Damares Alves prova que Darwin estava errado: O homem vem é da anta

brigadopelovotoburro

CHARGE: Bolsonaro agradece a um representante
da maior parte do seu eleitorado. (FONTE: Facebook)

Parece que Bolsonaro deu um ministério trino desnecessário para um papagaio só pra ajudar a imprensa a tapar o que fica cada vez mais evidente: seu descompromisso para com o povo e a nação.

Damares Alves vai se afastando na liderança isolada da tabela de imbecilidades que ranqueia a explanada do novo governo.

Não digo que seja besteira a critica dela à Teoria da Evolução, de Charles Darwin, pois, pra ela estar ocupando o posto que ocupa, pra terem elegido Jair Bolsonaro, o homem só pode ter originado do cruzamento de um asno com uma anta.

Eu sei que asno não reproduz, mas, barro também não vira gente depois de modelado e assoprado. Já tentei fazer gente assim e não deu certo.

Deu certo foi transar sem camisinha com uma fêmea heterossexual que não toma anticoncepçional e que não concorda com o aborto. Dessas que juram que não, mas, também existem no meio esquerdista. E que ao contrário das mulheres do meio bolsonarista — as micheques da vida — estão acessíveis até à pés-rapados como eu.

Os machões pobretões que apoiam o bolsonarismo já já vão saber por que escrevi ‘isso daí’, pois, o feminismo não tá se deixando intimidar e as mulheres que aderem ao movimento – a maioria esmagadora da população feminina – já anunciaram que vão deixar muito homem desavisado privado de sexo só pra eles saberem com quem estão mexendo nessa onda de ataque ao feminismo.

Eles que tratem de ficar ricos e poderosos pra ter direito à companhia das mulheres que se orientam pela conduta propagada por Damares Alves em seu ministério da mulher. Pra ‘essas daí’ só carinho – carro carinho, apartamento carinho, presente carinho – não basta. É preciso ter cargo de poder ao lado dos ditadores que ocupam o atual governo.

Pois é, Charles Darwin, macaco não é burro! Considere o trocadilho. Por isso, Damares tá certa em fazer sua contestação à sua teoria sobre a origem humana e das outras espécies.

Pausa para pergunta: Deus teria feito do barro também os outros animais? E as fêmeas de cada um, teria sido tiradas das costelas de cada macho? Até dos invertebrados? Explica aí, escola sem partido!

Generalizo à espécie humana do mundo todo essa especulação criada à partir da fala de uma suposta doutora em biologia que reside nos trópicos porque a extrema-direita, que veicula essas bobagens, não está no poder só aqui no Brasil.

Estadunidenses, franceses, italianos são alguns dos grupos humanos que fizeram a besteira de botar no comando de seus países essa corja.

Enfim, o que piora a pérola da ministra e pastora evangélica é ter exposto em um vídeo de 2013 que a Igreja Evangélica perdeu espaço para a Ciência na Teoria da Evolução, que data de 1859. E que a instituição charlatã pós Darwin – a Igreja Evangélica – teria deixado pra lá o assunto, tendo a legítima, de todos os tempos, a Ciência, tomado conta.

A presunçosa ainda proferiu que a tal igreja é que deixou a teoria que a incomoda entrar nas escolas. Resta saber se ela vai querer retirar o conteúdo tachado de viés ideológico das escolas do mundo todo ou só do Brasil. Que poder sobe à cabeça, muito se sabe!

Ao que consta, a Igreja Protestante, que é o termo que a dona da gafe deveria usar, nunca teve espaço pra decidir versões sequer para o criacionismo. Apesar de Darwin ter sido protestante, depois ateu, depois protestante de novo.

Nem mesmo a concorrente Igreja Católica, praticamente dona da franquia do cristianismo, teve esse privilégio de dar as cartas quanto à origem do homem, já que a Biblia, que é de onde vêm as idéias do homem de barro e livro onde se encontra a doutrina moral cristã, é um compilado oriundo de livros apropriados indevidamente de outras culturas e modificados conforme as conveniências políticas do Império Romano.

