Quem quer fechar igrejas é o Bolsonaro?

VOTE CONSCIENTE:

O marketing bolsonarista, para conseguir a reeleição de Jair Bolsonaro andou espalhando informação capaz de desencorajar pessoas religiosas de votarem no PT. Alegavam que em seu projeto de governo o PT estaria pensando em fechar igrejas.

A primeira medida a ser observada ao se entrar em contato com este tipo de informação é visitar o site do partido (meio mais rápido) e ver se a informação está explícita no local, como é obrigatório existir por exigência do TSE. Há também os órgãos oficiais de imprensa do governo, no caso, um deles seria o site do TSE.

É importante saber que nenhum órgão de imprensa corporativa, incluindo a Rede Globo, e nenhuma rede social na internet são órgãos de imprensa oficial. A informação passada por esses veículos de comunicação deve ser conferida nos locais oficiais.

E é importante saber que a internet é o meio mais frágil para uma informação ter credibilidade, devido à facilidade de massificação, suscetibilidade à erros e à rapidez para remoção que conteúdos podem sofrer.

Tomado esses cuidados, o próximo passo é conhecer sobre política. Políticos ou partidos não têm poder para por decisão própria fechar igrejas. É necessário discussão com o parlamento para apurar os motivos e mesmo que sejam válidos, as entidades afetadas possuem seus representantes no parlamento, que irão tentar evitar ações que as ameaçam.

Fechar igrejas equivale a fechar supermercados. São entidades assimiladas e aceitas pela sociedade há longas décadas, empregam e participam da economia do estado. Somente em casos investigados pela Polícia Federal e sob mandato do judiciário se fecharia igrejas, supermercados ou outras instituições. Mesmo assim, jamais se atingiria uma categoria de negócio um mandato de fechamento nesse escopo. Atingiria, sim, individualmente, igrejas, supermercados e outros negócios que sustentam práticas em desacordo com o que a lei determina para a categoria.

Quando aconteceu o fechamento de cassinos no Brasil, que é uma categoria de negócio, foi considerado que a prática da jogatina afetava a sociedade no geral. E na ocasião não havia garantia constitucional para se tentar evitar a medida.

Portanto, a não ser que o caráter do eleitor seja correspondente ao desse tipo de marqueteiro, não se deve deixar-se convencer a votar em candidatos que se valem de práticas que atacam, inescrupulosamente, a democracia e a fé popular.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: