Como eliminar 7,5 bilhões de pessoas sem uso de guerra: Biobeligerância – Pt.2

Vídeo da postagem.

Olá, vimos no vídeo anterior que as armas climáticas são bastante eficazes no propósito de ocasionar mortandade. Mas, depois das armas nucleares, não são elas as mais terríveis e devastadoras e sim as biológicas. Se bem que em 2016 o site UOL publicou: “cientistas russos fizeram um alerta: as mudanças climáticas estão derretendo uma camada de gelo na Sibéria que contém vírus nocivos, como a varíola, guardados ali há milênios (https://noticias.uol.com.br/saude/listas/variola-colera-antraz-doencas-que-assolaram-a-humanidade-podem-voltar.htm )”.

Propagar vírus e bactérias está ao alcance de cada um de nós e a baixo custo. Um pequeno grupo contaminado pode alastrar por meio de sprays uma peste para toda uma população. Na mesma reportagem do UOL é dito que a varíola no Século XX matou cerca de 500 milhões de pessoas no mundo todo. Portanto, usar vírus e bactérias ou suas toxinas para criar mortandade é bem eficaz.

O maior impedidor da escolha do método de destruição de massas é que os agentes patogênicos fogem do controle de quem propaga, podendo atingir até ele próprio. E muitas vezes não se sabe quando ocorrerá a erradicação ou mesmo como desfazer o estrago. É sobre as armas biológicas que vou discorrer no episódio deste vídeo e postagem.

2020. O mundo comemorou o recorde de redução da taxa de natalidade que a China obteve em 2019 desde 1949. Apenas 14,65 milhões de bebês vieram ao mundo no território chinês no ano passado. O país mais populoso do mundo, que um dia viveu um regime próximo do que seria o verdadeiro comunismo, sabe que viver confortavelmente no de economia aberta incide diminuir o número de pessoas a serem geridas pelo Estado.

Os chineses sofrem com ataques biológicos. O setor aviário perde galinhas por causa de gripe aviária e o suíno perde porcos por causa de peste suína africana. Se isso é natural, a natureza esta sendo bem generosa com aqueles que gostariam de ver a China precisando comprar carne da mão deles. O Brasil se enquadra. Pra piorar, o novo coronavirus leva ao pânico os chineses, os países vizinhos e aos poucos o resto do mundo. Já falam em pandemia.

Vai saber se isso não é tática de redução populacional embrenhada pelo próprio país contra seu próprio povo. Se sim, por haver mais de vinte países relatando casos de contaminação do tipo, incluindo os Estados Unidos, pode-se suspeitar de conspiração mundial para reduzir pessoas e animais da face da Terra. O que é o nosso tema, mas, voltemos nisso mais adiante, vamos divagar um pouco sobre a outra possibilidade.

Se não é mortandade o que buscariam em caso de ataques biológicos ministrados, é coisa pior! Como um dos concorrentes de mercados da China está interessado em abalar a economia chinesa. Sabotagem biológica poderia ser o caminho adotado por ele.

A gigante economia que a China formou sofreu queda de desempenho, mas, ainda intimida os concorrentes no campo do comércio mundial. Os Estados Unidos é o país mais ameaçado. Não é nenhum absurdo imaginar que os americanos estejam por trás do que seria mais um caso de bioterrorismo.

É noticiado que ações caíram na China devido ao temor ao coronavírus. E através de vôos charter, países vão trazendo de volta da China seus pátrios e diplomatas estabelecem sem mal-entendidos impedimentos de desembarque de chineses em seus solos e mercadorias da China em suas alfândegas. Turismo, trabalho e viagens de negócios que melhoram a economia de um país estão compreensívelmente fadados à mingua.

A Inteligência americana já cuida de se colocar fora de suspeita caso os Estados Unidos sejam acusados de estarem por trás da proliferação do novo coronavírus. Um avião, carregando cerca de 200 americanos que estiveram em Wuhan, cidade central do contágio, aterrisou na Califórnia. A imprensa cobriu a chegada no melhor meio de embrenhar engenharia social em quem acompanhou a cobertura.

