Minhas lembranças mais remotas

“‘Nenhum de nós se lembra de algo anterior aos 2 ou 3 anos de idade. A maioria não se recorda de nada que ocorreu antes dos 4 ou 5, diz Catherine Loveday, da Universidade de Westminster, no Reino Unido.” (Trecho de matéria sobre Amnésia infantil, publicado pela BBC em https://www.bbc.com/portuguese/geral-39477636.)

Minha mãe me contou que eu quebrei um dos braços aos dois anos de idade. Eu tenho uma leve lembrança de uma corrida noturna de meus pais, com minha mãe me conduzindo no colo dela, buscando levar-me para um hospital. Pode não ser essa a vez me contada, mas, se for, estou entre as poucas pessoas que saem do padrão quando o assunto é lembrar de fatos anteriores aos três anos de idade.

[CONTINUE A LER EM https://osmeninosdaruaalbatroz.blogspot.com/2019/09/minhas-lembrancas-mais-remotas.htm]

Os bons tempos estão voltando

Quando vemos uma foto de um carro na estrada, com ar de passeio, temos sempre em mente que a foto é da ida. A Vemaguete azul parece que acabou de chegar no sítio ou está dando ré pra estacionar. No entanto, não tem nada na foto que determine o momento em que ela foi tirada. Queremos com as que seguirão, que são do site Uol Carros, que você, para se sintonizar com esta postagem, se remeta aos anos que os veículos usados na ilustração remetem.

Será que verei novamente?

Encontrei no Youtube outro dia um filme que eu via frequentemente durante os tempos da infância-adolescência. Uma verdadeira raridade. E ao assistí-lo, me veio aquela sensação gostosa de estar a passear pelo tempo e trazendo de volta as boas sensações que era de praxe se sentir ao passar-se tempo assistindo filmes na TV. Isso encheu-me de bem-estar e bem-estar é algo que você deve procurar sentir sempre, pois, se tens desejos para realizar é o que vai tornar isso possível.

Daí, dei uma paradinha para pensar noutra coisa. Me veio à mente uma série de outros filmes e programas de televisão. E eu me perguntei: e esses, será que vou vê-los de novo?

Esse tipo de coisa nos remete à questão da idade. Mais particularmente da velhice. A gente se vê velho, com idade avançada. E, então, se pergunta quanto tempo deve nos restar para viver e se teremos oportunidade de experimentar ou de re-experimentar certas coisas.

E mais do que isso, se pergunta se voltará a ver novamente pessoas da caminhada. Não as que se tem ciência de que já partiram para o outro plano, estas estão sempre por perto, pois, a lembrança é para nós a casa inexorável onde elas passam a morar. Quando pensamos nelas estamos as revendo. E temos convicção disso, pois, sabemos que não haverá meios de revê-la tal qual classificamos o verbo rever. Ou seja: revê-las fisicamente.

Achar na internet os filmes dos quais se lembra e gostaria de assistir novamente é relativamente um desejo fácil de se materializar. Mas, pessoas, quando esgota-se a capacidade de um Facebook de nos trazer notícias sobre elas, só com o que podemos contar é encontrar rostos parecidos com os de alguém do qual passamos a lembrar por tê-los visto. E a querer saber se ainda está vivo, se está bem, qual foi o seu paradeiro, a sua história desde o fim da caminhada conosco. E, principalmente, queremos saber se antes de partir vamos revê-lo.

E é assim a vida: um mar de incertezas. Incerteza de quanto tempo falta para parar-se de vez de ter saudade e passar-se a ser saudade para uns e dúvida quanto ao paradeiro para outros; vontade de ter de volta o que parece ter-se perdido; ter vontade de consertar o que se pensa que ficou errado. E ter pressa de rever alguém, o que pode acontecer nunca mais.

Mas, ao final de tudo, eu penso que nada fica para trás porque onde quer que estejamos após a partida, na mente dos que ficam, quando deixamos algo de bom para eles, permanece plantada a oportunidade de estarmos presente neste mundo e da forma que der continuar fazendo algo por ele. Basta sermos lembrados para termos essa oportunidade. Portanto, a grande sacada da vida é fazer por onde ser lembrado. É o mesmo que garantir mais longevidade neste planeta. Procure gastar seu tempo dando razões às pessoas para lembrarem-se de você.