Se bem que isso de mudar a teoria mais aceita não é problema para Damares. A História é contada pelo lado vencedor e se Damares quiser ela pode solicitar ao colombiano incumbido de ditar a educação para os filhos dos brasileiros uma alteração nos livros de História no que toca a evolução das espécies.

E nem precisará de referências bibliográficas para se consultar a integridade da informação se isso for feito, pois, Jair Bolsonaro aboliu a obrigação que até seus ancestrais da ditadura militar anterior faziam questão de haver nos textos didáticos. Pastora evangélica, ela pode muito bem se valer da tática usada pelos judeus-cristãos ao elaborarem a Bíblia.

O suposto livro sagrado não possui referências bibliográficas e conforme alguns maçons até o Antigo Testamento pode se tratar de contos de autoria egípcia, da nata dos faraós, dos quais Moisés teria se apropriado ao sair do Egito e cunhado uma teurgia para com ela dominar um povo e se tornar líder dele. Olha um bom motivo aí pra se tirar das mãos dos cientistas a explicação de onde viemos.

Daí teria surgido um deus que criou do barro o homem e a história humana ficou perdida e limitada à fé propagada por gente de carne e osso e inteligência superior para gente só de carne e osso.

A maçonaria saberia todos os segredos por trás da construção do cristianismo. Teria, inclusive, sido perseguida pela Igreja Católica no passado para que não revelasse os segredos que sustentavam o poder e a riqueza dos padres. Relatos dizem que Charles Darwin teria sido maçon. Para os mais sensaconalistas: um illuminatti.

Quanta informação! Até parece que estou reescrevendo “Os meninos da Rua Albatroz“!

Tá na cara que esse farol jogado em fala antiga da ministra pop-star é esquete do governo com a pretensão de abafar casos ou criar ambiente pra que intenções desprezíveis pela população sejam viabilizadas enquanto a massa se distrai imaginando o que postar nas redes sociais ou discutir dentro de grupos sobre a nova gafe do papagaio… Digo: da anta que lidera o ranking de ministros inúteis do atual governo.

A Globo, em seu Bom dia Brasil, deu essa noticia consumindo um largo espaço de tempo e as que foram dadas após ela, no mesmo bloco deste telejornal que de veneta entrei em contato e vi esse depoimento, foram esmagadas por ela.

Emendado e se dissipando como num efeito de suavização de som, com a audiência ainda assimilando o inútil sobre Damares Alves, ocorreu, sem farolete piscando, a fala do noticiário discorrendo sobre a preocupação do governo em tratar diferente – com regalias e prioridade – a previdência dos militares, com direito à representante da classe dizer que a própria é melhor do que as que abrangem nós outros profissionais. Amenizaram a notícia com um argumento de usar o governo – na discussão política – de medida contra fraude previdenciária cometida por civis, o que seria a explicação para o suposto déficit na previdência.

Mais apagado ainda se falou, logo após a ufanação aos militares, que ocorreu a prineira baixa do governo Bolsonaro. O presidente da Apex – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, Alex Carreiro, pediu demissão do cargo. Não deram explicações da razão de um felizardo ter deixado a mamata pra lá. Até se falou sobre o fato de o sujeito não ter boa fluência em inglês. É um afronto à inteligência do telespectador. Eu aposto que o cara é honesto e descobriu coisas que ele teria que lidar com elas e preferiu pular fora, e você?

O mais curioso foi o telejornal Global abandonar a notícia e voltar a falar da Reforma da Previdência, dessa vez em tom comemorativo e contagiante pelo otimismo. Juraram que o mercado estava satisfeitíssimo com a agenda para a aprovação da reforma, que a Ibovespa fechou em alta e aquele blá blá blá todo típico das táticas de manipulação da audiência de jornalismo que só a TV Globo sabe fazer.

Link para a edição completa do telejornal, se ainda estiver lá: https://www.youtube.com/watch?v=9xm7Xu0zCrY (copie e cole na barra de navegação)

Talvez tenha até a ver o golpe de apresentação de informação com a suposta ameaça de Jair Bolsonaro querer acabar com o BV – Bonificações por Volume -, que são bonificações dadas pelo governo aos organismos de imprensa de acordo com seus alcances de público. O fim do BV pode significar o fim do domínio da Globo no meio midiático.

Se não é nenhuma tática do Jair para fazer o público pensar que a Globo tá pianinho com ele quando ela na verdade está só fazendo acontecer as notícias conforme a pauta estabelecida pelos marqueteiros dele, acabar com o referido domínio favorece mais ao público do que acabar com o atual governo. Esse se acaba sozinho e a Globo não elegerá mais ninguém. Será o fim do emburrecimento e o homem poderá ter novamente vindo do macaco.

O que está por trás da facilidade para se entrar na maçonaria?

A gente não precisa esperar a TV Globo dar a notícia para saber quem são os políticos investigados em uma operação do STF. A suspeita parcialidade que vem demonstrando o STF em seus afazeres judiciários alcunhados de ser contra a corrupção tornam previsíveis os nomes que estarão inclusos em qualquer lista de investigados que o próprio lança através da mídia corporativa não para informar, mas, sim, para jogar o público contra os nomes que nela estiverem. É impossível não ter essa leitura ao se submeter, mesmo que involuntariamente, como foi o meu caso, ao telejornaleco Jornal Nacional ao ouvir o sádico William Bonner frisar nomes de partidos e políticos bastante evidenciados na resistência às articulações golpistas que saem da política do Brasil, os quais causam dissabor até mesmo às aspirações da família Marinho, dona das Organizações Globo, além de seus aliados, fraternos e clientes.

Basta conhecer o trabalho de cada deputado, senador e ministro na ativa que a dedução vem. Há aqueles que incomodam esse sistema corrupto e vendilhão que deu o golpe de estado no governo eleito de Dilma Rousseff e quer entregar o Brasil para o capital estrangeiro e escravizar os brasileiros. Afinal, a Lei da Terceirização e o que oferecem as falsas reformas trabalhista e previdenciária do governo não eleito de Michel Temer só interessa às grandes corporações, a maioria estrangeira. São eles que estão por trás do governo federal fazendo essas reivindicações e é para eles que essas leis e pseudo reformas trabalham.

O pequeno e médio empresariado brasileiro sobreviveria, como vem sobrevivendo, tanto às regras que atualmente tangem o trabalho, quanto as que tangem a previdência. Sabe-se lá se com as articulações que as equipes de Temer tenta (à força) impor no Congresso Nacional eles não serão surpreendidos e acabarão virando empregados das corporações envolvidas por trás da cortina, sujeitos às mesmas regras para aposentadoria e cumprimento de jornada de trabalho que os que hoje são seus empregados terão que se sujeitar.

Se você que lê é um desses empresários, é melhor não arriscar e juntar-se a nós povão. Não caia nessa de que você não será afetado porque participa da maçonaria porque se você não percebeu a maçonaria no Brasil está aceitando todo mundo. Ela está organizada de um jeito que certos irmãos, mesmo marcando presença em certos eventos realizados em lojas oficiais, são mantidos em certa política de acesso, pensam que estão integrados com a vertente verdadeira e contribuem com a sua adesão a tudo que é imposto pelos superiores da irmandade. O voto em políticas e políticos doutrinado por esses superiores na mente dos subalternos é a principal contribuição, pois, é o esquema de voto de cabresto que fez no passado e sempre faz a maçonaria ter seus representantes nos pontos de poder do país. Michel Temer é o exemplo mais atual.

