Perca dinheiro, mas não perca venda

Um sujeito, num sábado antes das nove da manhã, entrara num shopping que ele costuma frequentar. Tendo visto que a loja de bomboniere onde diariamente compra alguma coisa estava fechada, ignorou a lanchonete onde de vez em quando compra pão de queijo e entrou em uma pastelaria, decidido a fazer um lanche diferente do trivial. Viu dentro dela um cartaz que anunciava uma promoção. Por dois reais, um pastel e um copo com refresco podia ser comprado. Ele estava com pressa para pegar uma lotação.

Interessado, o sujeito entrou na fila do caixa, onde o operador registrava o pedido de duas mulheres de meia idade, vestindo estampadas camisas e saias longas e apertadas, em um único tom de cor e com fecho eclair na traseira. Ambas as vestimentas bem anacrônicas. Uma delas cantava um gospel da igreja que frequentava, ao mesmo tempo que conversava com a amiga e o caixa, e fazia suas melancólicas e incontinentes reverências à Deus Pai Todo Poderoso e a Nosso Senhor Jesus Cristo, que pra ela devem ser a mesma pessoa.

— O que vai querer, senhora? — disse o moreno alto e forte trajando peças de salgadeiro.
— Três pasteis e um refresco. Copo de 500 ml.
— Seis reais. — disse o caixa.
— Quanto?! — perguntou espantada a mulher pagante.
— Tá errado! — Refutou a protestante assumida.

O homem olhou para a servente de balcão e pediu a ela para confirmar o preço do refresco de 500ml. “Um e oitenta”, ela respondeu. “Cinco e cinquenta”, ratificou o operador. “Eu não disse? Passo aqui e compro isso umas três vezes na semana”. Pontuou a crente e voltou a cantar e a fazer suas irritantes reverências.

Provalvemente ela se tocou que havia sido dura com o rapaz e achou-se no dever de bajulá-lo, embora o negro não demonstrasse qualquer alteração de estado de espírito.

— É você mesmo que faz o pastel, moço?

Ele respondeu que sim com a cabeça, mantendo o foco na calculadora que operava.

— Você é um abençoado! É muito bom o seu pastel.  Isso é unção. É unção de Deus, do ungido.

E seguiu com aquele bla bla bla de crente que não se governa e acha que qualquer estabelecimento que entra é igreja.

Nisso, o sujeito interessado numa promoção da lanchonete, segurando uma nota de dois reais e percebendo que a pasteleira tinha poucos pasteis prontos e que ia precisar fritar mais, decidiu ir até ela tentar um atendimento fiado.

— Posso pedir primeiro e pagar depois? — quis dela o que perguntou.

E indecisa a mulher respondeu:

— Vou pegar para você. Você quer essa promoção de dois reais? Qual o sabor do suco? Aguarde eu atender o pessoal que chegou primeiro.

O sujeito se sentiu aliviado com a promessa de atendimento, ao olhar para o caixa e verificado que ainda estaria na fila, na mesma posição, se não tivesse tomado a iniciativa que tomou.

Porém, a atendente de balcão fez que ia pegar o pedido dele várias vezes, realizando em seguida o atendimento de outros clientes. Numa das vezes, quando finalmente ela ia atender o sujeito, ela voltou atrás, pois, chegou até o balcão a cantarolante crente exaltadora da sua fé e pagadora de sermão em assuntos que não são de seu respeito. Ela pediu para embalar os três pasteis e que fosse lhe entregue o suco. A servidora da lanchonete pediu mais um tempo para o sujeito que só queria comer um pastel e estava com o dinheiro certinho na mão. Era toma lá, dá cá!

Mas, por mais que ele facilitasse a coisa, a balconista não percebeu que ele estava com pressa e muito menos que ela o ofendia, dando prioridade para pessoas que por mais que tivessem entrado no estabelecimento antes dele, atrasavam o atendimento dos funcionários da lanchonete e buscavam um privilégio que não tinham, pois, em um comércio, enquanto pagantes todos os fregueses são iguais. Não aguentando mais a fome, a pressa e o descaso sofrido, o sujeito foi embora, só ouvindo a crente informar à balconista, que estava de costa, que o moço foi embora.

O apressado, então, entrou na loja que devia ter entrado antes para não passar o que passou, foi direto para o caixa e pediu uma ficha para pegar com a balconista um pão de queijo. Foi vapt e vupt. Ele entregou os dois reais que já segurava, levou ao balcão a ficha e saiu do estabelecimento comendo o pão de queijo, que tinha o sabor de alma lavada.

E enquanto comia andando, o homem discorria sobre a situação. O caixa foi um dos responsáveis pela perda da venda, já que não conseguiu conduzir o atendimento, deixando que clientes sem noção do que é uma fila de atendimento a congestionasse por motivos pessoais e torpes. Mas, com certeza ele pôs a culpa na servente, a responsabilizando de não ter tratado logo de atender o rapaz.

A servente, por sua vez, deve ter esquivado da culpa alegando que ganhava tempo para não atender sem pegar a ficha, temendo se tratar de alguém que iria pegar o lanche e saltar fora. Justificativa incoerente, pois, o rapaz segurava visivelmente os dois reais à espera de entregá-lo assim que o pedido viesse. E também ela poderia ter respondido “só com ficha” à pergunta se poderia receber o pedido e pagar depois. Assim o rapaz não perderia seu tempo se não quisesse ou pudesse esperar o desenrolar do atendimento no caixa. A culpa voltaria para o operador deste setor.

Ainda divagando o sujeito imaginou a hipótese de ambos, operador de caixa e operador de balcão, terem imaginado que era sem efeito o ocorrido, pois, eram apenas dois reais que eles estavam perdendo. Só a amiga da mulher causadora do tumulto, a crente, gastara cinco reais e cinquenta centavos. Se isso tiver acontecido, pensava ele, terá sido uma grande exibição de falta de tino para os negócios.

Claro! Ainda mais nos dias de hoje, com essa recessão “Temer”osa! O rapaz entrou no recinto porque o achou com boa aparência. Viu um cartaz anunciando uma promoção, na certa gostara do preço e das opções inclusas. Faltava ele receber o atendimento e experimentar os produtos. Os quais ele avaliaria e teriam peso sobre a sua fidelidade ao local de consumação de relação comercial da área alimentícia.

Muito poderia decorrer disso. O cliente poderia consumir mais logo ao acabar de degustar ou poderia voltar ao estabelecimento nos dias que se seguissem, tal qual ele faz com estabelecimentos vizinhos àquele, e comprar novamente. Ele poderia indicar para amigos, que tal qual em um sistema de marketing multinível poderiam alavancar novas vendas para o estabelecimento. Não foram só DOIS reais que foram perdidos. Foi UMA venda. Uma única venda é suficiente para se deixar de ganhar ou até mesmo perder muito dinheiro.

Mesmo que o negócio não seja seu, lute pelo seu cliente. Faça o máximo para atênde-lo. Nem sempre atender significa deixar o freguês satisfeito, tendo conseguido o que foi procurar. Um ensinamento que coloquei no livro “Contos de Verão: A casa da fantasia“, que ensina a conquistar pessoas e a vender, é: Os clientes voltam quando não são atendidos, se forem respeitados, por acharem que o estabelecimento é tão bom que é muito disputado. E quem ele avalia é o servidor e o produto e não a empresa. O servidor, mais tarde, de tanto receber boas avaliações, se vier a montar o próprio negócio poderá contar com os clientes do próprio patrão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: