 7,5 bilhões de pessoas sem uso de guerra: Armas climáticas

Deus disse a Noé: “Da­rei fim a todos os seres humanos, por­que a terra encheu-se de violên­cia por causa deles. Eu os destruirei com a terra.” (Gênesis 6:13)

Eis que vou trazer águas sobre a terra, o Dilúvio, para destruir debaixo do céu toda criatura que tem fôlego de vida. Tudo o que há na terra perecerá.” (Gênesis 6:17)

Com essas palavras, Deus inaugurou o uso de armas climáticas contra a humanidade.

diluvio

FONTE DA IMAGEM: https://www.cristaoraiz.com/diluvio/

Armas climáticas não seria o tema para a segunda postagem dentro da série “Como eliminar 7,5 bilhões de pessoas sem uso de guerras”, porém, o advento da tragédia climática que assolou a cidade de Belo Horizonte e região metropolitana nessa última semana que passou fez adiantar o assunto.

Eu perdoaria facilmente a quem desistisse de ler esta postagem após esta introdução se eu sugerisse que o link com essa tragédia se deve ao fato de que o que aconteceu ou acontece na grande capital mineira se trata de ataque climático sem um inimigo aparente. Que besteira eu estaria sugerindo! Mas, pra te segurar mais um pouco, vou logo desfazendo o possível engano.

É nítido que estamos vivendo atualmente em âmbito mundial verdadeiras catastrofes envolvendo o clima devido a mandos, desmandos e desmazelos para com a natureza que praticam os senhores do Poder em nome de seus interesses. Haja vista os desmatamentos e queimadas ocorridos na região amazônica, a mancha de óleo que tomou conta do litoral nordestino do Brasil e por que não dizer a iminência de guerra nuclear entre Estados Unidos e Irã. Veja no Gizmodo que esses acontecimentos e probabilidades de acontecimentos fizeram os cientistas setarem o Relógio do Juízo Final: https://gizmodo.uol.com.br/relogio-juizo-final-2020/.

E como eu acredito na teoria do Efeito Borboleta, que diz que “o bater de asas de uma borboleta na América do Sul pode provocar um terremoto no Japão”, provoco: Por que não estariam os mineiros a sofrerem também as consequências oriundas dessas brigas entre estadistas e medidas ambientais sem nexo?

A tragédia de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte, ocorrida há um ano, também teve raiz ambiental. E envolve homens do Poder Global, que sempre estiveram por trás da mineração e de outras atividades que exploram o planeta, a fim de lucrarem cada vez mais.

Estes sempre fingiram preocupar com o meio-ambiente e tomar precauções contra os danos que suas atividades causam. Sempre se esquivaram de suas responsabilidades tanto em dias normais quanto no advento de alguma catástrofe.

E sempre receberam panos quentes de entidades governamentais, para as quais seriam revertidos financiamentos para que os exploradores do solo operem sem serem incomodados.

Vídeo da postagem. Contém informações adicionais e ilustrações das citações.

A mineração é uma atividade que está com os dias contados. O Capitalismo cada vez menos depende de minério de ferro para ser convertertido em produtos altamente vendáveis. Tão simplesmente porque o plástico e a resina de acrílico, por exemplo, produtos que derivam do petróleo, deram lugar à maioria deles (http://www.petrobras.com.br/fatos-e-dados/conheca-os-derivados-do-petroleo-que-fazem-parte-do-cotidiano.htm ) e (https://edukatu.org.br/cats/4/posts/84/full).

As mineradoras se veem com a necessidade de mudar de ramo. Usariam talvez o espaço das minas, quem sabe, pra ocupar outros tipos de equipamentos e categoria de operadores.

De repente, viria bem a calhar um avassalador desastre ambiental para criar o álibi perfeito, que inutilizaria a região para a atividade original e a deixaria apropriada para receber empreendimentos de outras áreas.

E ainda de quebra ceifaria vidas que incondicionalmente receberiam indenizações trabalhistas vultosas por tornarem-se os trabalhadores – como os mineiros – impróprios para a nova atividade. Indenizações cujo saldo a pagar seria de valor maior se comparado ao que a mineradora pagaria por cabeça às vítimas da tragédia para recompor sua identidade moral – como se isso fosse preciso ou de seu real interesse – junto à sociedade e ficar livre para explorar o novo negócio.

É claro que só essas especulações não enquadrariam como ação engendrada por alguém ou um grupo as chuvas violentas que inundaram a Grande Belo Horizonte ou o rompimento da barragem de Brumadinho. E, ainda, o senso comum culpou a má educação da população belohorizontina, que polui rios, joga lixo no chão e tapa escoedores de água, pelo menos do ocasionamento das chuvas na RMBH.

Mas, isso é tática de controle de massa demonstrada por Noam Chomski: “Faça a população se sentir culpada de um grande acontecimento lhe prejudicial, o qual é necessário que aconteça”.

Vamos ver isso quando terminarmos esta série de postagens e iniciarmos outra que falará sobre Engenharia Social. Fique tranquilo, belorizontino lambão, a culpa não é sua! Não deixe que os verdadeiros responsáveis, o progressista, o imperialista e seus representantes, os administradores públicos, se esquivem dela a pondo totalmente em você!

Arma climática é tipificada pelo uso do clima para afetar uma economia ou para ocasionar mortandade. Esse uso tem que ser totalmente oriundo da vontade humana, geralmente de grupos poderosos de humanos.

A história dessas armas passa pelo desejo do homem de controlar o clima, de ser capaz de operar nele. E o progresso nesse campo começou para o Homem quando ele descobriu o fogo e percebeu que com ele era possível aquecer o interior das cavernas ou outro local onde um grupo social se prostrasse para o fim de ficar quieto.

Mais tarde veio a percepção de que as árvores arrancadas de um alameda, dando origem a extensos vazios de terra, faziam aumentar o calor. Hoje se sabe, inclusive, que por não encontrar amortecedores como as árvores são originadas ventanias nessas áreas (http://www.observatoriodoclima.eco.br/tempestades-de-vento-intensificam-degradacao-de-floresta/ ).

Os ventos são formados por diferenças de pressão e de temperatura ocorridas em áreas distintas e ou em horários distintos em determinadas áreas  (http://noticias.terra.com.br/educacao/vocesabia/interna/0,,OI3335152-EI8408,00.html ).

As chuvas são formadas pela evaporação da água após aquecimento natural ou artificial. Logo que o vapor de água se mistura com o ar ele condensa, carregando núvens, que quando encontram massa de ar frio ele volta a se liquifazer (https://www.suapesquisa.com/geografia/chuva.htm ).

Choques entre placas tectônicas geram os sismos ou terremotos. Onde há terremotos pode haver vulcões, pois, o magma despejado por um vulcão nada mais é do que as rochas em temperaturas superiores ao ponto de fusão (https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/agentes-endogenos-relevo.htm).

Os abalos sísmicos, de acordo com a intensidade e com a localidade onde se dão podem gerar os maremotos e as tsunamis. Se jogarmos de certa altura um tijolo dentro de uma bacia cheia d’água podemos ver como isso ocorre.

Uma vez compreendido esses fenômenos físicos, o Homem começou a perder o medo do demônio (ou, conforme o significado original em grego: forças da natureza) e o mundo para ele deixou de ser místico e passou a ser bem profano, operável e previsíveis os acontecimentos. Deu-se a libertação de alguns da religião.

Daí vieram métodos como o “semeadura de chuva” – bombardeamento de núvens com iodeto de prata, o mais comum, para resolver problemas de áreas sem chuva – iniciado pelos chineses.

Efeito estufa é um processo físico que ocorre quando uma parte da radiação infravermelha (percebida como calor) é emitida pela superfície terrestre e absorvida por determinados gases presentes na atmosfera, os chamados gases do efeito estufa ou gases estufa.

Atividades humanas como a queima de combustíveis fósseis, o emprego de certos fertilizantes, o desmatamento e o grande desperdício contemporâneo de alimentos, que têm entre seus resultados a elevação nos níveis atmosféricos de gases estufa, vêm intensificando de maneira importante o efeito estufa e desestabilizando o equilíbrio energético no planeta, produzindo um fenômeno conhecido como aquecimento global (https://pt.wikipedia.org/wiki/Efeito_estufa ).

A radiação emitida pelos muitos aparelhos eletrônicos que as pessoas usam em seu dia a dia também tem sua parte no aquecimento global. Se alguém tem dúvida de que as ondas de radiofrequência ou as elétricas propagam calor pode fazer o teste por si próprio colocando a palma da mão aberta em frente à emissão de um aparelho eletrônico qualquer.

Daí é só calcular a quantidade de pessoas por hora a fazer dessas emissões para se chegar à percepção de que nossos celulares e outros equipamentos podem estar contribuindo com a depredação da natureza e com o descontrole do clima. Não é só o lixo que acumulamos nos bueiros, como querem acreditar pra não atrapalhar o andamento do capitalismo com nossos hábitos arruinadores do meio-ambiente mantidos intactos.

A programação mental que sofremos, a qual nos convence de que não podemos ficar sem esses hábitos, cuidará de nos eliminar primeiramente a psique de modo bem suave e prazeroso. Depois pagamos com o corpo debilitado, incapaz de suportar nossa hiperatividade.

Por essas informações se conclui que está totalmente a mercê do ser humano alterar o clima do planeta onde e quando bem lhe convier. Basta-lhe haver um motivo e uma tática para convencer pessoas a colaborar com a intervenção. E é a partir desse conceito que provavelmente entidades no planeta cogitaram usar o clima como arma.

Armas climáticas são o ideal para se fazer estragos sem que o culpado seja outro que não a própria natureza. Além de ser mais econômico os ataques, pois, evitam envolvimento de soldados até campos de batalha e o custo de seus respectivos treinamentos, abastecimento, armamento, deslocamentos e veíulos, soldos e indenizações financeiras.

A União Soviética teria largado na frente, mais uma vez, nessa investida. Aproveitando a tecnologia desenvolvida na China, criar chuvas artificiais já lhe era peculiar. E por meio de uma enorme antena instalada na Rússia – o Duga Radar – enviava sinais de radiofrequência em direção aos Estados Unidos.

Primeiro suspeitou-se que o objetivo desses sinais era detectar misseis em trânsito indo para a União Soviética. Em certo episódio, as transmissões de rádio e televisão americanas receberam interferência simultânea, o que teria feito o governo dos Estados Unidos identificar o aparato russo. Logo, suspeitaram também que a arma provocava ventos fortes e poderia ter ocasionado uma seca na California, que abalou bastante a economia local e eliminou pessoas.

A devastação legada à Cuba com a passagem do Flora em 1963 sofreu acusações de ter sido ministrada pelos Estados Unidos, que teriam de alguma forma desviado o furacão naqueles idos de plena Crise dos Mísseis, quando Cuba servia de laranja para os soviéticos emprestando sua baía como lança-mísseis. Tal qual estaria hoje o governo brasileiro fazendo com a Base de Alcântara em reverência a Donald Trump. Era a represália conseguida através de espionagem talvez.

Os mesmos Estados Unidos estariam por trás das tempestades ocorridas nas florestas vietnamitas, que teriam provocado enchentes que inundaram não só vietcongs e gerado no país grave surto de doenças como a malária. Era a operação intitulada Popeye (http://www.rusmea.com/2013/06/operacao-popeye-uma-insolita-estrategia.html).

O misterioso projeto HAARP, uma coleção de antenas situadas no Alaska, possessão dos Estados Unidos, criado a partir de 1992 no círculo militar sob alegação de se tratar de um programa de investigação científica da aurora, seria uma arma contra a humanidade que operaria com geoengenharia.

Emitiria coordenadamente sinais eletromagnéticos na atmosfera e teria originado a tsunami na Ásia em 2004 e o terremoto no Haiti em 2010. O motivo seria nos dois casos eliminar pessoas tão somente.

A tecnologia – inchando um pouco mais o conspiracionismo desta postagem – poderia ter sido empregada para provocar o rompimento da barragem em Brumadinho, o temporal em Belo Horizonte e quem sabe até mesmo os danos em Mariana, todas cidades brasileiras do estado de Minas Gerais. Queremos entrar nessa história, uai!

Às vezes, de tão inacreditável a verdade deixa de ser conhecida” (Heráclito)

O que dificulta a descrença nos teóricos conspiracionistas é o fato de somente personalidades mundiais facilmente ligáveis aos grandes estadistas e empreendedores do mundo, incluindo cientistas renomados, todos financiados por essa gente, aparecerem para ridicularizar contra as ideias que os conspiracionistas propagam.

Fazer uma pessoa se sentir ridícula por acreditar em uma ideia rechaçada por pessoas conhecidas do mundo todo e com grande credibilidade é boa tática para desencorajar adesões à ideia”. Mais uma vez Noam Chomsky nos blinda revelando as táticas de socioengenharia e assassinato de reputações usadas pelos conspiradores.

As chemtrails – rastros químicos – até que é fácil desmantelar as interpretações fantasiosas sobre a operação. Não espalhariam no céu os conspiradores substâncias para intoxicar a população ou causar nela efeitos nocivos a longo prazo sem a garantia de que “Eles” e gente “Deles” estariam imunes.

Para acreditar que talvez estivessem, teríamos que dar crédito à outras TCs, como as que pregam serem os componentes dessa elite seres eugênicos (de genética modificada) ou, ainda mais absurdo, de outro planeta e por isso invulneráveis. Tem até a temática que propaga que esses indivíduos seriam transmorfos (shapeshift), de uma raça alienígena chamada reptiliana.

O HAARP teria o poder de criar terremotos, maremotos, tempestades, secas, descongelamentos, furacões em qualquer parte do mundo. Entretanto, furacões e outros fenômenos atmosféricos danosos andaram assolando os Estados Unidos nos últimos anos. O mais devastador foi o furacão Katryna, que matou 1800 pessoas em 2005 e fez o governo gastar milhões de dolares com reconstrução. A TV Record fez excelente reportagem sobre o tema: https://www.youtube.com/watch?v=aTki6R17b4A .

Se a teoria que ronda o uso de armas climáticas estiver certa, quem está por trás dessa incursão não seriam governos. Do contrário estariam se jogando contra a própria população. Mas, sim, uma conspiração interessada em eliminar pessoas do planeta.

Hugo Chavez em 2010 teria pago com a vida o preço de denunciar essa gente por acusar os Estados Unidos de estarem por trás do terremoto que destruiu o Haiti.

Gente com dinheiro suficiente para se valer de pesquisas, produções de equipamentos e efetuação de testes para verificar a efetividade do plano. Gente sem pudores dos tipos que a maior parte da humanidade conserva e por causa deles se põe reverente aos poderosos do planeta.

Sendo a principal dessas fragilidades a conservação dos valores cristãos. Valores que certamente foram implementados na psique dos cristãos pelos próprios membros dessa conspiração. Não esperar que o ser humano seja tão cruel e valorizar em demasia o perdão são os maiores erros desse tipo de índole preparada com a ajuda do principal braço de operação dessa cúpula: as igrejas.

A poluição causada por humanos é a maior das armas climáticas. E a indústrialização da sociedade é o seu provedor. Combater as agressões que partem do clima significa dar de mão do “American way of life”, o jeito fútil e estupido de viver do americano.

Leia o livro “Os meninos da Rua Albatroz”, onde se encontra a maioria dessas informações. E nunca perca as nossas postagens!

 

Carne cara para que viremos veganos e salvemos o mundo?

SERÁ QUE JAIR BOLSONARO LEU ESSE LIVRO?

capa-meninos

Quem quiser entender o Governo Bolsonaro e antecipar passos é só ler o livro “Os meninos da Rua Albatroz“. A pista da vez que faz imaginar que Bolsonaro tenha lido esse livro é o aumento exorbitante do valor da carne. Todo mundo está reclamando da iniciativa econômica. Até quem votou no Jair. Mas, isso está totalmente coerente com o que vêm mostrando sobre suas acepções do mundo o presidente e seu ministério.

Ao montar seu ministério, Jair Bolsonaro colocou um blogueiro, Ricardo Sales, para ministrar o meio-ambiente. Ricardo é muito dado à teorias vagas como as conspiratórias. Ele não acredita no Aquecimento Global e quer transformar a Amazônia em uma grande fazenda, a fim de satisfazer os problemas de alimentação e de emprego do brasileiro.

Essas queimadas sem dono que apareceram na região nos últimos meses merecem atenção no sentido de servirem ao propósito de desmatar sem herdar suspeita de se tratar de viabilização de projeto. E o destaque que o veganismo anda ganhando na mídia junto com o incentivo de proibição de esportes com animais, como a Vaquejada e os rodeios, completam.

E de repente, até aquela do secretário de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Júnior,  dizer que “O peixe é um bicho inteligente. Quando ele vê uma mancha de óleo ali, capitão, ele foge, ele tem medo. Então, obviamente, você pode consumir o seu peixinho sem problema nenhum. Lagosta, camarão, tudo perfeitamente sano” possa ser interpretado como mensagem subliminar não só a favor do “desculpamento” da inércia do Governo quanto ao episódio das manchas de petróleo que atingiram o litoral brasileiro.

E não é por dózinha de animais que querem acabar com a judiação dos vaqueiros não: Reduzir a população de animais no planeta é uma necessidade apontada até pela comunidade científica séria. E é com a expectativa de que no Brasil se coma menos carne para que haja menos destinação de espaço para gados bovinos e suínos no país, bem como destinação de alimentos para esses animais, que a ingestão de carne é dificultada através da veia econômica às classes populares. Só os mais ricos comendo não tem perigo. A gente tá acostumado a pagar o pato, não é mesmo? Sem trocadilhos!

Não se ouve falar muito em pecuaristas nas manchetes que envolvem o Governo. Ouve-se? Não é à toa que a bancada ruralista com seu agronegócio é o xodó de Bolsonaro. As áreas desocupadas pelo pastoreio se converterão em lavouras e a produção de grãos aumentará potencialmente.

A humanidade capitalista, sobretudo a brasileira, acostumada ao fútil que a vida carnívora oferece, que sempre fez bem ao capitalismo, terá que mudar seus hábitos alimentares para viver satisfatoriamente esses tempos de governos focados em teorias conspiracionistas. E todas essas teorias e informações estão reunidas no livro mencionado.

Mas, deixemos agora de divagação porque a Globo deu outra versão para o fato de ter encarecido tanto a carne. E como todos sabemos, a verdade está lá fora… quero dizer: com a Globo. E depois, os Marinho são grandes pecuaristas, conforme disse o saudoso PHA, eles devem saber sobre o que ronda seus negócios que aparecem no Globo Rural e no Globo Ecologia.

E um veículo de comunicação da organização informou que o preço da carne explodiu devido ao acordo feito com os chineses envolvendo exportação de carne. O Governo espera com isso melhorar a economia do país e a saúde dos empreendimentos.

Só se for a dos grandes frigoríficos, né, como a JBS. Sim, a JBS, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, que entre outras marcas detém a Friboi. Cujos donos, os irmãos Joesley e Wesley Batista, foram alvos das denúncias da Operação Lava-Jato. Operação que formou antipetistas e ajudou a eleger o atual presidente do Brasil e de quebra deu cargo de ministro da justiça ao principal relator. Entendeu a jogadinha?

Os açougues, estes serão massacrados, pois, para quem eles irão vender carne, em quantidade rentável, com o preço exorbitante que anda sendo praticado? Vão ter os comerciantes, assim como nós seus ex-clientes, virar veganos e entrar em ramo mais promissor, se não quiserem ir conosco para a Amazônia trabalhar na lavoura.

Ou seja, não é para salvar o planeta que vamos todos virar veganos, é para pôr comida na boca de comunistas. Esse nosso presidente anti-comunista é muito suspeito, não acham?

Desprivatização, a melhor forma de acabar com o Comunismo

Rent-a-Car

IMAGEM: Internet

Sugerido na coluna da direita do site ao assistir um viral, vi no Youtube a entrevista do Pedro Bial com o guru de Jair Bolsonaro, Olavo de Carvalho. O viral é aquele em que o reivindicante à alcunha de filósofo mete o pau, categoricamente, prestando um grande serviço à Esquerda brasileira, nos militares ao redor de seu pupilo presidente.

Aliás, a nova polêmica envolvendo o Governo Bolsonaro, essa de atacar a disciplina Filosofia nas escolas, só pode ser represália exigida pelo círco militar contra os ataques do astrólogo, filósofo e, pasmem, educador.

Em meio a uma chuva de informações duvidosas prestadas pelo entrevistado, combates à esquerda brasileira que conquistam cada vez mais o apoiador do sistema político conservador e mentiras deslavadas, sem admitir ser próprio da direita o discurso de ódio, Olavo dispara-se contra o Comunismo.

Inclusive, como se Carlos Bolsonaro só destinasse sua ira aos comunistas, nunca a outros desfavorecidos da sociedade, Olavo dá razão ao filho do presidente, dizendo que todo ódio propagado contra os comunistas é tolerável.

Eu perguntei pra mim mesmo: “qual a razão de o Comunismo incomodar tanto esse cara”. No caso, o Olavo. O Carlos provavelmente não sabe direito o que é isso e o critica porque é discípulo do educador impostor.

Não é um sistema falido? Não se mostrou incompetente, economicamente falando? A base de todas as preocupações no Ocidente não é a Economia? Onde assustava a implantação do regime já não deram de mão? Sendo que no caso da China a mudança de modelo econômico não foi muito boa para o Ocidente.

O Olavo vive nos Estados Unidos. Será que ele não sabe que de lá vem uma corrente de idealistas de regimes sociais que pregam a favor do Capital, mas que são contra a propriedade privada?

Os caras instruem a acumular dinheiro em contas bancárias; a formar capital financeiro em vez de patrimônio físico. Cuidar cada membro da sociedade de se tornar sucesso em alguma profissão e faturar trabalhando para alguma empresa ou senão tornar-se um grande empreendedor, dono de um meganegócio.

Eles pregam a favor do aluguel em detrimento à aquisição de imóveis. Os locadores – recebedores dos aluguéis – também não seriam proprietários de imóveis ao pé da letra, pois, o seu imóvel é o seu produto, dependeriam dele para ganhar seu dinheiro, portanto, não poderiam fazer com ele o que bem quiserem, como manda o Capitalismo tradicional.

Em vez de passar a vida a se preocupar com a segurança e o desfrute de seu patrimônio, o profissional de sucesso desse modelo viveria a viajar para outros lugares, fazendo turismo, curtindo a vida, abastecendo de dinheiro, com o seu consumo, outras praças. Voltando à vida de trabalhador sempre que a bufunfa se tornar escassa e a boa vida ter que dar um tempo. Se tornar!

Em sua edícula praticamente ele só apareceria para repousar. Vai ter lá os móveis e eletrodomésticos. Talvez possam ser de propriedade sua, isto seria indiferente. Coisas altamente rotativas pelo desprezo ao cárcere, o que faria bem para o Capitalismo estarem sempre a serem compradas. Nem seria preciso praticar o obsoletismo planejado nos produtos.

Outra contradição ao Capitalismo atual que esses caras sugerem se relaciona ao culto ao automóvel. Pra quê ter um carro? Precisar de garagem, dar manutenção, pagar IPVA. Precisa de um para ir a algum lugar ou para curtir um barato? Alugue!

Vá de ônibus, taxi, Úber quando a grana estiver pouca, ou se não estiver afim de dirigir ou dirigir não se fizer necessário. Ganha com esse comportamento o sistema de transporte e um monte de gente. Ganha o meio-ambiente, a qualidade de vida nos centros urbanos.

As questões que envolvem o trabalhador estariam todas resolvidas. Os patrões – donos dos bens de produção e dos duráveis de consumo, como os alugáveis – teriam que agir pianinho com o trabalhador. Precisariam forní-lo de dinheiro para que o mercado que envolve seus negócios esteja estável e dando condições para estes obterem lucro e com isso ajudar o proprietário a quitar suas despesas e manter seu status quo.

Trabalhador insatisfeito pede conta. Sem a mesquinharia de preocupar com acerto e em ter o que pagar senão perde o patrimônio que conseguiu levantar com o seu suor. No dia seguinte já haverá porta aberta para ele operar novamente.

É capaz até do próprio explorador do imóvel lhe alugado, para salvar seu ganho mensal com aluguel, mexer os pauzinhos pro inquilino se empregar novamente. A última coisa que esse sistema vai querer saber é de desempregado debaixo de suas asas, desfalcando o consumo.

Ah, diga-se de passagem, o espaço para servidor público nesse sistema é bastante pequeno. O mesmo para empresas estatais inexiste. A necessidade de políticos, o grande peso econômico no Brasil, é bastante reduzida. Há alguma dúvida quanto a aposentadoria capitalizada nesse sistema ser a opção mais indicada?

Projetos sociais, universidade pública, saúde e transporte público, vai tudo pro ralo. E com total condescendência do cidadão, tendo ele condições de pagar por tudo isso.

É tudo que o Brasil precisa pra se livrar da crise e da corrupção. E tudo que o atual governo precisa pra se livrar do esquerdismo que tanto o incomoda.

Afeta, inclusive, a Segurança. A insegurança ocorre com as pessoas mantendo-se presas à posses, tendo o que ser roubado ou invejado. Como escreveu John Lennon: “tendo o que matar ou morrer por”. Sendo elas diferentes socialmente com base em posses. Sendo incomuns em vez de comuns.

O advento e atual estágio de evolução do dinheiro eletrônico garante que as investidas de sujeitos hostis contra indivíduos funcionais tão somente para tomar deles dinheiro sejam inibidas.

Num sistema econômico desse tipo, que ameaça o Socialismo ou o Comunismo podem apresentar? Logo, o seo Olavo de Carvalho deveria ser mais claro com relação à sua inquietação quanto ao Comunismo.

O cara, eu acho, é inteligente demais pra achar que Comunismo é o mesmo que terrorismo. No que tange essa questão, o emprego desse capitalismo utópico descrito, por não haver o culto da propriedade privada o desmonta.

Falar que no pacote do comportamento comunista está o homossexualismo, a vitimização, invasão de terra improdutiva, privilegização de grupos, culto à droga, à bebedeira, à violência, ao ateísmo e à vagabundagem, ele bem sabe que  tudo isso é fruto da democracia e a massificação desses fatores são bandeiras de ativistas de linha ideológica não declarada, que usam as esquerdas para chegar ao poder e cuidarem de seus interesses.

E as esquerdas os representam porque formam com isso currais eleitorais e por sua vez obtêm cargos políticos de boa monta. E com eles vão também cuidar de seus interesses.

Mas, não é isso que é Comunismo. E nem são esses: comunistas. São um monte de babacas, que em nada diferem dos babacas conservadores, que fazem com que o verdadeiro comunista se sinta no dever de procurar outra ideologia. Talvez até essa desses idealistas discutidos aqui.