Jogar o povo contra a esquerda brasileira, principalmente contra o PT e seus nomes, para tirá-la do caminho da luta contra o alcance dos objetivos do imperialismo global – para o qual viabiliza as jogadas a maçonaria – e ganhar o voto do eleitor em geral, não só os pseudo maçons e os maçons, é o que sugere estar no pacote de ações percebidas nesses projetos pró burguesia que a grande mídia despeja para as pessoas aceitarem e rebaterem. Não se submeter a essa mídia, principalmente à líder dela, a TV Globo, para enfraquecê-la pelo método da ignorância e da irreverência é que faria esses planos sucumbirem mais facilmente, pois, os que recrutam os grandes veículos de comunicação para apavorar a população sentiriam falta do temor massivo que eles esperam haver para dar o próximo passo. Mas, infelizmente a população já tem sua atenção e comportamento escravizados por essa mídia e não consegue fazer isso.

A referência à preocupação com o voto se dá pela razão de não ter como não ser pelo voto direto a nomeação dos políticos que irão governar em 2018. A distribuição de cargos de poder é o grande objetivo dos que aplicam no povo os golpes que assistimos. É claro que há de se observar que com o andamento da carruagem, a impressão de que mesmo o truque falhando e os políticos que não caírem na graça do povo por meio dessas armadilhas não conseguirem ser eleitos, uma espécie de eleição biônica poderá acontecer e estes não vão perder sua boquinha e a condição para exercer seu papel na agenda do comando. Se já não é assim que funciona, pois, eu realmente não acredito que ainda haja quem vote em certos políticos que estão atualmente a ocupar cargos de deputados, senadores e por aí vai.

O fato de aparecerem alguns nomes do lado negro da força na lista divulgada pelo STF não passa de armadilha. A intenção é fazer com que o observador interprete que está havendo justiça e não caça às bruxas vermelhas, do tipo que deixa de fora os verdadeiros corruptos azuis. Com o desenrolar da suposta investigação, se deixarmos o cachimbo cair nomes sairão pé-ante-pé da lista fajuta ou sob empolgada absolvição teatralizada com a ajuda do poder midiático. O nome de Paulo Maluf escorregou antes mesmo da lista ser divulgada. Ao meu ver, os outros representantes da corja por trás do STF só terão um pouco mais de dor de cabeça. Ossos do ofício. Até ladrão passa por isso.

Esta é a minha opinião a respeito desse assunto que foi agendado para bombar a partir de hoje. Se quiser uma dica: vá ser feliz e ignore esse assunto que ele se resolve sozinho e da melhor forma para você!

Bem-vindo ao Governo Temer: Hocus Pocus Mamom Absalon

alendetemer

A maçonaria sempre esteve sob suspeita de se meter em política, colocar seus membros nos postos graúdos da política mundial ou, quando não, seduzir e afiliar líderes estabelecidos pela força popular ou por vocação própria. E nessa condição de ter ou de obter representantes na condição de dar as cartas para a sociedade, os interesses da confraria sempre prevaleceram sobre os interesses dos interessados naturais, que são o país e a maioria da população.

No mundo todo vários estadistas ou homens de Estado foram ou são maçons, conforme se especula publicamente. Cada qual tem seu feito. Geralmente, grande feito. Porém, em especial quero discorrer sobre Salvador Allende, ex-presidente chileno e o primeiro líder marxista a ser eleito democraticamente, fato ocorrido em 1970. Allende era maçom convicto e tomava posturas que, até onde se sabe, não são comuns de se esperar tomar um fraterno da maçonaria.

Suas operações marxistas ou simpatizantes do marxismo iam da nacionalização de empresas – como indústrias, bancos, minas de cobre – à reforma agrária, alavancadas pelo lema “via chilena para o socialismo“, e visavam a criação de condições para que a massa pudesse se por em condição de igualdade com as elites. Paulatinamente, ele chegou a colocar em mãos chilenas 60% da economia interna, conforme a Wikipédia e outros textos sobre o estadista, espalhados pela internet a fora, publicam.

Seus afrontos ao poder imperialista fizeram com que a CIA, a agência de operações militares internacional dos Estados Unidos, que já havia agido no país, em 1964, para minar a consagração da candidatura de Allende em postos estratégicos, investisse em grupos de pressão, como a organização terrorista Patria y Libertad, de orientação nacionalista-neofascista, para criar junto à massa, que adorava Allende desde 1964, quando perdera as eleições para Eduardo Frei devido a manobras da própria CIA, um clima de tensão sócio-política e de apodrecimento de reputação do presidente, tal qual aconteceu recentemente com Dilma Rousseff, que, no caso do chileno, o levou ao caminho da morte.