O consultor de segurança nacional do presidente Trump minimizou o risco de um surto de coronavírus nos Estados Unidos, dizendo no programa “Face the Nation” da CBS: “neste momento não há razão para os americanos entrarem em pânico“.

Demonstrar-se seguro quanto à um fato trágico ainda sob alarme pode levar à impressão de ingenuidade que só quem está inocente em um caso de bioterrorismo demonstraria. Eis aí uma tática pró absolvição de culpa.

O conselheiro de segurança nacional, Robert O’Brien, disse que os Estados Unidos se ofereceram para enviar autoridades de saúde à China para ajudar a conter a epidemia, mas que as autoridades ainda não receberam uma resposta de Pequim”.

Pôr-se a observar à distância um fato ameaçador, mas, preocupado com a evolução dele, é o número da solidariedade que também ajuda a se colocar fora de suspeita quando se está envolvido no fato.

O’Brien defender as observações do secretário de Comércio Wilbur Ross, que disse que os Estados Unidos poderiam se beneficiar economicamente do surto porque isso poderia levar as empresas a reconsiderar suas cadeias de suprimentos globais e, por fim, “ajudar a acelerar” o retorno de empregos para os Estados Unidos, confunde os que apresentarem tendência a assimilar que os Estados Unidos não negam que obtêm vantagens com o quadro trágico na China.

Isso faz lembrar a frase “negócios à parte”, que por sua vez faz a nação posar de ente sincera e de quem é consciente o bastante para dar prioridade em resolver a dor do outro – omitindo a preocupação de vir a ser a própria dor, quando realmente se está fora da autoria dos ataques se belicosos.

Acho que o que o secretário de Comércio Ross está dizendo é que há um perigo, há um fator de risco para fazer isso. E não seria melhor se tivéssemos cadeias de suprimentos e fábricas aqui nos EUA?

Essa colocação de O’Brien é tudo que os conspiracionistas precisam para encaixar o quebra-cabeça e dar explicações para seus seguidores sem chances de não serem cogitados de receberem crédulos. https://www.cbsnews.com/news/transcript-robert-obrien-on-face-the-nation-february-2-2020/

Israel promete buscar uma vacina. Claro! Volte lá no primeiro episódio desta série e identifique motivos pra quererem isso. É unir o útil ao desagradável. Desagradável porque inocular as pessoas não ajuda no objetivo da redução populacional.

Mas, há sempre uma nova oportunidade de matança e métodos mais direcionados. O que vale nesse momento é o marketing de altruísmo. E o lucro que dá a vacinação.

Cidadãos israelenses que viajaram para a China poderão voltar, disseram autoridades. E a mídia israelense informou que o país deveria estender as permissões de trabalho de quase 1.700 trabalhadores da construção civil chineses cujos contratos expiraram. A chegada do mesmo número de trabalhadores da China que deveriam substituí-los foi adiada indefinidamente.

O que faria o presidente do Brasil, grande admirador e copiador dos israelitas, se essa epidemia estivesse ocorrendo em seu país, com uma leva de médicos cubanos sendo deportados por não concordar o bolsonarista com emprego de trabalhadores de outro país em projetos bancados pelo Governo?

Aliás, os médicos cubanos estão voltando. E com o aval do atual presidente. Precisariam de gente experiente e competente pra enfrentar o coronavírus? Veja a reportagem: https://pebmed.com.br/medicos-pelo-brasil-medicos-cubanos-podem-retornar-ao-novo-programa/. Bem, segundo o “A voz do Brasil” de 07 de fevereiro de 2020: “Capacidade do Brasil pra enfrentar o coronavírus tem reconhecimento internacional”. Mas, vai saber se não houve um subsidiozinho receber este reconhecimento generoso!

O “The Washington Post” publicou: “A epidemia mortal de vírus animal que se espalhou globalmente pode ter se originado em um laboratório de Wuhan vinculado ao programa secreto de armas biológicas da China, de acordo com um especialista israelense em guerra biológica”.

Isso, ainda que sendo verdade, prepara melhor o disfarce para o Tio Sam, se estivermos lidando com guerra biológica e os yankees os protagonistas do ataque.

Alegar que o programa chinês de guerra bacteriológica teria cometido vacilo e deixado escapar o que já dizem poder se tornar uma pandemia parece sanar a coceira dos conspiracionistas pra dizer que cuidam, na certa, de promover mortes. Sem importar a pátria. E tudo seguir conforme a agenda de redução populacional da… Nova Ordem Mundial?

As autoridades dos dois países trocando farpas enquanto prometem solidariedade e boa recepção de um ao outro faz imaginar haver um conluío.

Disse uma autoridade dos EUA: “Um sinal ameaçador é que os falsos rumores desde o início do surto, há várias semanas atrás, começaram a circular na Internet chinesa que o vírus faz parte de uma conspiração dos EUA para espalhar armas germinativas”.

As autoridades chinesas teriam dito que a origem do coronavírus, que matou dezenas e infectou centenas na província central de Hubei, não é conhecida. Mas, Gao Fu, diretor do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, teria contradito à mídia controlada que pelos sinais iniciais o vírus se originou de animais selvagens vendidos em um mercado de frutos do mar em Wuhan.

O site G1 (https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2020/01/30/novo-coronavirus-pode-ter-vindo-de-morcegos-indica-pesquisa.ghtml ), em 30/01/2020 publicou: “Uma análise genética do novo coronavírus – que até esta quinta-feira (30) matou 170 pessoas na China e infectou mais de 8 mil –, indicou que o 2019-nCoV apresenta similaridade ao vírus Sars derivado de morcegos. O estudo foi publicado na revista científica The Lancet nesta quarta-feira (29).”.

Antes disso, o Journal of Medical Virology estipulou que o hospedeiro original do 2019-nCoV seriam cobras.

Essa indecisão levou a também subsidiada imprensa norte-americana a publicar que a China estaria a preparar meios de propaganda para combater futuras acusações de que o novo vírus escapou de um dos laboratórios civis ou de defesa situados em Wuhan, o locus da epidemia.

De qualquer forma, a natureza de bioterrorismo sem autor tomou conta do noticiário em volta do coronavírus e as mortes vem acontecendo a cavalo. Um podcast no G1 expressa bem esse teor de terrorismo que estão dando ao provável surto pandêmico. https://g1.globo.com/podcast/o-assunto/noticia/2020/01/29/o-assunto-111-as-respostas-da-china-ao-novo-coronavirus-e-os-impactos-na-economia-global.ghtml

Alarmar a sociedade é uma forma de desestabilizá-la e conduzir seus pensamentos. Se há o objetivo de mortandade, as populações afetadas por estas táticas morrerão sem qualquer rebeldia contra governos ou grupos poderosos.

É como expressou bem o cientista cognitivo Noam Chomsky: “A maioria das pessoas não sabe o que está acontecendo. Sequer sabe que não sabe.

Guerra biológica ocorre quando se usa a belicosidade de micro-organismos vivos para dizimar vidas humanas, de outros animais – principalmente úteis ao homem ou competidores com o próprio – e de vegetais – principalmente os contingentes de lavouras. A ideia é minar a economia de um inimigo e colocá-lo em estado econômico de sítio, ao ponto de ter que solicitar ajuda ao estrangeiro, que pode ser até mesmo seu algoz, se submetendo à escravidão se necessário para sobreviver. O outro motivo dessa investida é matar populações para se apropriar de seu território e pertences ou simplesmente reduzir a concorrência por espaço e alimento, que o capitalismo atualmente demonstra precisar. Nossa série foca nesse ponto.

Por meio de substâncias guardadas em invólucros ou no organismo de hospedeiros animais – como os ratos ou as moscas – virus, protozoários, bactérias ou fungos, mais comumente, são liberados dentro do território alvejado e encontrarão seres humanos ou animais típicos do local e se alojarão neles, causando parasitismo que desenvolve doenças capazes de levar o infectado à morte. Evoluindo o contágio para o contato entre humanos ou seus pertences.

A guerra biológica possui seus antecedentes históricos. O homem de Neanderthal teria colocado fezes de animais nas flechas para aumentar seu poder letal; legionários romanos contaminavam os poços de seus inimigos com carcaças de animais. Em 1346, os tártaros lançavam por meio de catapultas cadáveres de pessoas mortas por peste para dentro dos muros da cidade sitiada de Caffa. Em 1763, o exército britânico na América, em guerra com os franceses, mandou cobertores e lençóis previamente utilizados num hospital para pacientes com varíola para os índios Delaware, aliados dos franceses (Christopher et al., 1997) (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2001000600023).

A Peste negra foi uma das mais devastadoras pandemias na história humana, resultando na morte de 75 a 200 milhões de pessoas na Eurásia. Somente no continente europeu, estima-se que tenha vitimado pelo menos um-terço da população em geral, sendo o auge da peste acontecendo entre os anos de 1346 e 1353. A doença é causada pela bactéria Yersinia pestis, transmitida ao ser humano através das pulgas (Xenopsylla cheopis) dos ratos-pretos (Rattus rattus) indianos ou outros roedores. Teria iniciado na Ásia Central (https://pt.wikipedia.org/wiki/Peste_negra ) o evento nefasto.

O conquistador Gêngis Khan, com as suas hordas de nômades mongóis, conquistou toda a estepe da Eurásia setentrional – da Ucrânia até à Manchúria. Teriam sido os guerreiros mongóis quem teriam infectado as populações de roedores das planícies da Eurásia, da Manchúria à Ucrânia, e propagado para o resto do mundo na época a doença, que hoje é conhecida como Peste bubônica. Após sua conquista da China, os mongóis foram infectados na região a sul do Himalaia pela peste, já que essa região alberga um dos mais antigos reservatórios de roedores infectados endemicamente.

Os mongóis deixavam a céu aberto em suas cidades os corpos putrefatos mortos pela epidemia e fugiam para as colinas, deixando que aqueles que quisessem tomar suas cidades fossem surpreendidos pela morbidez e contaminados caíssem moribundos até fenecer. Quando o perigo desaparecesse eles voltariam para suas cidades e as reorganizariam.

São muitos os episódios que narram o uso pelo homem de micro-organismos vivos para o fim bélico. Desde o século XIV, passando pelas grandes guerras mundiais e chegando até os dias de hoje. Nem sempre em guerras militares de nação contra nação.

O homem está sempre a se preocupar em se proteger daquilo que ele pode ver. Como as agruras do clima ou os projéteis que ele mesmo inventa e que lançam os exércitos. Entretanto, exatamente o que lhe é invisível e que chega a ser patético ser tão frágil e indefeso para seres tão minísculos é o que é o seu maior inimigo.

A natureza fora bastante irônica ao dotar os pequenos com maior capacidade de ataque. Irônica ao estabelecer que esses seres só estão sobrevivendo quando atribuímos estarem a nos atacar. Alimentam-se de nossos órgãos e excrementam substâncias químicas que reagem com as que possuímos e alteram nosso funcionamento.

Eles não sabem que morrerão junto com o hospedeiro, por isso continuam a sanar sua fome. Não sabem também o que é morte, a maior de nossas preocupações.

Os vírus, bactérias e toxinas que já foram usados como arma biológicas são: o Bacillus anthracis (Antraz); a Yersinia pestis, que causa a peste bubônica; o Orthopoxvirus variolae, causador da Varíola; a ricina, substância tóxica extraída da mamona; o Vibrio cholerae, vibrião da Cólera; Francisella tularensis, causadora da tularemia; a Clostridium botulinum, que está por trás do botulismo; o Dengue.

Teme-se na Atualidade o uso do Henipavirus, do Ebola e do Hantavírus como arma biológica pela ação de grupos terroristas irresponsáveis. Entretanto, obter ajuda de cepas biológicas e suas toxinas para prover destruição em lavouras ou em espécies animais não é restrito ao objetivo bélico para promover mortandade. Se há no mundo uma conspiração pretendendo que 2/3 da população terrestre atual desapareça, basta ocasionar infecções por meios ingênuos e seguros para aqueles que não estariam na lista dos marcados para morrer. De repente, até o Esporte, que possui eventos que aglomeram multidões em um só ponto, como as Olimpíadas e a Copa do Mundo de futebol, pode ser usado para facultar sucesso nessa empreitada.

O HIV, vírus da AIDS, teria sido utilizado com essa intenção. Sua contaminação é restrita ao contato interpessoal e seu alastramento não ocorre por meio externo como o aéreo. Desde que não se faça parte de um grupo de risco, a chance de contágio se torna nula. E os poderosos do planeta, tendo sido os articuladores deste grande projeto viabilizador de mortalidade e de controle de natalidade, só têm que continuar a fazer o que já fazem: se manter entre os seus sem jamais misturar com a plebe.

O pulso ainda pulsa
O pulso ainda pulsa
(
Titãs)

Leia o livro “Os meninos da Rua Albatroz“, onde todos os assuntos desta série são desenvolvidos dentro de um conto de aventura bastante gostoso de ler.

 

Como eliminar 7,5 bilhões de pessoas sem uso de guerra: INTRODUÇÃO

01-Vinhetacomomatar7mi01

Continuando a botar pilha no assunto que bombou aqui no blog. Mas, antes quero dizer que estou trabalhando as postagens de um modo diferente do que o que eu vinha trabalhando. Tenho recebido muitos virais pelo Whatsapp, geralmente tática para horrorizar pessoas e obter delas feedback da exposição ao material. E muitos deles me bateu aquela vontade de desmentir. Esse serviço de desmantelar esses desserviços que passam nos murais das redes sociais é um gatilho para criação de postagens. E tenho recebido também muitos links para visualizar geralmente vídeos no Youtube. Boa parte desses tratam de análises de assuntos estarrecedores veiculados na mídia, profecias apocalípticas e teorias conspiracionistas.

A estratégia que usarei é lincar o assunto de cada material a algum dos livros que publiquei, com mais ênfase no livro “Os meninos da Rua Albatroz”, que é o mais versátil e discorre sobre muitos assuntos. Com isso, a frequência de publicações no blog e no canal do Youtube aumentará. Concentrarei as publicações no blog AAVítor Autor e os blogs especializados de cada livro receberão a respectiva cópia daquilo que lhe for pertinente. E o formulário de contato e espaço para comentários dos dispositivos estarão disponíveis para envio de material e solicitação de debate.

Vídeo da postagem

Continuo nesta postagem, então, a discutir sobre a suposta intenção de certa elite oculta mundial de reduzir a população do mundo, sob a alegação encripada de o planeta não comportar dentro de dez anos tantos seres vivos. Os problemas seriam: Emissão de gás carbônico, espaço geográfico para coexistência dos seres e alimentação. Bem parecido com os que tiveram os dinossauros, não? Só não comentam que entre esses motivos estão problemas que os dinossauros não tinham, que era emprego pra todo mundo e outros atributos da sociedade complexa que o homem desenvolveu. Esqueça essa besteira que difundem sobre as tábuas da Georgia. Os motivos para a redução populacional são bem profanos e só se mantêm ocultos daqueles que não saem da caixa pra pensar. Vamos ver isso na prática?

No post anterior comecei a listar meios de reduzir populações. Tanto a curto, quanto a longo prazo. A curto prazo o mais pensável seria uma guerra nuclear, mas, ficou demonstrado, mesmo que se valendo de humor e proposições vagas, tiradas de pregações religiosas e materiais conspiracionistas, que uma guerra desse naipe levaria a vida humana na Terra não só a uma redução, mas, à extinção. Levando junto as plantas, os outros animais e até a água.

Um super vírus, com alto teor destrutivo, daqueles que “contagiou-se já pode providenciar o caixão”, como a propaganda no início dos anos 1990 fez o Ebola parecer, seria outra solução. Porém, não se conhece tanto o poder de autocura e de autoimunização do ser humano. De repente, do jeito que puder ele se recupera da catástrofe e ainda continua procriando em larga escala. E desta vez ainda mais rápido, pois, não sobrará funcionando nem uma televisão!

E ainda não se conseguiu desenvolver esse vírus ou, se conseguiram, não resolveram a questão do controle da contaminação, que poderia fazer minar o plano indo parar o agente patogênico em corpos de pessoas marcadas para sobreviver – gente da elite mundial –, mesmo sabendo-se que quando a tal elite oculta opera nesse escopo ela cuida para que seus componentes e os seus não corram os riscos a incidir. Você não acha que um Rothschild ou um Rockfeller tomam dessas vacinas que empurram pra gente tomar, acha? Por isso, se já desenvolveram esses vírus ainda não usaram.

Logo, o jeito é matar a conta-gotas e invisivelmente. Vale lembrar que reduzir os nascimentos também é uma forma de atingir o objetivo proposto. Nesse tópico entram métodos de aniquilar gestações ou provocar natimortes e inibir situações de risco de fecundações, evitando-se acasalamentos entre heterossexuais.

Este assunto tem ligação direta com o livro “Os meninos da Rua Albatroz” e a maior parte dos métodos citados aqui vem diretamente das páginas do livro. Postaremos em série. Cada método de redução ou de contenção de crescimento de populações serão apresentados em postagens isoladas.

Adquira o livro “Os meninos da Rua Albatroz” e antecipe toda a série.

 

Como eliminar negros da sociedade de maneira politicamente correta

planetadosmacacos

O seriado de televisão “Planeta dos macacos“, Estados Unidos, 1974, em seu episódio de estréia apresenta a cena em que os dois astronautas intrusos no planeta estão em uma cela, enjaulados pelo chefe do Conselho dos Macacos, Zaius, que tem ânsia por conhecimento e quer os dois vivos para poder extrair deles o objeto de sua ânsia. Por medo de sofrer imposição de cultura estrangeira, Urco, o chefe de segurança pública, quer eliminar os astronautas, mas encontra dificuldades por causa da guarda de Zaius. Urco, então, prepara uma cilada para os astronautas. Ordena que um de seus subordinados deixe a cela destrancada e se posicione atrás de um arbustro, na expectativa de atirar para matar os dois homens por tentativa de fuga. Qual motivo de abate Zaius entenderia e eximiria Urco e seus capatazes do assassinato de suas intenções por ter sido a fatalidade motivo de segurança nacional. Ou seja: procedimento politicamente correto. (Link para o episódio)

Não tenho dúvida de que há uma conspiração agindo no Brasil com o objetivo de tomar posse de suas empresas competitivas mundialmente – como a Petrobrás, que anda sendo fatiada; a JBS, que através de um golpe que envolve a delação dos Batista na Lava Jato passou a ser dos Estados Unidos; ou a Construtora Odebrecht, que já se pode dizer que agora é canadense -, as riquezas do solo do país e, por conseguinte, sua soberania. Completada essa fase de “invadir, pilhar e tomar o que é nosso“, virá a fase de substituição da população. Vão morar a sete palmos abaixo da terra os brasileiros que precisarão ser eliminados; vêm morar nos aposentos deles, fora os casebres, é claro, norte-americanos e europeus médios. Talvez árabes e outros asiáticos de países que participam dos blocos de luxo do capitalismo. Morar e tomar empregos.

Essa substituição populacional será feita obviamente à longo prazo. Os índios, principalmente na Amazônia, já experimentam a dizimação de sua cultura e respectiva adaptação à colonização global. Suas terras já vêm sendo tomadas, mas, ainda não se fala de genocídio tal qual ainda se falará. Algo muito pior do que o massacre ocorrido aos índigenas brasileiros no final da década de 1960, que muitos pesquisadores “fora do subsídio” documentam ter havido participação da CIA na operação.

O que devemos levar em conta é que a redução populacional no Brasil está à todo vapor desde há muito tempo. Paulatinamente, todos as etnias brasileiras são afetadas. Isso se dá imperceptivelmente, pois, um ocasionador de mortandade ou de infertilização de espécimes tem sempre o auxílio da grande mídia, que pertencem os veículos aos invasores ou são sustentados por eles, para fazer os relatos parecerem fluxo natural do progresso e da civilização. Do contrário, a massa suspeitaria da investida conspiratória nociva, se armaria e tentaria evitar o seu massacre ou a sua colonização. Procuram agir, para que a massa compactue com as mudanças feitas contra ela sem ela sentir, de forma politicamente correta.

Um grupo populacional, no entanto, pode ser visto a sofrer agressivamente, mesmo que invisivelmente, esse ataque. O grupo dos negros. A população é feita se submeter a culturas bastantes desastrosas para quem as cultuam. Do hip-hop ao funk carioca, musicalmente falando; do vestir-se maltrapilhado até a banalização do sexo. Do falar de gírias irritantes meticulosamente produzidas para eles falarem ao fato de estarem sempre a se prostrar como excluídos da sociedade e a querer afrontar o branco. Da marginalização por falta de oportunidade de trabalho em profissões que engrandecem, devido à administrada baixa instrução e à defasagem intelectual causada pela baixa auto-estima e pelos interesses típicos dos guetos – como idas a bailes funks, bebedeiras, drogas e arruaças, principalmente as do tipo conduzir veículos com som automotivo ligado com volume ensurdecedor ou o mesmo para aparelhos celulares em locais públicos.

A eliminação de negros ocorre com o advento de brigas entre eles próprios e com os conhecidos abates feitos por policiais ou outras entidades da sociedade, por se comportarem eles de maneira a serem confundidos ou a se colocarem como suspeitos de ameaçarem a segurança nacional. A marginalização do grupo devido ao seu comportamento, modo de se vestir e cultos, faz com que muitos membros vão parar nos presídios. Lá, acabam encontrando a morte. De maneira politicamente correta, como, por exemplo, as planejadas rebeliões em presídio que viram destaque no Jornal Nacional da TV Globo. Ninguém que esteja fora desse grupo reclama ao saber que um negro foi hostilizado e consequentemente abatido pela polícia ou por turmas inimigas quando entra em contato com uma notícia dessas. “Rezando é o que não estavam fazendo“, “pelas músicas que eles ouvem se vê que gostam de violência e de vida promíscua, então, que se fodam, eles é que escolheram“. São coisas do tipo que costumam dizer ao concluir as razões dos fatos.

O segredo é que eles não escolheram nada. Tudo isso é administrado na sociedade. É engenharia social. Existem os canais de absorção dos costumes, das preferências, das palavras de ordem. São as celas com as portas abertas preparadas para fugas. Quais canais de assimilação de informação levam o captador da cultura ao equívoco de se associar a ela e de achar que faz algo espontaneamente, tendo tomado por si só a decisão de fazer. E à ingenuidade de achar que há sinceridade, em vez de maquinação de uma indústria, naquilo que ele se alia. Outros grupos étnicos, religiosos, sexuais e etários passam pelo mesmo. Da mesma forma imperceptível de haver maquinação. E isso se manterá assim até que a agenda dos conspiradores para o Brasil esteja completa.

Leia sobre tudo isso no livro “Os meninos da Rua Albatroz“. Acompanhe mais textos desse tipo aqui no blog nos marcadores neocolonização, substituição populacional, o objetivo da cultura de massa, American Way of Life.