O petróleo pode até não ser nosso, mas a água é

direitoaagua

IMAGEM: Esquerda.net. Clique para conhecer esta campanha: link!

Na semana que passou, nós brasileiros e terráqueos fomos assustados com duas notícias veiculadas por esses sites sensacionalistas que gostaríamos de nos consolar acreditando estarem noticiando a mais pura mentira, mas que infelizmente o que eles noticiam tem sempre um fundo de verdade.

A primeira dizia que enquanto os noticiários davam conta, exaustivamente, da eleição histórica à presidência dos Estados Unidos e o brasileiro espontaneamente se cegava com o histórico Brasil X Argentina jogado no Mineirão, no Congresso Nacional os vendilhões políticos brasileiros, vulgo deputados sem escrúpulos, votavam a entrega do Pré-Sal para os gringos. O grande sonho dos norte-americanos de nos tomar a Petrobrás e o petróleo está prestes a ser concluído.

A segunda fala sobre a água não só do Brasil, mas do mundo. Conforme o site Pensador Anônimo, o atual presidente da Nestlé, o austríaco Peter Brabeck-Letmathe, teria declarado que a água não é um direito humano e que deveria ser privatizada, até para que seja preservada. Ele sustenta – reproduzindo um trecho da reportagem do site – que os governos devem garantir que cada pessoa disponha de 5 litros de água diária para beber e outros 25 litros para sua higiene pessoal, mas que o resto do consumo teria que ser gerido segundo critérios empresariais.

A Nestlé é conhecida por sua ganância e vontade de controlar o mundo, partindo do meio alimentício. Seu presidente se faz de preocupado com a situação da água no mundo só para angariar os frágeis ativistas ambientais de frente de TV ou de tela de notebook. Muito se sabe que seus produtos, além de não serem nutritivos, como promete a empresa, são nocivos à saúde. Servem de suporte à indústria médico-hospitalar-farmacêutica levando para ela doentes, principalmente diabéticos, cancerosos e portadores de Alzheimer. É claro que nada disso é divulgado como oficial para não estragar as permissões para veicular os venenos da empresa. Na verdade o que corre o risco de ser estragado é a aceitação do público.

Os donos da Nestlé fazem parte de uma das famílias que governam o planeta e que têm poder para tapar tudo, patentear tudo e fazer circular tudo, ainda que causador de problemas de saúde para o consumidor. É na declaração sobre a água que propaga esse pessoal que vamos confiar e dar aval para ele nos tornar dependentes da empresa dele, cujo faturamento tem 8% respondido pela água engarrafada e ele quer fazer aumentar isso?

Os produtos da Nestlé, mesmo os desidratados, levam água em suas constituições e nos processos de industrialização deles muita água é desperdiçada. Como um sujeito desses pode estar preocupado com o perdularismo que supostamente pratica o indivíduo comum por achar que tem direito a água e que ela é gratuíta?

Eu sei é que aqui no Brasil podem até privatizar a água, mas, diferentemente do petróleo, o povo vai anarquizar e não vai deixar barato. Será um festival de pessoas pondo a boca para cima para engolir o que cair da chuva enquanto enche tambores, cavando cisternas, enfiando e tirando latas nos rios. Vai ser até melhor porque aí se pega água pura, sem o veneno do flúor e do cloro que as companhias de saneamento injetam em seus mananciais e distribuem para nossas torneiras. É só ferver e por no filtro de barro a que for usar para beber e pronto: tá limpo!

Eu já faço parte desses procedimentos só pelo simples fato de boicotar a água fluoretada. Assim como boicoto, há muitos anos, os produtos da Nestlé. Se depender de mim, por falta de consumidor para seus produtos inúteis, esse tal presidente da companhia não vai conseguir o que quer. #ForaNestlé #BoicoteANestlé

O livro “Os meninos da Rua Albatroz” faz reflexão sobre a água fluoretada e duras críticas à Nestlé em alguns capítulos. Leia-o e aprenda a se defender de golpes como o informado nesta postagem.

O texto expressa a minha opinião!