Conspiracionistas acreditam que a maçonaria teria sido a principal interessada em parar o estadista apunhalado pelas costas. A intenção dele seria criar uma maçonaria popular, para o povo. Um estado socialista na América do Sul onde o ideal junto à população seria o de igualdade, fraternidade e liberdade. E “todo poder emana do povo e para o povo deve voltar-se“. E isso a organização filosófica milenar só tolera pra ela contemplar. Embora faça de conta que não.

Atrás da CIA, do Patria Y Liberdad e do algoz de Allende, Augusto Pinochet, que teria também sido maçom, estaria a ordem superior das lojas chilenas, proveniente, talvez, dos Estados Unidos ou da Europa. Coisa que em Cuba não teria acontecido com Fidel e Raul Castro, por exemplo, porque a maçonaria cubana, da qual os irmãos Castro seriam afiliados, se voltava a seus afazeres filosóficos e mágicos apenas e não se metiam em política. Visava ganhar seu mamom, pronunciando deturpações de bençãos em latim, adorando G.A.D.U., o absalon, em suas “logias”,  sem ter que se preocupar com confiscos sob a acusação de prestidigitação, a mando de um irmão de grande posto no comando da nação onde operava. D. Pedro I, no caso do Brasil, não fora assim tão complacente com seus confrades em sua época.

Sim, claro, tudo isso é mera especulação!

A maçonaria seria obsecada por numerologia. Muita importância para a entidade têm os números capícuas e o 13. A data de morte de Salvador Allende, 11 de setembro de 1973, remete a essa obsessão. Excluindo o número que se refere ao mês, seguindo a regra dos nove fora, chega-se a dois 11. Que vai desembocar em um único capícua, o 22, que reduzido a um só algarismo, como manda a numerologia pitagórica, chega-se ao 4, que se refere ao 13 (1+3). Cuidado com as datas para os acontecimentos de seu interesse e com a expressão delas aumentar as chances de êxito nos mesmos, a maçonaria sempre teria tido. Daí as suspeitas dos conspiracionistas que discorrem sobre esse assunto.

Bem, esse longo resumo apresentando informações do assunto política e misticismo parece não ter qualquer relação com o título da postagem quanto à menção ao Governo Temer. Mas, não é bem assim. Neste momento, no Brasil, temos um presidente, da mesma forma que Allende, maçom convicto. Do tipo que faz os mais velhos esquecerem aquela máxima antiga de que maçom deve evitar o máximo que seja pública sua nomeação.

Apesar de a data da consagração do impeachment de Dilma Rousseff, 31 de agosto de 2016, ter escapado por um dia de ser uma data maçônica, pelo menos até onde se conhece sobre esse cálculo de datas atribuído à essa sociedade restrita, em suas andanças e aparições públicas o atual presidente da república faz questão de demonstrar sua convicção e devoção à instituição. Tal qual Allende fazia. Fica então a pergunta: Qual tipo de maçonaria pública Temer quer praticar? Voltada para a popularização da própria e se desconectando dela ao se vir embrenhado em políticas sociais? Ou voltada para a divulgação do poder da própria e embrenhada em ajeitar as coisas, incluindo desarmar de direitos os trabalhadores, para que os irmãos empresários possam atuar tranquilamente nos mercados de comércio e de produção estando ele ou não à frente do Poder Nacional a partir de 2018?

É melhor ficarmos de olho no que faz as equipes de Michel Temer, pois, de repente, quando pudermos enxergar com clareza seus planos, já teremos perdido todo o nosso poder de contra-ataque. E esse procedimento não inclui deixar fora de suspeita de participação nesse plano os medalhões da esquerda brasileira.

*Texto inspirado no conteúdo do livro “Os meninos da Rua Albatroz“. Algumas das referências constam, mais argumentativamente, no texto do livro.